Cristas fora da corrida às autárquicas. Direção do CDS soube da decisão numa “rede social”

Na quarta-feira, a ex-presidente do CDS-PP Assunção Cristas indicou que não quer ser candidata à presidência da Câmara de Lisboa. Horas depois, a direção do partido reagiu, dizendo ter sabido da decisão “através de uma rede social”.

No comunicado assinado pela porta-voz do partido, Cecília Anacoreta Correia, citado pelo semanário Expresso, a liderança do CDS disse ter tomado conhecimento da “indisponibilidade” de Assunção Cristas para a corrida autárquica “através de uma rede social”.

Na mesma nota, a porta-voz dos democratas-cristãos garantiu que a direção “respeita a legítima opção” que Cristas quer fazer pela sua vida profissional e “agradece” pelo seu papel autárquico. Recorde-se que a ex-líder obteve uns históricos 20,5% quando se candidatou a Lisboa em 2017.

Segundo a direção, a “ambição” do CDS é construir um projeto autárquico alternativo ao socialismo, “nos órgãos e calendário próprios”, para cumprir “três objetivos”: o crescimento da sua implantação autárquica, a derrota do PS e a construção de uma maioria de centro direita para as legislativas de 2023.

Um membro da direção garantiu ao mesmo semanário que o nome de Cristas chegou a ser colocado, como líder ou não de uma coligação, em reuniões com o PSD. Porém, nunca houve uma reunião entre a atual direção e a antiga presidente.

A mesma fonte argumenta que Cristas rejeitou falar do assunto em janeiro, sublinhando que o tempo era de discutir as presidenciais. “Perdeu por falta de comparência política”, atacou o membro.

No início de janeiro, o Expresso adiantou que o líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, já tinha garantido que Assunção Cristas teria o “apoio incondicional” do partido se quisesse ser candidata à Câmara Municipal de Lisboa e afirmado que a ex-líder seria um “peso pesado” para enfrentar Fernando Medina.

“Se a Assunção manifestar essa vontade, o CDS não lhe cortará as pernas”, garantiu um membro da Comissão Executiva, o órgão de decisão mais restrito dos centristas.

Porém, esta quarta-feira, Cristas indicou que não quer ser candidata a Lisboa por não estarem “reunidas as condições de confiança”. “Apesar do apoio das estruturas locais do partido, não estão reunidas as condições de confiança necessárias para ponderar uma candidatura”.

“Três razões essenciais pesaram na minha reflexão: a discordância da estratégia do CDS na negociação de uma coligação alargada com o Partido Social Democrata; o discurso contraditório da direção do CDS, que me considera simultaneamente responsável pela degradação do partido no último ano e uma boa candidata a Lisboa, somado ao parco interesse em falar comigo, num tempo e numa forma que fica aquém do que a cortesia institucional estima como apropriado; e os desafios profissionais que tenho pela frente”, sublinhou.

  Maria Campos, ZAP //

 

 

 

 

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

O Supremo dos EUA mudou as suas regras para que as juízas não fossem constantemente interrompidas

Revelação foi feita por Sonia Sotomayor, uma das três mulheres que compõe o coletivo de nove juízes e a primeira latina a chegar ao cargo. O facto de serem constantemente interrompidas em reuniões ou outros …

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem com menos de 540 euros por mês

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, ou seja, com menos de 540 euros por mês, uma realidade que afeta famílias numerosas, mas também quem vive sozinho, idosos, crianças, estudantes …

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

"Subida do salário mínimo é para manter", diz Siza Vieira

O ministro da Economia destaca que a trajetória do aumento do salário mínimo nacional "é para manter", assegurando que a meta é que este suba até aos 750 euros em 2023. Em entrevista ao semanário Expresso, …