“Geringonça à direita”. Rio admite com o PSD a mandar e Cristas só não quer Ventura

Rui Rio e Assunção Cristas abrem a porta a uma “geringonça à direita” depois das eleições legislativas. O presidente do PSD só exige que essa eventual aliança seja liderada pelo PSD. Já a presidente do CDS-PP exclui de uma eventual união entre os partidos do centro-direita o Chega, liderado por André Ventura.

Foi Assunção Cristas quem deu o mote para uma possível “geringonça à direita” depois das eleições legislativas de 6 de Outubro. A presidente do CDS-PP admitiu ser “perfeitamente possível” e “desejável” os partidos do centro-direita conversarem no sentido de uma aliança.

“Sempre disse que, para termos 116 deputados de maioria, faria sentido, depois das eleições, ter uma coligação com aqueles que elegerem. Devo dizer que desses todos, parece-me que há um que está a mais, que é o Basta, mas com os outros todos acho que é perfeitamente possível conversarmos, e desejável”, afirmou Assunção Cristas, referindo-se ao partido Chega de André Ventura que, nas europeias, encabeçou a coligação Basta.

Cristas falava em resposta a uma pergunta de um espetador da TVI24, no programa “Tenho uma pergunta para si”, colocada por escrito, questionando: “O que é que acha de uma geringonça à direita com PSD, o CDS, a Aliança, o Chega e a Iniciativa Liberal?”

“Aquilo que existe agora à esquerda, um dia, agora, em 2019, pode acontecer no espaço político do centro-direita”, respondeu Assunção Cristas.

Em reacção a estas declarações, Rui Rio admite que uma coligação “à direita” é possível. “Haverá um resultado eleitoral e depois logo se vê”, apontou em Guimarães, sublinhando que essa eventual união terá, contudo, que ser liderada pelo PSD.

“A alternativa de liderança de um Governo em Portugal, àquele que existe, alternativa de liderança, de primeiro-ministro, a única alternativa a António Costa sou eu“, afirmou.

Rio também aproveitou para lançar uma farpa à “geringonça” de esquerda que está actualmente no Governo. “Seguramente, à direita, se liderada por mim, nunca haverá uma ‘geringonça’ montada à pressa e de qualquer maneira só para se conseguir o poder, terá uma uniformidade fundamental que com o CDS sempre existiu”, sublinhou.

O líder dos sociais-democratas refere ainda que o CDS é “obviamente, o parceiro natural do PSD quando precisa de um outro partido para fazer uma maioria parlamentar”.

As declarações de Rio surgiram no âmbito do roteiro do Património, uma das áreas que deve ser abrangida pela descentralização, segundo o ex-presidente da Câmara do Porto.

“Eu entendo que, no quadro da descentralização de competências, devemos perseguir o princípio da proximidade, não quer dizer que seja sempre possível, mas sempre que possível. As câmaras têm condições muito melhores para cuidarem do património do que o Ministério da Cultura, que está muito mais longe”, apontou.

Cristas fala num “despacho desastroso”

Durante a participação no programa da TVI24, Assunção Cristas recusou que ela própria e o CDS tenham estado “de férias” durante a greve dos motoristas de matérias perigosas, referindo que os centristas tiveram intervenção, embora sem o protagonismo da líder, agindo em equipa.

Assunção Cristas sublinhou que, desde a Páscoa, quando os motoristas de matérias perigosas realizaram um primeiro protesto, o CDS tem vindo a defender uma atualização da lei dos serviços mínimos.

“Chegámos a agosto, tivemos mais uma greve e o Governo aproveitou-a para ter um grande protagonismo. Nós não achámos útil estar a aparecer aí, eu, porque outros apareceram. O CDS esteve presente, e esteve presente a falar dos serviços mínimos e a falar da necessidade de rever a lei da greve. Felizmente, o partido não é de uma pessoa apenas, é de uma equipa e ela esteve muitíssimo presente”, declarou.

No programa da TVI e da TVI24, em que foi questionada quer por jornalistas, quer através de perguntas de cidadãos, mas também por representantes de sindicatos e associações, a presidente do CDS recusou quantificar um resultado eleitoral nas eleições legislativas de 06 de outubro que constitua um “patamar de sobrevivência” à sua liderança.

Apesar de falar em ambição, Cristas também dramatizou: “Sabemos o que estamos a combater. Estamos a combater uma maioria de dois terços à esquerda, uma maioria de revisão constitucional, de mudança de juízes do Tribunal Constitucional, de nomeação de cargos da justiça”, disse.

Sobre o despacho à lei da identidade de género, a presidente do CDS rejeitou que o partido tenha contribuído para criar “ruído” sobre a matéria, e, confrontada pela jornalista Constança Cunha e Sá, não se pronunciou sobre posturas que dirigentes centristas tiveram nas redes sociais, como a divulgação de material pornográfico para ilustrar publicações, ou o truncar do conteúdo do despacho pelo presidente da Juventude Popular.

“Achamos que este despacho criou grande ruído e que a forma de tratar estas situações é entre os pais, as crianças, as escolas, na intimidade, e na discrição em que estas situações devem ser tratadas”, disse, reiterando uma posição assumida na segunda-feira.

Assunção Cristas sublinhou também a importância da autonomia das escolas: “Faz-me um bocadinho de impressão de que haja um despacho da 5 de Outubro a tratar de uma situação que tem a ver com 200 crianças”.

“A autonomia das escolas serve para isso“, declarou, considerando que se tratou de um “despacho desastroso” e dizendo que, para o CDS, “é essencial que todas as crianças tenham tranquilidade e tenham a sua situação tratada entre pais, escola e professores”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. ahahahahahhaahahhaahahahahahahahahah
    esta cristas borrega é mm cómica, o CDS está quase ao nível de um PAN…
    O CDS MORREU, resigne-se e deixe o poleiro!

  2. Muito importante aquilo que se lê: MAS SÓ DEPOIS DAS ELEIÇÕES CONSOANTE OS RESULTADOS!! Como fez o Passos Coelho com o CDS antes desta geringonça e o Costa com o BE e PCP presentemente, ou seja, afinal de que serve votar num partido? Assim sendo faziam todas as coligações antes e nas listas a voto apareceriam só 3 ou 4 “emblemas” em quem votar! Democracia no seu melhor quando a credibilidade dos “nossos” políticos está de rastos.

  3. A aberração natural criada por costa e catarina levou a que se acredite que não vale ir a eleições, bastando à mesa de café arranjar uma golpada como aconteceu. A democracia morreu com este golpe PALACIANO autenticado por C.Silva. Quanto ao comentário da senhora?, não tem nada de nada, tão somente ódio, rancor, e pouca educação.

  4. Dona crista, acha que a cangalhada da direita que referiu, chega, sem o Chega, a atingir sequer 100 assentos parlamentares. A senhora precisa de descansar, anda muito “estressada”

Novas demissões na Agência de Informações Financeiras do Vaticano

Um membro da entidade de regulação financeira do Estado do Vaticano, Marc Odendall, demitiu-se na sequência de buscas realizadas pela polícia e que originaram na suspensão do organismo do sistema de comunicações global. Marc Odendall, banqueiro …

Governo e Liga de clubes discutem redução do IVA para espetáculos desportivos

Secretário de Estado do Desporto afirma querer ouvir as reivindicações do organismo, mas sem se comprometer. O secretário de Estado da Juventude e do Desporto anunciou ontem que vai reunir-se com representantes da Liga Portuguesa de …

Tufão obriga a retirada de cerca de cinco mil pessoas do norte das Filipinas

Cerca de cinco mil pessoas foram retiradas do norte das Filipinas devido à aproximação do tufão Kalamaegi, que deverá tocar terra na província de Cagayan nas próximas horas, disseram esta terça-feira as autoridades locais. "Estamos preparados …

Acabaram-se as trotinetas no Algarve. Duraram 10 meses

A vereadora considera, no entanto, que a experiência foi “positiva”, já que permitiu recolher dados de mobilidade, nomeadamente, da utilização destas soluções em pequenos trajetos, ao mesmo tempo que colocou a questão na agenda pública. Sophie …

EasyJet diz que será a primeira a alcançar a neutralidade carbónica na aviação

A companhia aérea britânica easyJet afirmou esta terça-feira que será a primeira no mundo a alcançar a neutralidade carbónica através das compensações. Num comunicado publicado no seu site oficial, a companhia low cost anuncia ainda um …

Número de pré-avisos de greve até outubro é o mais alto dos últimos quatro anos

O número de pré-avisos de greve até outubro foi o mais alto dos últimos quatro anos, totalizando 781, segundo dados da Direção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT). Entre janeiro e outubro deste …

Na Índia, já há "bares de oxigénio" para quem quiser respirar ar puro

A Índia é um dos países mais contaminado do mundo. Desde o final de outubro, a poluição alcançou um nível crítico devido à queimada de restolhos nos campos. Agora, há uma solução arrojada para que os …

Depois do Papão Harrison, o novo exame foi "duro" (e muitos jovens médicos já pensam em emigrar)

Foram quatro horas de exame, com 150 perguntas, na temida Prova Nacional de Acesso para a Formação Especializada em Medicina e muitos dos jovens médicos não conseguiram concluí-la. Os que temem não conseguir aceder à …

Situação trágica. "Veneza está a desaparecer"

A situação em Veneza é trágica, com 85% da cidade italiana inundada depois das piores cheias dos últimos anos. Mas estas inundações são apenas um alerta para o que pode vir a seguir, já que …

Documentos internos do governo chinês revelam plano "sem piedade" contra muçulmanos

O jornal norte-americano New York Times recebeu 403 páginas de documentos internos do governo chinês relacionados com a limpeza étnica na província de Xinjiang. Nesta província, foram criados mais de 500 campos de concentração onde uigures, …