Crise pós-autárquicas. Tiro pode sair pela culatra à oposição (e beneficiar PS)

(dr) PSocialista / Flickr

O líder do Partido Socialista, António Costa

O tiro de partida para as eleições autárquicas deve ser dado em junho, por um PS ainda sem pressa para avançar.

Qual é a pressa?” Em 2013, António José Seguro repetiu várias vezes esta questão, numa estratégia para tentar travar o grupo de António Costa no desafio à sua liderança. Desta vez, é a própria direção do PS que lhe sucedeu que se apropria da pergunta, quando confrontada com o tiro de partida para as autárquicas.

Segundo o Observador, a direção socialista não tem pressa e atira “lá para junho” o arranque das eleições, até porque, quanto mais tempo o partido estiver à cabeça das 159 autarquias que conquistou em 2017, melhor.

“O PS tem a maioria dos presidentes de câmara. E esses têm de estar o maior tempo possível como presidente de câmara e não como candidatos”, afirmou um dirigente socialista ao diário.

Quanto ao pós-eleições, o PS só antevê dois cenários: ou fica tudo como está no Governo, ou o Executivo sai reforçado. Em qualquer um deles, é a oposição que sai a perder.

António Costa não admite leituras nacionais de qualquer resultado autárquico. Se a oposição transformar as eleições que se avizinham numa avaliação do Governo, isso poderá trazer um resultado ainda melhor para o PS.

Em 1987, o PS juntou-se ao PRD para aprovar uma moção de censura para derrubar Cavaco Silva, que conseguiu duas maiorias absolutas de seguida. Nesta fase, e com os níveis elevados de popularidade apontados pelas sondagens, Costa acredita que, se alguém pedisse a sua cabeça, o PS alcançaria mais depressa uma maioria absoluta.

Em 2011, depois de ter chumbado o PEC IV, o Bloco de Esquerda viu a sua bancada parlamentar encolher de forma exponencial, nas eleições antecipadas que daí resultaram, passando de 16 para oito deputados.

Estes dois exemplos políticos são lembrados pelos socialistas e servem de aviso para as afrontas que possam vir da esquerda no pós-autárquicas.

Qualquer que seja a perspetiva, as eleições são encaradas como um ganho para o PS. Ainda neste capítulo, o Observador avança que os socialistas e os comunistas chegaram a falar sobre as autárquicas, mas o PCP recusou acordo. Nestas eleições locais, vai cada um por si e ambos acreditam que isso não influenciará as negociações a nível nacional.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Advogados repudiam declarações de Cabrita sobre agendamentos do SEF

Um grupo de advogados repudiou as declarações do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que atribuem a um escritório de advogados a responsabilidade pelo mau funcionamento do sistema de agendamentos para atribuição de vistos de …

Fundo Azul só aplicou um quarto do orçamento desde 2016

O Fundo Azul tem tido um orçamento anual de 13 milhões de euros nos últimos cinco anos, mas não tem gasto três quartos desde 2016. Em cinco anos, o Fundo Azul entregou apenas 17 milhões de …

Polónia 1-2 Eslováquia | Paulo Sousa surpreendido no arranque

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, entrou hoje da pior forma no Euro2020, ao perder por 2-1 com a Eslováquia, em encontro do Grupo E, disputado em São Petersburgo, na Rússia. O guarda-redes Wojciech …

Agostinho Branquinho nega tráfico de influências na construção de hospital em Valongo

O antigo deputado Agostinho Branquinho negou esta segunda-feira qualquer envolvimento ou tráfico de influências junto da Câmara de Valongo, no processo de licenciamento e construção do Hospital de São Martinho, naquele concelho do distrito do …

Estádio Sp. Braga

17 anos depois, Câmaras ainda devem 55 milhões dos estádios do Euro 2004 (só 2 já pagaram tudo)

Apenas duas Câmaras municipais já não têm dívidas no âmbito da construção de estádios para o Euro 2004. Ao cabo de 17 anos, as autarquias ainda têm cerca de 55 milhões de euros para pagar …

PSD quer aumentar penas para corrupção por políticos em funções e evitar megaprocessos

O PSD quer agravar as penas de prisão para crimes de corrupção, sobretudo quando cometidas por políticos, mas admite a dispensa ou atenuação da pena em caso de colaboração, e apresenta propostas para evitar os …

Petição por manuais gratuitos para todos os alunos entregue esta segunda-feira no Parlamento

Uma petição pública pelo alargamento da gratuitidade dos manuais escolares a todos os alunos do ensino obrigatório, passando a incluir o setor privado, é entregue esta segunda-feira no parlamento para ser discutida em plenário. Dezenas de …

PAN e o Livre juntam-se ao PS em coligação inédita à Câmara de Cascais

Numa aposta inédita, o PAN e o Livre juntaram-se à candidatura de Alexandre Faria, presidente do Estoril Praia e candidato do PS à Câmara de Cascais, para tentar recuperar uma autarquia liderada pelo PSD/CDS há …

Reino Unido adia desconfinamento por um mês

Esta segunda-feira, em conferência de imprensa, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou que o desconfinamento no Reino Unido vai ser adiado de 21 de junho para 21 de julho. No Reino Unido, o desconfinamento vai ser …

Costa responde a Marcelo: "Ninguém pode garantir" que não voltamos atrás

Esta segunda-feira, António Costa disse que "ninguém" pode assegurar que não vai ser preciso voltar atrás no desconfinamento. Nem mesmo o Presidente da República. Questionado pelos jornalistas sobre a convicção de Marcelo Rebelo de Sousa sobre …