Crise “apagou o Natal” na Venezuela e já nem há luzinhas nas ruas, dizem portugueses

Nathalie Sayago / EPA

Portugueses na Venezuela queixam-se de que a crise político-económica “apagou o Natal” no país, onde está tudo tão caro que é impossível uma consoada como dantes e onde já nem se veem luzinhas nas ruas.

Oxalá tudo fosse como antes, como no tempo de Carlos Andrés Pérez, quando éramos felizes e não sabíamos”, disse uma luso-venezuelana à Lusa, fazendo referência ao líder de Ação Democrática que presidiu a Venezuela em duas oportunidades e que em 1989 implementou um pacote de medidas económicas que desencadeou uma violenta explosão social, conhecida como El Caracazo.

Com nostalgia, Violeta Soares, doméstica de 67 anos, lembrou que no passado “não era preciso fazer filas para conseguir alimentos, para o pão, para conseguir leite, açúcar, café, arroz, margarina…”.

“Eram outros tempos. Havia fartura. Na mesa de Natal havia salada de galinha, pão de fiambre, pernil assado, doce de papaia, broas e bebidas. Hoje, nem Coca Cola se consegue nas lojas e ninguém bate à porta para que proves um bolo, porque ou não há ingredientes ou está tudo tão caro que é apenas para os que vivem em casa”, explicou.

No Mercado de Chacao, Manuel Pérez, de 62 anos, desabafava que “tudo está tão caro”.

Andei a comprar coisas para as ‘hayacas’ (prato típico do Natal venezuelano) e tive de fazer contas, porque o dinheiro não chega para nada. Não cheira a Natal. Em casa éramos cinco, eu, a mulher, a filha, o genro e o neto. Eles emigraram e fiquei só com a mulher e, mesmo assim, se não fosse a ajuda que me mandam passaríamos fome”, lamentou.

Para o luso-descendente José Freitas, engenheiro informático de 30 anos, neste natal “não há nada que celebrar, está tudo tão mau no país que nem luzinhas se vê nas ruas”.

Perdi mais de 11 quilos em quatro meses. Para conseguir carne tenho de perder a noite para fazer fila. Hoje tudo está a um preço e amanhã a outro. Dizem que em janeiro o salário mínimo vai aumentar, mas isso não nos alegra, porque depois os preços disparam”, explicou.

Com um carro parado há três meses por falta de uma peça, sonha “emigrar um dia para Portugal”.

“Mas depois a realidade sacode-me e lembra-me que não posso pagar uma viagem, que é preciso euros e que não posso deixar para trás a mulher e o bebé de dois anos”.

Apagou-se tudo, o Natal, a esperança, a qualidade de vida e o futuro. Na Venezuela estamos deprimidos. Quem pode pensar em festejar vendo como tudo piora diariamente”, questionou.

Vários portugueses explicaram à Lusa que as ruas venezuelanas refletem a crise no país: salvo raras exceções, as pessoas deixaram de colocar adornos nas janelas, luzes nos beirais, nas árvores dos quintais e nas varandas dos apartamentos.

“Os que ainda podem, farão uma ceia mais modesta, que terminará em solidão e na saudade dos tempos em que vizinhos e amigos compartilhavam” estas festividades.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Manchas gigantes de Betelgeuse podem explicar o seu estranho escurecimento

As manchas gigantes da estrela Betelgeuse podem estar por detrás do estranho escurecimento que esta estrela tem vindo a experimentar, segundo uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Max Planck, na Alemanha. …

Pela primeira vez, os norte-americanos querem mais imigração - e não menos

Pela primeira vez, os norte-americanos querem ver aumentar a imigração no seu país, escreve o Business Insider citando uma sondagem da Gallup. De acordo com os números apresentados pelo jornal norte-americano, 34% dos cidadãos dos …

Porto 5-0 Belenenses | Segunda parte demolidora no Dragão

O FC Porto respondeu de forma categórica à vitória do Benfica sobre o Boavista por 3-1 na noite de sábado. Na recepção ao Belenenses, os “azuis-e-brancos” golearam por expressivos 5-0, com quatro golos a serem apontados …

Foi exposto o primeiro núcleo exoplanetário. Pode pertencer a gigante gasoso "planeta falhado"

Astrónomos da Universidade de Warwick descobriram o núcleo sobrevivente de um gigante gasoso em órbita de uma estrela distante, oferecendo uma visão sem precedentes do interior de um planeta. O núcleo, que é do mesmo tamanho …

As águas profundas provocam terramotos e tsunamis (e já se sabe como)

Uma nova investigação vincula diretamente o ciclo da água na Terra com a produtividade magmática e a atividade sísmica. A água (H2O) e outros elementos voláteis (como o CO2 e o enxofre) que circulam nas profundezas …

Cidade japonesa acaba de proibir a utilização de telemóveis enquanto se caminha

A cidade japonesa de Yamato acaba de aprovar uma proposta de lei que proíbe as pessoas de utilizarem telemóveis enquanto caminham. A cidade, localizada num subúrbio de Tóquio, entende que os telemóveis são um risco …

MIT apagou base de dados popular que ensinou IA a ser racista e sexista

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, viu-se obrigado apagar uma base de dados de treinamento de Inteligência Artifical (IA) depois de esta ensinar vários algoritmos a usar insultos racistas e sexistas. …

Escola Básica e fábrica de Paços de Ferreira encerradas, com nove casos positivos

A Escola Básica n.º 2 e a Fábrica de Lacados Abrelac, em Paços de Ferreira, Porto, foram encerradas após diagnosticados nove casos de covid-19 para “prevenção” e para “interromper as cadeias de transmissão”, disseram hoje …

Mais nove mortes e 328 casos confirmados em Portugal

Portugal regista hoje mais nove óbitos por covid-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral …

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …