Mãe das crianças de Caxias detida por suspeita de homicídio

(dr) João Miguel Rodrigues / CM

A Polícia Judiciária deteve esta manhã a mãe das duas crianças que morreram na noite de segunda-feira, em Caxias, por suspeitas de homicídio das filhas.

“A Polícia Judiciária, em cumprimento de mandado de detenção emitido pelo Ministério Público, procedeu à detenção de uma mulher por fortes indícios da prática de dois crimes de homicídio“, informou a Polícia Judiciária, em comunicado enviado à imprensa.

As duas crianças estavam sinalizadas pela Comissão de Menores, depois de a mãe ter apresentado queixas contra o pai por abuso sexual e violência doméstica. No entanto, não foram alvo de qualquer medida de protecção.

A bebé de 19 meses que morreu e a irmã de quatro anos, que continua desaparecida, terão entrado na água, na praia de Caxias, em Oeiras, pela mão da mãe, que terá tentado suicidar-se com elas.

Segundo a Renascença, a mulher será ouvida ainda esta quarta-feira, num primeiro interrogatório, e eventualmente sujeita a medidas de coação.

De acordo com uma testemunha ocular, citada pela RR, a mulher saiu da água, em estado de pânico e em avançado estado de hipotermia, a afirmar que as suas duas filhas estavam dentro de água.

A mulher de 37 anos – que estaria em depressão profunda, conforme revelaram familiares à CMTV – continua hospitalizada.

O Ministério Público já abriu um inquérito ao caso, que decorre no Departamento de Investigação e Acção Penal de Oeiras.

Processo de protecção das crianças não saiu do papel

Ainda de acordo com a Renascença, fonte da Procuradoria-Geral da República confirmou que a mãe apresentou queixa na PSP em Novembro do ano passado contra o companheiro, o pai das duas crianças, por “crimes de violência doméstica e de abuso sexual de crianças”.

“No âmbito deste inquérito, foi proposta à denunciante a tele-assistência, tendo sido elaborado um plano de segurança. De acordo com a informação constante do processo, vítima e arguido estavam separados e não partilhavam a residência”, frisa ainda a PGR.

Fátima Duarte, da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco, referiu à Lusa que a situação estava sinalizada e que foi remetida “com carácter urgentíssimo” para o MP.

Esse processo está ainda em curso, sem que tenham, até ao momento, sido confirmados quaisquer abusos.

A 2 de Dezembro, o MP terá aberto um processo “para proteger as crianças”, refere o CM, sem que tenham sido tomadas quaisquer medidas concretas.

Mãe das crianças sentia-se abandonada pelas autoridades

Familiares da mulher contaram à CMTV que ela fez queixas na PSP, na GNR, na Segurança Social e na APAV (Associação de Protecção de Apoio à Vítima) e que tinha “medo” do companheiro, com quem viveu em união de facto nos últimos cinco anos.

De acordo com as mesmas fontes, o pai das crianças terá feito ameaças de morte à mulher, às próprias filhas e a familiares.

O quadro de violência doméstica arrastar-se-ia há vários anos, mas a mulher só terá decidido sair de casa quando descobriu os alegados abusos cometidos pelo pai contra a filha de quatro anos.

Ela terá ido primeiro para a casa dos pais na Amadora e depois para a casa de uma tia, em Vila Franca de Xira, regressando por fim para a casa dos progenitores, apurou o JN.

O companheiro reportou o seu desaparecimento às autoridades na sexta-feira, mas os familiares alegam à CMTV que ela terá mantido contactos com eles, ao longo do fim-de-semana, e que foi só depois do meio-dia de segunda-feira que lhe perderam o rasto, após ela ter desligado o telemóvel.

Há cerca de 15 dias, o pai das menores terá dado entrada com um pedido de regulação paternal, no sentido de obter a guarda das filhas, factor que, de acordo com os familiares, contribuiu para agravar o quadro de depressão e de desespero da mulher.

Sentia-se abandonada pelas autoridades, segundo referem os familiares à CMTV, por não ter obtido qualquer resposta ou apoio depois da queixa apresentada em Novembro.

O advogado do pai das crianças, Rui Maurício, nega ao Diário de Notícias as acusações que lhe foram feitas pela ex-companheira e garante que não foi ouvido pelas autoridades.

Entretanto, recomeçaram nesta quarta-feira as buscas pela menina de quatro anos, que continua desaparecida.

ZAP

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Sr/a jornalista SV/ZAP, francamente… ” O quadro de violência doméstica arrastaria-se há vários anos…” ? Não será ” O quadro de violência doméstica arrastar-se-ia há vários anos…?!!!”

  2. É sempre assim, quem vai sofrer as represálias é a pobre da mãe que na sua insanidade mental devido ao estado de depressão em que se encontrava praticou o acto que para ela, era o fim do sofrimento em que vivia e ao mesmo tempo protegia as filhas,a de 4 anos que segundo ela era violada pelo pai e provávelmente a de 19 meses iria certamente acontecer o mesmo sem a proteção que deveriam ter tido pelas autoridades e assistentes sociais por quem já estavam sinalizadas (mas essas só sabem mexer os cordelinhos quando é para retirar os filhos ás mães) todas essas pessoas é que deviam ser responsáveis pelo que aconteceu ás crianças pois á mãe já lhe chegam os remorços pela vida fora é uma vitima e o malandro se a menina não aparecer rápidamente não sei até quando será possivel provar a sua culpa.
    Ele alem de ser um cobarde ao exercer violência doméstica e provocar a depressão na moça ainda é um porco violador,ele sim deveria ser condenado.

  3. Que “qualidade” de comentários para aqui vai!…
    Pobre mãe?!
    Uma assassina que mata as duas filhas agora é “pobre mãe”?
    Até agora, a única coisa certa é que a mãe matou as filhas – o resto é conversa para palermas!…

"Diga-lhe para ligar ao FBI". Autocarro com a cara do príncipe André circula em Londres

Um autocarro escolar, com a cara do príncipe André, andou a circular por Londres, esta sexta-feira, numa campanha da advogada Gloria Allred para pressionar o filho da Rainha a falar com o FBI. Esta sexta-feira, um autocarro …

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …

CM Lisboa vai negociar avenças em parques para moradores da envolvente da Baixa

O presidente da Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que a autarquia irá tentar acordar com os operadores dos parques de estacionamento da envolvente da Zona de Emissões Reduzidas da Baixa-Chiado a criação de "avenças …

Caso Marega. PGR tinha brigada anti-racismo no jogo de Guimarães

A equipa do Ministério Público estava de serviço, no jogo entre V. Guimarães e FC Porto, quando o jogador maliano decidiu abandonar o campo na sequência de cânticos racistas. De acordo com o semanário Expresso, a …

Cientistas descobriram o que comiam os primeiros australianos

Uma equipa de arqueólogos e anciões aborígines encontraram sobras carbonizadas de há 65 mil anos, que estão a mostrar o que comiam as primeiras pessoas a viver na Austrália. Os investigadores e anciões aborígines locais recuperaram recentemente …