Cravinho nega “catástrofe” na Marinha e “turbulência” nas Forças Armadas

Mário Cruz / Lusa

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho

O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, negou que a Marinha esteja à beira da “catástrofe” e recusou que houvesse “turbulência” nas Forças Armadas e nas atuais chefias, contrariando a descrição feita por antigos chefes do Estado-Maior da Armada.

Em entrevista à RTP, o ministro indicou que entre os oficiais jovens há maior “aceitação” da sua reforma do comando superior – que concentra poderes no chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (CEMGFA).

Sobre a necessidade da concentração do comando dos assuntos militares no CEMGFA, referiu que o que se está a fazer é “fechar um ciclo de reformas” que “tinha de acontecer”. O objetivo é dar “o comando único de tudo o que seja militar ao CEMGFA”, ficando os ramos militarmente subordinados, mas não em questões administrativas ou orçamentais.

As missões atuais, justificou, “exigem interoperabilidade e colaboração entre os diferentes ramos, o que é mais fácil com um comando único”, acrescentando: “Não tem sido possível pensar o futuro das nossas Forças Armadas enquanto tal, porque cada um dos ramos funciona com a sua lógica, energia e pulsões”.

Embora não tenha ficado surpreendido com as críticas do “Grupo dos 28” ex-chefes militares – por ser uma instituição “avessa a mudanças” -, disse que o ficou com a insinuação de que havia “interesses” nos negócios de compra de equipamentos militares e de imobiliário. “Não sei o que é essa coisa, mas parece-me completamente descabido, esta reforma não tem nada a ver com o mundo dos negócios, antes pelo contrário”.

Quanto às deficiências da Marinha de Guerra, desvalorizou o facto de só uma das cinco fragatas estar neste momento a navegar. “São meios complexos, que têm ciclos longos de manutenção programada. E nunca tivemos as cinco disponíveis”, disse, destacando a encomenda de mais seis Navios de Patrulha Oceânicos anunciada a semana passada.

João Gomes Cravinho, concordou, contudo, que a falta de um navio reabastecedor, após o abate do “Bérrio”. Confrontado com a notícia do Expresso de que sem este meio seria impossível a Portugal realizar uma operação de resgate como na Guiné-Bissau em 1998,  assumiu que o país não tem essa autonomia.

“Há discussões com países aliados para colmatar esse problema em caso de necessidade”, apontou, esclarecendo que é necessário refazer as prioridades para que se possa gastar entre 150 e 180 milhões de euros num novo navio fornecedor de combustível.

  Taísa Pagno //

PARTILHAR

RESPONDER

O segredo da Coreia do Sul para combater a covid-19? Tecnologia de ponta e toque humano

O sucesso da Coreia do Sul a combater a pandemia de covid-19 não assentou apenas no recurso à tecnologia de ponta — também envolveu o tradicional toque humano. De acordo com um recente relatório da Câmara …

Governo: voto contra do Bloco é "definitivo". Marcelo diz que chumbo provoca dissolução

O Governo afirmou este domingo que entendeu o anúncio de voto contra por parte do BE como “uma posição definitiva”, remetendo eventuais novas negociações com este partido para a fase da especialidade do Orçamento do …

Soldados do exército chinês alinhados.

Chinesas querem "empregos de homem" — mas o sistema educacional corta-lhes as asas

Várias escolas, academia e universidades chinesas impõe cotas que limitam o acesso de estudantes do sexo feminino. Mulheres têm de tirar notas mais altas do que os homens para entrar. Um pouco por todo o mundo …

"A Escola de Atenas", quadro de Rafael Sanzio.

Ideias da filosofia grega podem ter-nos conduzido às alterações climáticas

Algumas das ideias defendidas por antigos filósofos gregos podem ter conduzido a civilização rumo às alterações climáticas. Incêndios florestais causados por ventos crescentes e um calor sem precedentes cercaram Atenas, Grécia, no verão passado, cobrindo os …

Vizela 0-1 Benfica | Milagre de São Rafa no último suspiro

A ressaca pós-goleada frente ao Bayern, na Liga dos Campeões, foi difícil para o Benfica. Os comandados de Jorge Jesus sentiram muitas dificuldades frente a um Vizela que sabia que o seu adversário iria patentear …

Otoniel, o camponês paramilitar (e criminoso mais procurado da Colômbia) foi capturado

O governo da Colômbia anunciou este sábado a captura do narcotraficante mais procurado do país, Dairo Antonio Úsuga (com a alcunha de 'Otoniel'), por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de cinco milhões de …

"Tratam as doentes como histéricas". O longo caminho da Medicina até levar a sério a dor feminina está a custar vidas

Muitos dos avanços na medicina tiveram apenas metade da população em conta. Para além da falta de representação das mulheres nos estudos médicos, a dor e os relatos das pacientes são muitas vezes desvalorizados nas …

Bloco faz ultimato: vota contra o OE se até 4ª feira o Governo "insistir em impor recusas"

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, avisou este domingo que o BE votará contra o orçamento se até quarta-feira “o Governo insistir em impor recusas onde a esquerda podia ter avanços”, mantendo, no …

Nova faca de madeira é três vezes mais afiada do que as de aço - e pode ser lavada após ser usada

Através do uso de métodos alternativos, uma equipa de cientistas criou uma nova forma endurecida da madeira que pode ser transformada em facas afiadas. A equipa da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, refere que as …

Áustria planeia confinar quem não estiver vacinado contra covid-19

O governo austríaco anunciou que, se ocupação de camas de Unidades de Cuidados Intensivos com pacientes covid-19 atingir nível crítico, pessoas não imunizadas poderão sair de casa apenas em casos excepcionais, como compras essenciais e …