“Clinicamente, covid-19 já não existe em Itália”. Estudo polémico conclui que coronavírus enfraqueceu

Massimo Percossi / EPA

O director dos Cuidados Intensivos do Hospital de San Raffaele, em Milão, Alberto Zangrillo, assegura que “do ponto de vista clínico”, o coronavírus “já não existe” em Itália, citando um estudo que alega que perdeu capacidade de replicação. Declarações que estão a criar polémica.

Foi durante um programa de um canal de televisão italiano, neste domingo, 31 de Maio, que Alberto Zangrillo, director dos Cuidados Intensivos do Hospital de San Raffaele, em Milão, uma das zonas mais afectadas pela pandemia, alegou que “o vírus praticamente não existe de um ponto de vista clínico” em Itália.

Num debate sobre o coronavírus na região da Lombardia, onde se verificou o maior número de casos de infecção em Itália, o médico italiano citou um estudo feito no Hospital de San Raffaele, em Milão, pelo virologista Massimo Clementi, de quem é amigo segundo a imprensa italiana, para salientar que “as amostras recolhidas nos últimos 10 dias têm uma carga viral, do ponto de vista quantitativo, absolutamente infinitesimal em comparação com as registadas há um, dois meses”.

“Digo isto consciente do drama dos pacientes que não sobreviveram, mas não podemos continuar a chamar a atenção, até de uma forma ridícula, dando o palco não a clínicos, não aos virologistas reais, mas àqueles que se auto-proclamaram professores“, atirou ainda o clínico de 72 anos que é médico pessoal de Silvio Berlusconi, ex-primeiro-ministro italiano, de quem é próximo há 30 anos.

“Durante 3 meses, mostraram-nos números que têm evidência e valor zero” e que levaram ao “bloqueio de Itália”, criticou ainda o médico.

Temos que voltar para um país normal, porque há toda a evidência de que esse país pode voltar a ter uma vida normal a partir de hoje”, apontou ainda em declarações divulgadas pelo jornal italiano La Reppublica.

Zangrillo foi mais longe e considerou que se “aterrorizou o país”, frisando que “alguém se deve responsabilizar” por isso.

Ele também criticou o facto de se terem criado 151 mil postos de terapia intensiva nos hospitais italianos. “Os nossos departamentos de Cuidados Intensivos estão vazios“, frisou.

“O MERS e o SARS, as duas epidemias anteriores, desapareceram para sempre e, portanto, é desejável que isso aconteça também na terceira epidemia de coronavírus“, acrescentou.

“Teremos que ter muito cuidado, prepararmos-nos, mas não nos matarmos sozinhos“, concluiu.

“Absoluta perplexidade”

As palavras do médico que é muito respeitado em Itália foram recebidas com “grande surpresa” pela comunidade científica italiana, nomeadamente pelo presidente do Conselho Superior de Saúde, Franco Locatelli, que mostra “absoluta perplexidade com as declarações feitas pelo professor Zangrillo”, como cita o La Reppublica.

“Basta, simplesmente, olhar para o número de novos casos de positivos para o SARS-CoV-2 que são confirmados todos os dias para ter uma demonstração da persistente circulação do novo coronavírus em Itália”, aponta Franco Locatelli.

O pneumologista Luca Richeldi, do Comité Técnico Científico italiano que delineou a resposta pública à pandemia, acrescenta, também citado pelo mesmo jornal, que “o vírus ainda circula e não é correcto deixar mensagens enganadoras que não convidam à precaução”.

“É indubitavelmente verdade e tranquilizador que a pressão sobre os hospitais se reduziu drasticamente nas últimas semanas. No entanto, não se deve esquecer que esse é o resultado de medidas igualmente drásticas adoptadas para conter a circulação viral”, defende Luca Richeldi.

O director do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas Spallanzani de Roma, Giuseppe Ippolito, sustenta também que agora “há menos casos graves” devido às “medidas de confinamento”, igualmente em declarações ao La Reppublica.

“É bom lembrar que a circulação viral é um processo dinâmico, portanto a gradualidade e a cautela na recuperação das actividades económicas e sociais devem continuar a ser a nossa prioridade”, nota ainda Luca Richeldi.

A sub-secretária do Ministério da Saúde, Sandra Zampa, aponta, por seu turno, em comunicado, que é preciso “não confundir os italianos” e que é fundamental orientar as pessoas para que tenham “a máxima cautela” e que mantenham “o distanciamento físico”, evitando “grandes grupos” e continuando a “lavar frequentemente as mãos e a usar máscaras”.

Com 33.415 óbitos, Itália é o terceiro país do mundo com mais mortes associadas à covid-19.

“Capacidade de replicação do vírus enormemente enfraquecida”

O estudo citado por Alberto Zangrillo está “em vias de ser publicado por uma revista científica”, de acordo com o Corriere della Sera que falou com o investigador Massimo Clementi que liderou a pesquisa realizada no Hospital San Raffaele de Milão.

“Analisamos 200 dos nossos pacientes comparando a carga viral presente nas amostras colhidas”, explica Massimo Clementi, director do Laboratório de Microbiologia e Virologia do Hospital de San Raffaele e professor da Universidade Vida-Saúde.

“Os resultados são extraordinários: a capacidade de replicação do vírus, em Maio, está enormemente enfraquecida em comparação com a que tivemos em Março. E isso afecta pacientes de todas as idades, incluindo aqueles com mais de 65 anos”, nota Clementi.

O virologista fala de “uma diferença extremamente significativa”. “No jargão técnico, estamos a falar de uma diferença de significância com quatro zeros”, releva.

Essa alegada mudança na carga viral não significa necessariamente que o vírus tenha sofrido alguma mutação – aliás, não há provas disso.

“Podemos dizer, com base nos resultados da pesquisa e naqueles que vemos no hospital, que a manifestação clínica mudou, talvez também devido às condições ambientais mais favoráveis”, acrescenta Clementi. “Agora assistimos a uma doença diferente daquela que víamos nos pacientes em Março-Abril”, aponta, falando de uma “diferença abismal”.

O virólogo Guido Silvestri, professor da Universidade de Emory em Atlanta, nos EUA, que também participou no estudo, refere ao Corriere della Sera que estão em causa “dados de laboratório muito sólidos“.

Clementi acrescenta que os dados do estudo são “confirmados pela prática” médica, já que não há “mais novas admissões para a Covid em terapia intensiva, nem mesmo em semi-intensiva”.

“Na última semana, chegaram poucos pacientes e todos com sintomas leves”, diz ainda Clementi.

“Podemos afirmar que, actualmente, o Sars-CoV-2 replica-se menos, mas não temos a certeza sobre a origem do fenómeno”, esclarece também Clementi, avançando como hipótese a possibilidade de se tratar de “uma co-adaptação ao hospedeiro, como acontece, normalmente, com um vírus que chega ao Homem”.

“O interesse do micro-organismo é sobreviver no interior do corpo e difundir-se a outros sujeitos: objectivo inatingível se o paciente morrer por causa da infecção”, destaca Clementi.

Sobre o comportamento do coronavírus no próximo Outono, o investigador constata que “ninguém pode saber com certeza se haverá uma nova onda de contágio, também a temíamos com o SARS, mas não se verificou e, assim, o vírus desapareceu”.

“No que concerne ao Sars-CoV-2, poderá haver surtos locais e a forma como reagirmos será crucial, isolando-os, individualizando os contactos e confiando os pacientes à medicina local para deixar os hospitais só para eventuais casos graves”, conclui.

Comentando a possibilidade de um eventual enfraquecimento do novo coronavírus, embora sem referência concreta com o estudo italiano, o director do programa de emergências sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, realça que “não se pode correr o risco” de acreditar nisso.

Este ainda é um vírus assassino e temos que ter um cuidado extraordinário para não achar que o vírus, por sua própria vontade, decidiu ser menos patogénico”, destaca Ryan, assumindo, contudo, que os novos vírus podem evoluir para se tornarem “mais ou menos patogénicos”. Só que, quanto ao novo coronavírus, “não se sabe” se isso vai acontecer ou não.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. como é um estudo que não vai na moda do MEDO, é logo apelidado de polémico, tal como as decisões da Suécia…

    tb são polémicos os cientistas alemães que vieram a público chamar o boi pelos nomes?
    ou os da Dinamarca?
    ou os números do CDC dos EUA?

    * Leaked mails reveal battle over Denmark’s lockdown – The Local
    * [WATCH: UK Chief Medic confirms (again) covid19 harmless to vast majority – OffGuardian]
    * German Official Leaks Report Denouncing Corona as ‘A Global False Alarm’ — Strategic Culture
    * CDC Confirms Remarkably Low Death Rate – Media Chooses To Ignore COVID-19 Realities

      • meu caro, estão aí os títulos das notícias, não coloquei os links pq não sei se o zap os aceita.

        é só fazer cp paste dos mesmos num motor de busca, startpage por exemplo que por certo irá ter às notícias que depois têm links.

        • Meu caro, e se seguir esses título apenas encontra notícias como a sua, que mais não fazem do que citar supostos relatórios que ninguém chega a ver.
          Dou-lhe o exemplo do caso alemão:
          o seu post cita um post em inglês que cita um suposto relatório do Ministério do Interior alemão (sem termos um link para esse relatório), que diz por exemplo, que o número de mortes da COVID-19 será de 250 000 em todo o mundo. Bom, o número total de vítimas mortais já vai em 382 299, e a pandemia ainda não está controlada.
          E, claro, esquecendo que o número de mortes foi limitado pelo confinamento a que a maior parte dos países recorreu.
          Em ciências, um estudo é polémico quando as suas conclusões não estão de acordo com as observações, ou quando o método utilizado não é o adequado.
          Quando um cientista diz que o estudo de um colega é polémico, está a usar linguagem elegante, para evitar dizer que provavelmente o estudo não vale nada. Geralmente este tipo de comentários não chega aos jornais, porque a sociedade raramente está interessada no que se passa nas universidades e/ou nos laboratórios. Neste caso não é assim e há logo uma data de tipos que aparecem a falar do que não sabem…

          • “Neste caso não é assim e há logo uma data de tipos que aparecem a falar do que não sabem…”

            Esse é o conceito de ciência nas redes sociais e aqui neste forum. O que tiver mais likes e mais partilhas é mais verdadeiro. É o método científico adaptado aos novos tempos. O Trump é a personificação máxima dessa corrente científica com as já célebres tiradas da líxiva e disparates afins. Assim vai o mundo… o nosso mundo.

  2. Como no caso espanhol achei pouca fruta para cesto tão grande, aqui no caso italiano parece-me irem pelo mesmo caminho, tudo isto de um momento para o outro parece muito estranho, será que para além do vírus também já tenham importado o sistema chinês de contagem do vírus? Oxalá esteja enganado e que de facto o bicho comece a dar à sola do continente para fora.

RESPONDER

Itália 3-0 Suíça | Squadra Azzurra volta a ganhar e a encantar

A Itália tornou-se hoje a primeira seleção a garantir o apuramento para os oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer a Suíça por 3-0, em encontro da segunda jornada do Grupo A, disputado …

Sony apresenta o seu primeiro drone, o Airpeak S1

Há algum tempo que a Sony planeava lançar um drone, agora, é oficial. A empresa de tecnologia apresentou um drone chamado Airpeak S1 que será, muito provavelmente, o primeiro de muitos. A Sony anunciou oficialmente o …

Candidaturas a astronauta da Agência Espacial Europeia encerram na sexta-feira

Os candidatos têm de ter, pelo menos, um mestrado e experiência profissional, serem fluentes em inglês e ter mais de 1,30 metros.  O prazo para apresentação de candidaturas a vagas para novos astronautas da Agência Espacial …

Dois meses no escuro. Valentina Miozzo passou a quarentena sozinha no Ártico

A pandemia de covid-19 foi um duro golpe de solidão forçada para a maioria das pessoas, mas para a italiana Valentina Miozzo foi a oportunidade perfeita para usufruir de alguns momentos a sós. A meio da …

Pedras misteriosas provocam "corrida aos diamantes" na África do Sul

Uma verdadeira "febre de diamantes" assolou a vila de KwaHlathi, na província de KwaZulu-Natal, litoral da África do Sul. Centenas de pessoas, com utensílios caseiros a servir de engenhos de mineração, ocuparam um terreno à …

Designer cria um "terceiro olho" para quem vive agarrado ao telemóvel

Um designer industrial sul-coreano criou, recentemente, um “terceiro olho” para ajudar aqueles que, mesmo em andamento, não conseguem tirar os olhos do telemóvel. O designer industrial Minwook Paeng criou recentemente o The Third Eye ('terceiro olho' …

Depois de Ronaldo e da Coca Cola, Pogba imitou-o com a Heineken (e a UEFA podia castigar Portugal e França)

Após Cristiano Ronaldo ter removido duas garrafas de Coca Cola da mesa onde se sentou para uma conferência de imprensa no Euro 2020, foi a vez do francês Paul Pogba ter feito o mesmo com …

Adeptos portugueses proibidos de entrar na "fan zone" de Budapeste

Momento confuso numa zona da capital da Hungria, na véspera do jogo com Portugal, na estreia no Europeu 2020. A Hungria não escapou ao coronavírus mas, entre os países que recebem jogos do Europeu 2020, é …

Mulher recebe quatro certificados de imunidade - e nenhum é válido

O governo da Hungria está a emitir cartões que garantem que determinada pessoa, na teoria, é imune ao coronavírus. Mas nem tudo corre bem. A vida nas ruas da Hungria é diferente do que se vive …

Novo vídeo mostra morcegos vivos em laboratório de Wuhan (e adensa o mistério sobre a origem da pandemia)

Para já, é possível afirmar que o consenso científico aponta para a origem zoonótica do novo coronavírus, que confirma a versão chinesa de que o patógeno passou de morcegos para um animal e desse para …