Covid-19. Itália quer mais restrições no Natal, Reino Unido pode começar a vacinar em dezembro

Angelo Carconi / EPA

Em Itália, o pesadelo da primeira vaga está de volta. Este sábado, o país voltou a ser aquele com maior número de óbitos por covid-19. O Governo italiano pretende impor mais restrições no Natal.

Apesar da ligeira melhoria na curva de contágio, esta semana a Itália registou um alto número de mortos – uma média de 700 pessoas por dia. Para evitar o crescimento da pandemia, o Governo estabeleceu que as restrições vão durar pelo menos até o Natal.

De acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins dos Estados Unidos, Itália ocupa, juntamente com o Reino Unido, o terceiro lugar mundial em letalidade por coronavírus.

Em Itália, a cada cem pessoas infetadas, quase quatro morrem (3,7%).  A classificação é liderada pelo México, que regista quase dez mortos (9,8%) a cada cem contagiados e do Irão com cinco mortos (5,3%) a cada cem casos positivos.

O governo italiano estabeleceu três tipos de zonas de confinamento no país, conforme 21 critérios Comité Técnico Científico do Ministério da Saúde. Os critérios são baseados em número de mortos, cuidados intensivos, quantidades de zaragatoas efetuadas e positividade.

O Decreto do Presidente do Conselho de Ministros (DCPM) foi atualizado e estabeleceu que das vinte regiões italianas, sete estão na zona vermelha com restrições mais rígidas por causa de alto risco de contágio (Lombardia, Piemonte, Vale de Aosta, Calábria, Campânia, Toscana e Abruzos).

Oito regiões estão na zona laranja com nível médio de transmissão (Ligúria, Emília-Romanha, Friuli-Veneza Júlia, Marcas, Basilicata, Úmbria, Apúlia, Sicília. Na zona amarela estão cinco regiões com baixo nível de contaminação do vírus (Vêneto, Trentino-Alto Ádige, Lácio, Molise e Sardenha).

O primeiro ministro Giuseppe Conte advertiu que o Natal será contido, sem grandes festas, beijos e abraços.

“Uma semana de sociabilidade desenfreada significaria pagar caro em janeiro com alta na curva de contágios, de mortes, stress nos cuidados intensivos. Seria uma loucura. Temos que nos preparar para um Natal mais sóbrio, ainda esperamos que a economia possa crescer, que possamos comprar e trocar presentes. Mas beijos, abraços, comemorações, festões são impensáveis, independentemente da curva epidemiológica”, disse Conte.

Em janeiro, Itália vai iniciar uma “campanha de vacinação sem precedentes”, começando pelas camadas da população mais expostas à covid-19, anunciou este sábado o ministro da saúde, Roberto Speranza.

A campanha “terá lugar no final de janeiro, altura em que esperamos ter as primeiras doses destinadas às categorias mais expostas”, informou Roberto Speranza no congresso dos farmacêuticos italianos, acrescentando que “esta campanha de vacinação sem precedentes irá requerer uma mobilização extraordinária de todos”.

A Itália foi primeiro país europeu a ser duramente atingido pela primeira onda do coronavírus. Registou até agora pelo menos 1,34 milhões de casos, dos quais mais de 48.000 foram fatais. A península está atualmente dividida em diferentes áreas e todo o país deve aderir a um toque de recolher ativo entre as 22h e as 5h.

Reino Unido pode começar a vacinar em dezembro

Boris Johnson não tenciona prolongar o confinamento nacional além das quatro semanas, confirmou este sábado o governo inglês. Dia 2 de dezembro, a Inglaterra regressará às restrições locais para limitar a propagação da segunda vaga.

Este plano voltará a aplicar os três níveis já existentes antes do confinamento, mas várias zonas serão colocadas no patamar acima para manter a propagação sob controlo e preservar o que foi conseguido com o confinamento.

Este plano voltará a aplicar os três níveis já existentes antes do confinamento, mas várias zonas serão colocadas no patamar acima para manter a propagação sob controlo e preservar o que foi conseguido com o confinamento.

O serviço nacional de saúde do Reino Unido (NHS) pode começar a vacinar já em dezembro, se os reguladores aprovarem uma das vacinas a tempo. Matt Hancock, secretário de estado da Saúde do país, afirmou que a vacina pode começar a ser distribuída antes do Natal.

“Pedi ao NHS para se preparar para uma distribuição rápida à medida que a vacina vai sendo produzida. Se o regulador aprovar a vacina, vamos estar prontos para começar a vacinar no próximo mês”, afirmou Hancock.

O Reino Unido encomendou 40 milhões de doses da vacina da Pfizer e espera 10 milhões de doses até o final do ano.

A decisão chega após terem sido declaradas fortes restrições em 11 zonas da Escócia e do anúncio de novo confinamento na Irlanda do Norte, que terá a duração de duas semanas, até 11 de dezembro.

No Reino Unido, onde foram registadas mais mortes na Europa (54.625), cada província irá decidir a respetiva estratégia para responder a esta crise sanitária.

ZAP ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Cada vez as pessoas se acreditam menos em todos estes dados em torno do Covid sabendo inclusive que todas as outras doenças deixaram de receber assistência médica. Morre hoje em dia muito mais gente e não é de Covid mas sim de todas as outras doenças que deixaram de receber assistência médica.

RESPONDER

Pintura de Van Gogh de Paris nunca antes vista exibida pela primeira vez

Uma pintura de Vincent Van Gogh de uma rua de Paris foi exposta pela primeira vez depois de passar mais de 100 anos "escondida" pelos seus proprietários. Uma cena de rua em Montmartre, em Paris, pertenceu …

Imagens mostram construção de instalação nuclear secreta em Israel

Está a ser construída uma instalação nuclear secreta em Israel, diz a Associated Press depois de analisar imagens de satélite. Os trabalhos estão a decorrer a poucos metros do antigo reator do Centro de Pesquisa …

Supremo confirma prisão efetiva de cinco anos e oito meses de João Rendeiro

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou a nulidade do acórdão que proferiu em janeiro e confirmou, assim, a condenação do antigo presidente do BPP. Num acórdão datado da passada quarta-feira, e a que a agência …

Portugal regista mais 33 mortes e 1071 novos casos de covid-19

Portugal registou, este sábado, mais 33 mortes e 1071 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 1071 novos …

Ana Gomes revela que Europol está pronta para investigar o Chega

A Europol está disponível para "ajudar as autoridades portuguesas" a investigar eventuais ligações do Chega de André Ventura a "actividades criminais internacionais". É Ana Gomes quem o revela depois de ter enviado uma participação ao …

João Almeida termina Volta aos Emirados no pódio, o seu primeiro numa prova do World Tour

O ciclista português, da equipa Deceuninck-QuickStep, assegurou, este sábado, o primeiro pódio numa prova do World Tour, ao ser terceiro na Volta aos Emirados Árabes Unidos, após a sétima e última etapa. João Almeida concluiu a prova …

Alemanha vai autorizar vacina da AstraZeneca a maiores de 65 anos

A Comissão Permanente para a Vacinação na Alemanha vai alterar a recomendação que limitava o uso da vacina da farmacêutica AstraZeneca para maiores de 65 anos. O anúncio foi feito, este sábado, por Thomas Mertens, chefe da …

Éter, Teia e Tutti-Frutti. PS e PSD decidem "os bons e os maus" entre uma centena de autarcas suspeitos

PS e PSD estão na recta final da escolha dos candidatos às próximas eleições autárquicas e os dois partidos coincidem na forma como estão a avaliar os potenciais candidatos que estão envolvidos em processos judiciais. …

"Lei Khashoggi". Estados Unidos restringem vistos a 76 cidadãos sauditas

Os Estados Unidos anunciaram a restrição à atribuição de vistos a 76 cidadãos da Arábia Saudita acusados de "ameaçar dissidentes no estrangeiro", nomeadamente o jornalista saudita assassinado, em outubro de 2018, na Turquia. Segundo o secretário …

OMS quer isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reclamou, esta sexta-feira, o uso de "todas as ferramentas" para aumentar a produção de vacinas contra a covid-19, incluindo a transferência de tecnologia e a isenção de direitos de …