Costa já cumpriu a primeira promessa eleitoral num café de Almada (e respondeu a Marcelo)

Paulo Novais / Lusa

António Costa começou a semana a responder à parábola do vinho de Marcelo Rebelo de Sousa e a cumprir uma promessa feita a duas funcionárias da estação ferroviária de Almada, durante a campanha eleitoral, quando lhes garantiu que se ganhasse, ia lá “tomar um café”. Porque o combinado com os portugueses “é para cumprir”, assegurou o primeiro-ministro.

“Tinha sido a primeira combinação, se ganhasse as eleições vinha cá tomar um café“, salientou António Costa, em declarações aos jornalistas, no “Ponto do Café”, na estação de comboios de Almada, onde se encontrou com as duas funcionárias a quem fez a promessa, a 24 de Setembro passado, em plena campanha eleitoral.

O primeiro-ministro deslocou-se de comboio até Almada e foi por este meio que regressou a Lisboa, mas, se a viagem para a Margem Sul se revelou tranquila, o mesmo não se pôde dizer do regresso.

Quase às 10 da manhã, Costa entrou numa carruagem da Fertagus que se encontrava praticamente lotada, e teve que viajar em pé e próximo da porta de saída.

Antes disso, salientou que a promessa do café é “um bom indício de que aquilo que combinamos com os portugueses é para cumprir”.

“Qualidade do vinho só se sabe depois de provar”

Durante a tomada de posse do Governo, Costa prometeu aumentar o salário mínimo nacional para 750 euros em 2023.

Na mesma cerimónia, o Presidente da República recorreu à parábola que diz que “o segundo vinho é melhor do que o primeiro” para exigir mais do segundo Governo de Costa.

Em resposta a Marcelo Rebelo de Sousa, Costa preferiu, agora, assumir um tom brincalhão, evitando provocações, notando que “a qualidade do vinho só se sabe depois de provar” e realçando que o seu Governo tem “quatro anos para saborear” e “ver se o vinho está em bom estado”.

“Vamos ter quatro anos para poder abrir a garrafa, ver pelo cheiro da rolha se o vinho está em bom estado e deixar o vinho abrir para o podermos devidamente cheirar antes de fazer a prova. É um longo período de prova do vinho. Daqui a quatro anos, os portugueses dirão se o segundo vinho foi ou não melhor do que o primeiro”, acrescentou ainda Costa.

Quanto ao aviso feito pelo Presidente da República de que os recursos não são suficientes para responder a todas as expectativas dos portugueses, o primeiro-ministro disse entender esse recado “não para o Governo”, porque o seu executivo “tem bem consciência dos recursos que há”.

“Foi uma mensagem geral para a sociedade, explicando que, felizmente, hoje, virámos uma página, que o país está numa situação incomparavelmente melhor”, argumentou, concluindo que é preciso “continuar a olhar para o dia-a-dia”.

“Há boas razões para ter confiança e esperança no futuro”, acrescentou Costa, alertando contudo que “é preciso ter a razoabilidade de perceber que não estamos no paraíso“.

O recado ao Bloco: “Amigo, não empata amigo”

Na abertura da Comissão Nacional do PS, em Santarém, no domingo, o primeiro-ministro aproveitou também para deixar recados ao Bloco de Esquerda (BE), frisando que entende que “alguns possam estar cansados de serem meramente forças de protesto” e que possam ter “dúvidas existenciais” sobre “se devem estar mais próximos do poder ou mais longe das soluções de Governo”.

“Não me compete a mim dar-lhes conselhos”, apontou, de seguida, mas deixando logo depois uma recomendação ao Bloco. “Amigo, não empata amigo”, indicou.

Para o primeiro-ministro, este “novo modelo de geringonça” em nada tem de ser diferente do anterior, só por não haver um papel assinado. “Com posições conjuntas ou sem posições conjuntas”, irá manter a “continuidade que os portugueses disseram que desejam ter nesta legislatura”, referiu.

Na comissão nacional do PS, Costa assegurou também ao PSD que não haverá uma “zona de tampão” para eventuais reformas estruturais.

Mas António Costa deixa a garantia de que não vai andar a procurar apoios de um lado ao outro do espectro político. “Estão enganados os que pensam que vamos andar aos ziguezagues”, assumiu, numa resposta directa a Luís Montenegro que acusou o Governo de ser uma continuação do anterior.

“Este Governo será, por isso, tal como ontem nos acusava um candidato a líder do PSD, um Governo de continuidade”, rematou.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. A parábola que o “Celito” usou não é adequada à situação nem ao Dr. Costa.
    A correcta seria :
    Fazendo um chicote com algumas cordas, «…expulsou a todos do templo, as ovelhas bem como os bois, derramou pelo chão o dinheiro dos cambistas, virou as mesas e disse aos que vendiam as pombas: Tirai daqui estas coisas; não façais da casa de meu Pai uma casa de negócio. João 2:15-16.

  2. Pode ser que agora cumpra a promessa de baixar o imposto sobre os combustíveis que ficou por cumprir na legislatura anterior. Embora, o café saia mais barato e seja mais fácil de cumprir

    • Se começarmos a enumerar as situações de palavra dada, palavra desonrada, não saímos daqui. Só dois pequenos exemplos: médico de família para todos até ao fim de 2018 e “o INFARMED vai para o Porto. Está claro agora?

  3. Este tipo tem uma, e só uma, característica que eu admiro. Goza a valer com o PCP e BE e estes espumam, mas ficam-se. A seguir vão beijar as mãos para que não os abandonem.

  4. O primeiro vinho é água pé como o primeiro milho é dos pardais, mas entradas de leão tem saídas de sendeiro…Oxalá a orfandade do Costa não acabe em águas de bacalhau…com tantos cabritos atrás de si e presunção abundante, o pobre desconfia. Não prometas o que não tens, paga primeiro a quem deves….

RESPONDER

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …

Ninguém quer "a batata quente" do caso Sócrates. Ivo Rosa e Carlos Alexandre com nota máxima

Os juízes Ivo Rosa e Carlos Alexandre foram avaliados com a nota máxima de "Muito Bom" pelo Conselho Superior da Magistratura em inspecções realizadas entre 2013 e 2018, ou seja, abarcando o período da investigação …

João Leão afasta criação de imposto de solidariedade para pagar crise pandémica

O ministro das Finanças, João Leão, argumenta que a criação de um imposto de solidariedade para pagar a crise pandémica não ajudaria nem seria benéfica. Em entrevista ao semanário Expresso, o ministro das Finanças, João Leão, …

Isabel de Castela ficou conhecida por cheirar mal. Novos documentos põem fim aos mitos

A famosa rainha Isabel I de Castela, em Espanha, era conhecida por se lavar pouco e cheirar mal. Contudo, documentos recém-descobertos mostram que possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor. Isabel I financiou a …