LMM critica estratégia de comunicação de Costa. Acordo com PSD foi “euromihões” para o Chega

PSD / Flickr

Luis Marques Mendes

Mais um domingo, mais um comentário de Luís Marques Mendes no Jornal da Noite da SIC. Esta semana o analista falhou no recolher obrigatório, da estratégia de comunicação de Costa, de uma possível renovação do estado de emergência, da esperança na vacina e do casamento entre o PSD e o Chega.

O recolher obrigatório, que entrou em vigor no passado dia 9 de novembro, foi o primeiro tema abordado por Luís Marques Mendes este domingo. Também ele a partir de casa, avaliou com nota positiva este “fim de semana confinado”, que correu bem, com as pessoas a dar o exemplo ao manterem-se em casa.

Contudo, Marques Mendes recorda que “estamos a atravessar um momento explosivo, o pior da pandemia, e não é apenas pelo brutal aumento do número de infetados, internados e óbitos”, considerou”.

O comentador realça que “as pessoas estão cansadas da pandemia, estão preocupadas com o seu rendimento e o seu emprego e revoltadas com más decisões” – a falta do consenso político da primeira vaga, a quebra de coesão social, visível “nas manifestações deste fim de semana” e a falta de liderança.

O analista político recordou que há 15 dias, Portugal era o 14º pior na UE em novos casos e que agora já estamos em décimo. “Estamos há várias semanas com um crescimento exponencial e as previsões são más.

Luís Marques Mendes olha com bons olhos para as mais recentes intervenções da Igreja Católica, “que admitiu cancelar as celebrações de Natal e deu um bom exemplo”. Por outros lado, as críticas choveram para outros lados. O ex-ministro destacou o caso do Pingo Doce, “que queria abrir lojas antes da hora normal”, contornando regras numa altura em que a própria comunicação governamental tem falhado.

Referindo-se a António Costa, afirmou que “não lembraria ao diabo, por exemplo, fazer uma conferência de imprensa à meia-noite de um sábado para anunciar um recolher obrigatório. Só se for para irritar as pessoas”, expressou o comentador, que vê falhas no planeamento, na eficácia e na decisão a tempo e horas.

“Não há uma decisão do governo que não tenha sido alterada ou corrigida”, critica.

Um novo estado de emergência

Marques Mendes considera que o decretar de um novo estado de emergência é inevitável “pois a situação ainda vai agravar-se nas próximas semanas“. Porém, considera que o confinamento dos fins de semana não se vai manter por causa do Congresso do PCP. A ideia será evitar “dois pesos e duas medidas”, embora “a perceção de dualidade de critérios permaneça”. “O PCP devia ter o bom senso de o adiar”, destaca.

O Natal está à porta, e o analista político realça que  é importante dar um sinal de planeamento. “É fundamental que o mais tardar até ao final deste mês o Governo diga o que vai fazer em relação ao Natal.” Luís Marques Mendes salienta que as pessoas precisam de programar o Natal.

A esperança da vacina

No meio do caos que se tem instalado no país, esta foi uma semana marcada também por “uma excelente notícia”. “No fim de janeiro ou em fevereiro de 2021 podemos começar a ter as primeiras vacinas contra a covid-19“, anseia o comentador.

Neste momento há duas vacinas em fase mais adiantada – a da Pfizer/BioNtech e a da Astrazeneca/Universidade de Oxford – sendo que ambas podem vir a ser autorizadas pela EMA (Agência Europeia do Medicamento) até ao final deste ano. A primeira vacina referida foi tida esta semana como tendo um potencial de 90% de eficácia.

O analista da SIC recorda que “a produção das novas vacinas já começou”, e que está a ser seguida uma estratégia de produção de risco tendo em conta a urgência da vacina, uma vez que o processo de aprovação e os últimos testes vão decorreu em paralelo.

Relativamente à situação economica do país, Marques Mendes acredita que só com a situação pandémica controlada é que a recuperação económica será possível. E será precisa paciência: “o mais provável é que a nossa recuperação seja em formato de W, com duas quedas e duas recuperações”.

“Euromilhões”

Para concluir, o comentário incidiu na ligação entre o PSD e o Chega para viabilizar o governo nos Açores. “No espaço de um ano, o Chega entra para a AR, entra para a Assembleia Legislativa dos Açores, faz um acordo com o PSD para viabilizar o Governo Regional Açoriano, e tem já a perspetiva de um acordo nacional no futuro. Melhor era impossível”.

O comentador comparou todas estas conquistas políticas do partido de extrema direita ao “euromilhões”.

Marques Mendes não tem dúvidas de que o partido de André Ventura é o grande vencedor desta “solução legítima nos Açores que seria um problema sério a nível nacional”.

Considera ainda que o problema só se agravou esta semana para o PSD. “Em vez de dizer que esta solução nos Açores não era repetível a nível nacional, o PSD gerou a perceção de que um acordo com o Chega se pode repetir no plano nacional. Ora, a política vive de perceções. E esta perceção é um erro colossal para os sociais-democratas”.

A atual situação é mesmo, nas palavras do analista político, “uma avenida para o Chega crescer”, “um passaporte para o PSD perder votos nos eleitores moderados do Centro”, bem como “uma grande ajuda para acabar com o CDS e substituí-lo pelo Chega”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

China inaugurou o comboio mais rápido do mundo

O comboio-bala maglev, que pode atingir uma velocidade de 600 quilómetros por hora, fez a sua estreia em Qingdao, na China, esta semana. Tal como conta a cadeia televisiva CNN, este comboio-bala maglev foi desenvolvido pela …

Quatro portugueses detidos em Espanha por alegada violação de duas mulheres

A polícia espanhola anunciou, este sábado, ter detido quatro cidadãos portugueses por suposta violação múltipla e abusos sexuais a duas mulheres de 22 e 23 anos, numa pensão em Gijón, no norte do país. Segundo a …

Stonehenge pode perder estatuto de património mundial da UNESCO

Depois de Liverpool, também Stonehenge pode perder o estatuto de património mundial da UNESCO. O aviso surge após o secretário dos transportes, Grant Shapps, ter dado luz verde aos planos de construção de um túnel …

Mais 20 mortes e 3396 casos de covid-19. Não havia tantos óbitos desde março

Portugal registou, este sábado, mais 20 mortes e 3396 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 3396 novos …

"Integral confiança". Chega segura militantes acusados de agredir homossexual

O Chega anunciou, esta sexta-feira, que mantém "integral confiança" nos candidatos e estruturas local e distrital de Viseu, referindo que só se pronunciará sobre alegadas agressões de motivação homofóbica naquela cidade depois de apurados os …

Há dezenas de autarcas envolvidos em processos sem fim à vista

Dezenas de autarcas foram neste mandato acusados por corrupção, negócios imobiliários duvidosos e abuso de poder, entre outros, em processos judiciais que se arrastam, na maioria, sem desfecho à vista a dois meses de novas …

Milhares de pessoas manifestam-se na Austrália contra o confinamento

Milhares de australianos manifestaram-se, este sábado, em várias cidades do país contra as restrições impostas pelo Governo para controlar o aumento de casos de covid-19. Em Sidney, cerca de mil manifestantes protestaram contra o confinamento decretado …

Há 406 farmácias com testes comparticipados pelo Estado

Há 406 farmácias de 104 laboratórios em Portugal continental com testes comparticipados pelo Estado. Saiba quais. O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) atualizou recentemente a lista das farmácias e laboratórios que disponibilizam testes …

Há 33 cursos com emprego garantido. Abandono no Ensino Superior aumentou

Este ano, há 30 licenciaturas e três mestrados integrados sem recém-diplomados inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional. Segundo o Observador, o número total (33) é inferior ao de 2020 e de 2019, quando foram …

Chegada de emigrantes obriga autarcas do Interior a apertar as regras

Os autarcas do Interior do país, sobretudo de regiões onde a variante Delta ainda não se impôs e o número de novos casos de covid-19 não limita o quotidiano das populações, estão preocupados com o …