LMM critica estratégia de comunicação de Costa. Acordo com PSD foi “euromihões” para o Chega

PSD / Flickr

Luis Marques Mendes

Mais um domingo, mais um comentário de Luís Marques Mendes no Jornal da Noite da SIC. Esta semana o analista falhou no recolher obrigatório, da estratégia de comunicação de Costa, de uma possível renovação do estado de emergência, da esperança na vacina e do casamento entre o PSD e o Chega.

O recolher obrigatório, que entrou em vigor no passado dia 9 de novembro, foi o primeiro tema abordado por Luís Marques Mendes este domingo. Também ele a partir de casa, avaliou com nota positiva este “fim de semana confinado”, que correu bem, com as pessoas a dar o exemplo ao manterem-se em casa.

Contudo, Marques Mendes recorda que “estamos a atravessar um momento explosivo, o pior da pandemia, e não é apenas pelo brutal aumento do número de infetados, internados e óbitos”, considerou”.

O comentador realça que “as pessoas estão cansadas da pandemia, estão preocupadas com o seu rendimento e o seu emprego e revoltadas com más decisões” – a falta do consenso político da primeira vaga, a quebra de coesão social, visível “nas manifestações deste fim de semana” e a falta de liderança.

O analista político recordou que há 15 dias, Portugal era o 14º pior na UE em novos casos e que agora já estamos em décimo. “Estamos há várias semanas com um crescimento exponencial e as previsões são más.

Luís Marques Mendes olha com bons olhos para as mais recentes intervenções da Igreja Católica, “que admitiu cancelar as celebrações de Natal e deu um bom exemplo”. Por outros lado, as críticas choveram para outros lados. O ex-ministro destacou o caso do Pingo Doce, “que queria abrir lojas antes da hora normal”, contornando regras numa altura em que a própria comunicação governamental tem falhado.

Referindo-se a António Costa, afirmou que “não lembraria ao diabo, por exemplo, fazer uma conferência de imprensa à meia-noite de um sábado para anunciar um recolher obrigatório. Só se for para irritar as pessoas”, expressou o comentador, que vê falhas no planeamento, na eficácia e na decisão a tempo e horas.

“Não há uma decisão do governo que não tenha sido alterada ou corrigida”, critica.

Um novo estado de emergência

Marques Mendes considera que o decretar de um novo estado de emergência é inevitável “pois a situação ainda vai agravar-se nas próximas semanas“. Porém, considera que o confinamento dos fins de semana não se vai manter por causa do Congresso do PCP. A ideia será evitar “dois pesos e duas medidas”, embora “a perceção de dualidade de critérios permaneça”. “O PCP devia ter o bom senso de o adiar”, destaca.

O Natal está à porta, e o analista político realça que  é importante dar um sinal de planeamento. “É fundamental que o mais tardar até ao final deste mês o Governo diga o que vai fazer em relação ao Natal.” Luís Marques Mendes salienta que as pessoas precisam de programar o Natal.

A esperança da vacina

No meio do caos que se tem instalado no país, esta foi uma semana marcada também por “uma excelente notícia”. “No fim de janeiro ou em fevereiro de 2021 podemos começar a ter as primeiras vacinas contra a covid-19“, anseia o comentador.

Neste momento há duas vacinas em fase mais adiantada – a da Pfizer/BioNtech e a da Astrazeneca/Universidade de Oxford – sendo que ambas podem vir a ser autorizadas pela EMA (Agência Europeia do Medicamento) até ao final deste ano. A primeira vacina referida foi tida esta semana como tendo um potencial de 90% de eficácia.

O analista da SIC recorda que “a produção das novas vacinas já começou”, e que está a ser seguida uma estratégia de produção de risco tendo em conta a urgência da vacina, uma vez que o processo de aprovação e os últimos testes vão decorreu em paralelo.

Relativamente à situação economica do país, Marques Mendes acredita que só com a situação pandémica controlada é que a recuperação económica será possível. E será precisa paciência: “o mais provável é que a nossa recuperação seja em formato de W, com duas quedas e duas recuperações”.

“Euromilhões”

Para concluir, o comentário incidiu na ligação entre o PSD e o Chega para viabilizar o governo nos Açores. “No espaço de um ano, o Chega entra para a AR, entra para a Assembleia Legislativa dos Açores, faz um acordo com o PSD para viabilizar o Governo Regional Açoriano, e tem já a perspetiva de um acordo nacional no futuro. Melhor era impossível”.

O comentador comparou todas estas conquistas políticas do partido de extrema direita ao “euromilhões”.

Marques Mendes não tem dúvidas de que o partido de André Ventura é o grande vencedor desta “solução legítima nos Açores que seria um problema sério a nível nacional”.

Considera ainda que o problema só se agravou esta semana para o PSD. “Em vez de dizer que esta solução nos Açores não era repetível a nível nacional, o PSD gerou a perceção de que um acordo com o Chega se pode repetir no plano nacional. Ora, a política vive de perceções. E esta perceção é um erro colossal para os sociais-democratas”.

A atual situação é mesmo, nas palavras do analista político, “uma avenida para o Chega crescer”, “um passaporte para o PSD perder votos nos eleitores moderados do Centro”, bem como “uma grande ajuda para acabar com o CDS e substituí-lo pelo Chega”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Técnicos de diagnóstico. Depois de mais uma coligação da oposição, Executivo avalia o que fazer

Depois de mais uma coligação da oposição, o Governo "está a avaliar" o que irá fazer em relação à aprovação das mudanças na carreira de Técnico Superior de Diagnóstico e Terapêutica.  De acordo com o semanário …

Diretor de Finanças de Lisboa está em substituição desde 2015. Já ultrapassa tempo de comissão de serviço

Fernando Lopes, a maior estrutura regional da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), é diretor da Direção de Finanças de Lisboa em regime de substituição desde março de 2015. Quando a então diretora regional, Helena Borges, foi …

Portugal regista mais quatro mortes e 636 novos casos de covid-19

Portugal registou, esta quinta-feira, mais quatro mortes e 636 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 636 …

Luís Correia lança-se a Castelo Branco, num movimento que ainda não tem nome

O movimento ainda não tem nome e a apresentação da candidatura não tem data marcada, mas Luís Correia já assumiu que vai liderar uma candidatura independente à Câmara Municipal de Castelo Branco. Luís Correia vai testar …

Pavilhão de escola de Matosinhos fechado devido a estirpe de legionella

O pavilhão desportivo da Escola Secundária Abel Salazar, em Matosinhos, está fechado devido à presença de uma estirpe de legionella detetada nas canalizações, mas que "não constitui qualquer perigo para a saúde", confirmou a câmara …

TAP regista um prejuízo recorde de 1,2 mil milhões em 2020

Com menos 12,4 milhões de passageiros transportados, a TAP apresentou um resultado líquido negativo de 1,230 mil milhões de euros em 2020, contra um prejuízo de 106 milhões de euros em 2019, segundo dados enviados …

Chega organiza Convenção para "Governar Portugal" no fim de maio, mas promete "uso das máscaras"

O Chega vai organizar a sua III Convenção Nacional entre 28 e 30 de maio, em Coimbra, tendo por base a moção estratégica "Governar Portugal" do presidente reeleito, André Ventura, disse hoje à Agência Lusa …

Falta de plano e reservas face à viabilidade. Banco de Fomento chumba empréstimo à Groundforce

O Banco Português de Fomento (BPF) não aprovou o empréstimo de 30 milhões de euros pedido pelo Conselho de Administração da Groundforce, por não haver um plano de reestruturação da empresa e por falta de …

Operação Lex. Juiz Luís Vaz das Neves arrisca reforma compulsiva

O juiz Luís Vaz das Neves, ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa e arguido na Operação Lex, arrisca passar à aposentação compulsiva.  De acordo com o Correio da Manhã, que avança a notícia esta quinta-feira, …

Nove administradores e 24 diretores. Banco de Fomento já terá fechado estrutura

O jornal ECO avança, esta quinta-feira, que a estrutura do Banco Português de Fomento vai contar com nove administradores, dos quais quatro são executivos, e 24 diretores. A estrutura do Banco de Fomento já estará fechada, …