/

Corrida contra o tempo para salvar depósitos do Banif

13

Barcex / Wikimedia

-

O Governo está a lutar contra o tempo para encontrar uma solução para o Banif, nacionalizado há três anos, e pelo menos três fundos já foram convidados a apresentar ofertas até ao fim da semana. O Governo já prepara um plano B, que Bruxelas já rejeitou parcialmente.

O Diário Económico descreve que as propostas vinculativas para a compra da participação do Estado no Banif – Banco Internacional do Funchal deverão ser entregues até ao final desta semana, e o banco pretende chegar a acordo com um novo investidor antes do Natal.

A urgência em encontrar uma solução explica-se pela entrada em vigor das novas regras europeias de resolução bancária e o facto de se prever que a Direcção Geral de Concorrência da Comissão Europeia (DG Comp) anuncie em breve a decisão final sobre a investigação aprofundada à ajuda de Estado concedida ao Banif.

De acordo com o Económico, a DG Comp tem-se mostrado céptica face ao plano de reestruturação do Banif, considerando que apresenta pressupostos de rendibilidade demasiado otimistas.

O Diário de Notícias descreve que, se o Estado não conseguir encontrar comprador, a solução deverá passar pelo bail-in dos depositantes – um mecanismo de ajuda a bancos em dificuldade no qual é o próprio dinheiro dos depósitos que é usado para “salvar o banco”, ao contrário do bail-out, em que o Estado empresta dinheiro ao banco para o salvar.

Vários fundos já foram convidados a apresentar propostas de compra, um dos quais será a Apollo, que ficou com a Tranquilidade, a seguradora do BES. Uma fonte próxima do Banif confirmou ao DN que há pelo menos “um grupo estrangeiro – não chinês – interessado em comprar”, mas o valor oferecido no negócio ficaria muito aquém do que o Estado colocou no banco.

Uma fonte oficial das Finanças esclareceu ontem que, “paralelamente, decorre um processo de venda do banco nos mercados internacionais” conduzido pela administração, depois de a TVI ter avançado que o Banif estava pronto para fechar e o encerramento provocaria “perdas nos acionistas de mais de cem mil euros”.

Ativos saudáveis na Caixa? Bruxelas diz que não

Vender a totalidade do capital, no entanto, será muito difícil, existindo duas alternativas em cima da mesa: vender apenas parte do banco ou transformar os CoCos (dívida convertível em ações) em capital.

A diretiva comunitária que impõe o bail-in com recursos a meios internos entra em vigor já a 1 de janeiro, o que significa que, se não tiver capacidade para se financiar nos mercados, o Banif – neste caso o Estado – teria de recorrer ao bail-in dos depositantes, obrigando à transformação de obrigacionistas e depósitos superiores a 100 mil euros em capital.

Caso não encontre comprador, a solução para o Banif poderia então passar pelo plano B do Governo, algo parecido com o que aconteceu ao BES: dividi-lo num banco mau, onde ficariam os ativos tóxicos, e num banco bom. A ideia seria integrar os “ativos saudáveis” na CGD, mas essa decisão necessitará de autorização europeia – uma solução que, de acordo o Económico, Bruxelas já rejeitou.

Fonte comunitária já adiantou que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) não pode fazer aquisições até ter terminado o período de restruturação, a 31 de dezembro de 2017, uma regra que vigora desde 24 de julho de 2013, no âmbito de ajudas de Estado à Caixa.

O porta-voz do executivo comunitário para a Concorrência, Ricardo Cardoso, disse à agência Lusa que “a Comissão está em contacto estreito e construtivo com as autoridades portuguesas, tanto a nível técnico como político. Em todo o caso, qualquer solução terá que respeitar as leis da UE e assegurar a plena proteção dos depósitos garantidos“.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Processo a decorrer “nos termos normais”

Este domingo surgiram notícias a dar conta de que o Estado estuda a aplicação de uma medida de resolução no Banif. A TVI noticiou que, “caso não se encontre um novo acionista durante esta semana” para o banco, este deverá ser sujeito a uma resolução que “separe a parte boa, os ativos saudáveis, da má, os ativos tóxicos” – tal como aconteceu com o BES.

O Banif já desmentiu “categoricamente” as notícias da TVI, reafirmando que está em curso o processo normal de venda da posição do Estado no banco, “pelo que qualquer cenário de resolução ou imposição de medida administrativa não tem qualquer sentido ou fundamento”.

Esta manhã, numa intervenção na Assembleia Legislativa da Madeira no âmbito da discussão do Orçamento Regional para 2016, Miguel Albuquerque, alertou que “o pior que nos podia acontecer, depois do que aconteceu com o BES, era termos uma situação de colapso de um banco que hoje extravasa a sua própria dimensão e tem junto da diáspora madeirense um situação importante”.

O presidente do Governo Regional afirmou que António Costa o contactou a informar que “o processo de reestruturação do Banif em Bruxelas e a nível nacional está a decorrer nos termos normais”, esclarecendo que o objetivo do Governo continua a ser “a alienação do capital do Banif” e “salvaguardar os depositantes, os acionistas e a posição estratégica do Banif junto da diáspora”.

O Estado detém 60% do capital do Banif desde 2012, altura em que o governo injetou 700 milhões de euros no banco, que têm de ser devolvidos até março de 2017. Além deste valor, o Banif recebeu 400 milhões em CoCos (dívida convertível em ações), de que já devolveu 275 milhões.

Os restantes 125 milhões deviam ter sido pagos até 2014, mas isso não aconteceu, tendo a instituição ficado cada vez mais fragilizada.

ZAP

13 Comments

  1. quem pode ainda ter confiança em Bancos que utilizam depósitos de clientes em papéis sem valor? O Banco de Portugal fiscaliza o quê afinal? Têm os inspetores desse banco carros de luxo para se deslocarem e porque não fiscalizam estas vigarices que o povo paga e bem, com roubos, taxas, impostos e aumentos do custo de vida?

  2. Ainda na sexta feira estive com o meu gestor de contas e ele falou-me nisso! Ele comprou acções a menos de um décimo de cêntimo…com 200 euros comprou alguns milhares de acções. Se fosse num país de jeito, desenvolvido, eu tinha-lhe dito que fez um bom negócio! Contudo quando vi as acções a valerem nem um cêntimo pensei cá para mim: ” Olha aqui vem o próximo banco a cair! Novo BES!” Em Portugal isto, muito provavelmente nunca dará certo! Vamos ver o que isto dará…

  3. Mais um para cair e como sempre com dinheiros do contribuinte lá enfiados, é como estou farto de dizer bancos e bolsas actualmente só servem para afundar Países.

  4. O Banco de Portugal fiscaliza a carteira deles ao fim do Mês, mas Portugal não perde pela demora pois foi escravo anos de mais de Bancos e Bolsas interesseiras.
    Este vai ser o fim de Portugal, declarar insolvência fugindo os que se encheram para fora do Pais deixando este na mais pura da Ruína .

  5. A profissão de jornalismo, é uma profissão muito digna e muito importante no funcionamento da democracia. Porém há já alguns anos, o exercício do jornalismo em Portugal tem-se pautado em grande medida por sensacionalismos e falta de brio na investigação de assuntos de interesse nacional de carácter estruturante (que marquem a diferença e ajudem a melhorar a cidadania e o verdadeiro esclarecimento dos cidadãos). Muitas vezes fico com a sensação de que são publicadas notícias com intenções que vão para além do esclarecimento com interesse público, mas sim para vender notícias, muitas vezes prejudicando o estado na sua estratégia difícil de gerir ativos e passivos que teve que assumir, na prossecução do melhor interesse nacional possível. É certo que deverá haver liberdade de expressão, mas também é certo que esta liberdade deverá também pautar-se pela oportunidade e avaliação dos seus efeitos na recuperação que se quer para o nosso país. Aconteceram situações muito negativas para o País, nomeadamente na banca. Não obstante, com toda a liberdade de expressão vigente, na altura mais certa para as evitar ou mitigar, só via notícias com visibilidade para muitos dos responsáveis para o descalabro que aconteceu. Ou seja, em termos práticos fico com muita dúvida sobre o que foi produzido na comunicação social que tivesse evitado em tempo útil qualquer perda para o País ou lesados em situações menos boas.
    Em minha humilde opinião de cidadão, poderá haver jornalistas a mais, que é bom, porém o jornalismo comporta um universo enorme de possibilidades, que certamente não se cingirão somente na divulgação de notícias! A sensibilização e educação das populações também é uma obrigação de que todos devemos abarcar, incluindo os jornalistas!
    Um bem-haja ao Bom Jornalismo!

  6. E já vão ser 3… Qual será o próximo… regulador… Sim regulador mas é só de nome não passam de poleiros para os amigos dos governos… Mas regular que bom… Não fica para depois… Depois do boom!
    Os bancos fazem parte do sistema corrupto e hipócrita mundial, os governos permitem tudo aos bancos… anos e anos de lucros gigantescos e agora, para onde foram estes lucros que podiam ajudar a salvar o banco… há pois para os bolsos dos gestores corruptos e hipócritas …
    O estado que empreste dinheiro… pode ser que se esqueçam e fique este em saco roto… e os depositantes se ficarem sem os depósitos é normal conheciam os riscos!
    Está na hora… Isto tem de mudar…
    Andam todos a dormir a vota PS, PSD/CDS… deixem se andar…

  7. Diz a notícia!….”….O Governo está a tentar encontrar uma solução para o Banif, nacionalizado há três anos”….Mas o ” BANIF” foi nacionalizado?…Que eu saiba o “Banif” é um banco privado….O que se passa é que em 2012 em consequência das verificações da UE o banco não passou nos testes às reservas obrigatórias e o estado teve de socorre-lo injetando lá 700 milhões de Euros convertidos em ações que representam 60% do capital do banco.
    Mas como o governo precisa de dinheiro, quer vender rapidamente estas ações, e esta pressa sendo conhecida atirou o valor da ações para o fundo…..A INCOMPETENCIA; COSTUMA PAGAR-SE MUITO CARO!….

  8. A incompetência e a corrupção dos “nossos” (ditos) políticos está bem espelhada nesta e outras situações semelhantes (BPP, BPN, BES, etc). Até quando? Quando é que se começa a responsabilizar politica e CRIMINALMENTE esta corja? Os governos têm estado a viver de MENTIRA em MENTIRA. Sinto-me ultrajado!

  9. Infelizmente nunca pois as próprias leis foram sendo alteradas para se protegerem a eles próprios e acho muita graça quando dizem que estas são iguais para todos seja o rico ou o pobre, nunca assisti a tamanha aldrabice encobrida com a dita democracia que hoje em dia não existe.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.