Tancos. Coronel da GNR nega pacto de silêncio

Paulo Cunha / Lusa

Edifício no complexo militar de Tancos

O ex-diretor de investigação criminal da GNR disse, esta segunda-feira, desconhecer qualquer pacto de silêncio com a Polícia Judiciária Militar que envolvesse a colaboração na investigação do furto das armas de Tancos.

Na sessão desta segunda-feira da fase de instrução do processo do caso das armas roubadas, e depois recuperadas, dos paióis da base militar de Tancos, o juiz começou por ouvir o arguido Taciano Correia, antigo diretor do Departamento de Investigação Criminal (DIC) da GNR que foi substituído pelo seu adjunto e também arguido Amândio Marques, cujo depoimento terminou da parte da tarde.

O coronel Taciano Correia explicou que recebeu dois telefonemas do diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM), que também é arguido no processo, a pedir a colaboração da GNR numa investigação, mas que desconhecia que era sobre o furto do armamento de Tancos, disse o seu advogado.

Por sua vez, Amândio Marques declarou ao juiz Carlos Alexandre que “não houve qualquer pacto de silêncio” para encobrir a PJM ou para que fossem realizadas investigações paralelas.

Pelo contrário, segundo a sua advogada, Amândio Marques desde o início que teve uma postura de “colaboração com a justiça sobre aquilo que entendeu serem as suas suspeições, a sua leitura sobre os factos e conforme lhe foram apresentados”.

Segundo Lúcia Dias, “não houve qualquer pacto de silêncio, não houve qualquer conhecimento dos factos [da acusação] e não há prova que os sustente“.

Amândio Marques está acusado dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos e favorecimento pessoal, tendo ficado suspenso de funções.

No final da sessão, o advogado Cruz Campos, defensor de Lima Santos, outro dos arguidos e militar da GNR, afirmou estar satisfeito com o depoimento dos dois militares porque começaram a assumir responsabilidades das ordens que deram.

“Está na altura de os coelhos começarem a sair da toca e assumirem as suas responsabilidades. Neste processo está em causa o interesse nacional e a recuperação das armas tinham uma importância extrema”, disse aos jornalistas sem adiantar a que elemento se referia em concreto.

O advogado reiterou que o seu cliente, que ocupou o cargo de chefe do Núcleo de Investigação Criminal de Loulé da GNR, “em momento algum desobedeceu a ordens”, dizendo que foram dadas e validadas por superiores hierárquicos que “têm de assumir as suas responsabilidades”.

Na versão do Ministério Público, Taciano Correia, Amândio Marques e Lima Santos tiveram conhecimento de toda a “encenação” para a recuperação do armamento furtado e pactuaram com esta.

Na quarta-feira vão depor como testemunhas, a pedido de Amândio Marques, o diretor da Polícia Judiciária, Luís Neves, o vice-diretor da PJ e, à altura dos factos, um dos procuradores responsáveis pelo processo, João Melo, e outro dos procuradores que assinou a acusação, Vitor Magalhães.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Arqueólogos revelam condições horríveis de campo de concentração nazi no Reino Unido

Uma equipa de arqueólogos revelou as condições horríveis de um campo de concentração nazi em Alderney, a ilha britânica mais setentrional do Canal da Mancha, onde estavam prisioneiros políticos e trabalhadores forçados durante a Segunda …

Governo quer reabrir ensino secundário a 4 de maio. Telescola deve arrancar depois da Páscoa

O Governo está a preparar a reabertura das escolas apenas para o ensino secundário para 4 de maio. Ainda falta ouvir a Direção-geral da Saúde, os especialistas, o Conselho Nacional de Educação e o Conselho …

“Não há razão para alarme”. Governo quer perdoar penas até dois anos e antecipar liberdade condicional

A proposta de lei do Governo que estabelece um regime excecional para as prisões, no âmbito da pandemia covid-19, já deu entrada na Assembleia da República, podendo ser consultada na página oficial do Parlamento. No diploma, …

O nosso cérebro evoluiu para acumular mantimentos (e julgar os outros por fazer o mesmo)

O nosso cérebro evoluiu de uma forma que, em situações de stress, acumulamos mantimentos e julgamos os outros por fazer exatamente o mesmo. Os media estão repletos de histórias – e a condenação – de pessoas que …

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …