“Coronabonds” causam atrito. Eurogrupo falha consenso e prepara-se para novo round

Stephanie Lecocq / EPA

O presidente do Eurogrupo, Mario Centeno

A reunião do Eurogrupo foi suspensa esta madrugada após 16 horas de discussões sem consenso para um compromisso político sobre a resposta económica da Europa à crise provocada pela pandemia covid-19, sendo retomada na quinta-feira.

“Após 16 horas de discussões, chegámos perto de um acordo, mas ainda não estamos lá. Eu suspendi o Eurogrupo e continuaremos amanhã”, escreveu Centeno no Twitter.

O responsável garante que, ainda assim, o seu objetivo para a resposta europeia à crise “permanece” o mesmo, visando criar a consenso para “uma forte rede de segurança da União Europeia contra as consequências da covid-19, protegendo trabalhadores, empresas e países, e compromissos com um plano significativo de recuperação“.

Também através daquela rede social, o porta-voz do Eurogrupo, Luís Rego, informou que, devido à suspensão dos trabalhos, a conferência de imprensa marcada para esta manhã foi adiada. “Mais detalhes serão anunciados posteriormente”, adianta.

A videoconferência de hoje do Eurogrupo, conduzida desde Lisboa por Mário Centeno, começou na terça-feira já com um atraso de uma hora, às 15:00 de Lisboa, tendo sido interrompida cerca das 18:00 para uma pausa de uma hora.

Porém, essa interrupção – durante a qual são feitos os tradicionais contactos bilaterais para tentar alcançar consensos – foi sendo prolongada até às 22:00 de Lisboa, até ao anúncio de que os trabalhos iriam entrar noite dentro.

Antes da reunião, Centeno disse esperar que os ministros das Finanças europeus cheguem a acordo sobre um pacote financeiro de emergência robusto para trabalhadores, empresas e países, e que se comprometam claramente com um plano de recuperação de grande envergadura.

Contudo, o compromisso a que os ministros das Finanças estão ‘obrigados’ a chegar está a revelar-se difícil de ‘fechar’, pois o ponto mais controverso da resposta, o financiamento para os Estados-membros, que Centeno defende que deve ser garantido através de linhas de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), por ser a opção mais prática e “consensual”, continua a dividir os Estados-membros.

De um lado, vários países, encabeçados por Itália, defendem antes a emissão conjunta de dívida – os chamados ‘eurobonds’ ou ‘coronabonds’ – e o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, já reafirmou a sua oposição à solução em forma de empréstimos do fundo de resgate da zona euro. Do outro, um conjunto de países, com Holanda à cabeça, rejeita liminarmente a mutualização da dívida, e, mesmo em relação às linhas de crédito do MEE, quer impor condições.

Mais pacíficas serão as duas outras vertentes do pacote de emergência que o presidente do Eurogrupo espera ‘fechar’ nesta reunião, para apresentar aos chefes de Estado e de Governo da UE: o programa de 100 mil milhões de euros proposto pela Comissão Europeia para financiar regimes de proteção de emprego e uma garantia de 200 mil milhões de euros do Banco Europeu de Investimento para apoiar as empresas em dificuldades, especialmente as pequenas e médias empresas.

O Banco Central Europeu (BCE) pede ainda um pacote de estímulos do dobro do tamanho aos ministros das Finanças da Zona Euro, escreve o jornal ECO. A instituição liderada por Christine Lagarde pede que os países avancem com medidas orçamentais de 1,5 biliões de euros no combate contra a covid-19.

Em pouco mais de um mês, esta é a quarta reunião por videoconferência dos ministros das Finanças europeus para tentar acordar uma resposta comum à crise do novo coronavírus, sendo que desta feita é-lhes ‘exigido’ um compromisso, para ser apresentado aos líderes europeus.

No último Conselho Europeu por videoconferência, realizado em 26 de março, os chefes de Estado e de Governo da União Europeia, após uma longa e tensa discussão, mandataram o Eurogrupo para apresentar, no prazo de duas semanas, propostas concretas sobre como enfrentar as consequências socioeconómicas da pandemia, que “tenham em conta a natureza sem precedentes do choque de covid-19”, que afeta as economias de todos os Estados-membros.

“Sentido de responsabilidade” ao Eurogrupo

O comissário europeu da Economia apelou ao “sentido de responsabilidade” do Eurogrupo, por os ministros das Finanças da Zona Euro não terem ainda chegado a acordo sobre a resposta económica da Europa à crise gerada pelo Covid-19.

“A Comissão Europeia apela ao sentido de responsabilidade necessário numa crise como esta”, vinca o responsável europeu pela pasta da Economia, Paolo Gentiloni, numa publicação na rede social Twitter.

Aquele que é o representante do executivo comunitário nas discussões do Eurogrupo sobre a crise gerada pela pandemia Covid-19, adianta: “Amanhã é outro dia”.

Também através do Twitter, o ministro francês da Economia e Finanças, Bruno Le Maire, e o seu homólogo alemão, Olaf Scholz, exortam “todos os Estados europeus a derrubar os desafios excecionais para chegar a um acordo ambicioso” no Eurogrupo, numa publicação conjunta (e publicada pelo primeiro).

Já Olaf Scholz, numa publicação também assinada com Bruno Le Maire, vinca na sua conta do Twitter que, “nesta hora difícil, a Europa deve permanecer unida”.

“Apelamos a que todos os países do euro não se recusem a resolver estas questões financeiras difíceis e que possibilitem um bom compromisso para todos os cidadãos”, refere a mesma mensagem.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Parece cada vez mais urgente os países do sul da Europa avançarem para uma união política própria, sob forma confederal, mantendo no entanto esta confederação na União Europeia. Talvez assim seja mais fácil aos países do sul escaparem à chantagem de alguns países do norte.

    • Sim, havia de ser bonito uma cambada de tesos sem dinheiro juntarem-se para dividir o que não tem.

      A Europa é um sonho bonito, mas na realidade ninguém quer perder soberania, todos querem o poder de decidir o que se passa no seu país sem considerar os outros, mas quando falham as políticas adoptadas, querem que os outros injectem capital.

      Os países ricos, são ricos por tomaram medidas para o crescimento económico.
      Portugal andou a gastar o dinheiro em medidas populistas, trabalho público para mascarar o desemprego, discutir novos aeroportos, etc…
      Investir em saúde, segurança pública, proteção civil, foram miragens a menos que fosse para pagar milhões aos amigos por algo que não funciona, assim estilo SIRESP.

      A Itália, está no estado em que está porque ignorou todos os avisos e foi apanhada desprevenida, a Espanha foi arrogantemente, dizia que tinha dos melhores serviços de saúde e que não era a Itália, não só ignorou todos os avisos com a típica arrogância como ainda promoveu orgulhosamente o 8 de Março com milhares de pessoas nas ruas, agora estão na m**** porque tiveram de matar a economia para pagar pela a arrogância.
      Portugal reagiu mais ou menos bem á crise, mas a frágil economia não aguentou.
      Agora querem que seja a Europa a pagar por tudo, e ainda os chamam de maus por quererem colocar garantias de que vão receber de volta.
      Nem com 2 resgates aprendemos a gerir dinheiro.

    • Escapa-lhe o essencial. A riqueza está no norte e não no sul.
      O que acha que devem pensar os países do norte quando, agora mesmo, a Espanha equaciona o rendimento mínimo universal? Quem é que acha que vai pagar essa festa? Estaria disposto a pagá-la do seu bolso?
      Só mais uma pergunta. O que acha da possibilidade de continuarmos a injetar dinheiro a rodos nos PALOP anualmente a fundo perdido (como chegámos a fazer no passado)? Dinheiro obviamente que vem dos impostos que o amigo e eu pagamos e que poderia ser utilizado para melhorar a saúde, a educação, a justiça e por aí fora. Gostava de ouvir a sua opinião acerca destas questões.

  2. Que mundo é este em que os políticos usam o Twitter para comunicar com a população? E os jornais andam a lamber o Twitter para escrever notícias? Além disso já sabemos que só há Eurobonds se a Alemanha quiser ou precisar, logo mais vale ler as notícias alemãs…

RESPONDER

Afastado juiz que disse que "fechar as pernas" impedia agressão sexual

Um juiz de Nova Jersey, nos Estados Unidos (EUA), que disse que fechar as pernas poderia evitar uma agressão sexual foi impedido de presidir um tribunal, tendo sido afastado da Suprema Corte do Estado. Segundo noticiou …

"Tofu nunca causou uma pandemia", publica PETA em outdoors

A organização de direitos dos animais PETA está a incentivar os norte-americanos a experimentar tofu, através de anúncios em 'outdoors' nos Estados Unidos (EUA) onde defendem que o produto de soja "nunca causou uma pandemia". A …

Portugueses estão menos preocupados com a pandemia, mas apreensivos com a economia

O grau de preocupação com a pandemia diminuiu de 80,9% durante o estado de emergência para 76,2% no estado de calamidade, mas os portugueses estão mais alerta quanto ao impacto na economia, conclui um inquérito …

Nova morte, saqueamentos e protestos. Minneapolis vive caos após homicídio de George Floyd

Um homem foi encontrado morto a tiro, na madrugada de hoje, suspeito de ter sido vítima dos protestos, em Minneapolis, contra a morte de um homem negro sob custódia policial. Durante a noite de quarta-feira, milhares …

Filho de Deeney tem problemas respiratórios. Jogador foi alvo de abusos por recusar treinar

O futebolista Troy Deeney, capitão do Watford, revelou que tem sido alvo de abusos e comentários depreciativos, por ter recusado voltar aos treinos, face aos problemas respiratórios do seu filho. “Vi comentários em relação ao meu …

Parlamento aprova alargamento de apoios a todos os sócios-gerentes afetados pela pandemia

O parlamento aprovou hoje, em votação final global, um texto final que alarga os apoios no âmbito do `layoff´ aos sócios-gerentes das micro e pequenas empresas afetadas pela pandemia covid-19, independentemente do volume de faturação. Com …

Pandemia de covid-19 alimenta corrupção na América Latina

A propagação da Covid-19 na América Latina está a alimentar a corrupção nos vários países que a integram, que vai desde a inflação dos preços a situações de aproveitamento económico e de ligações entre políticos …

Mais de 500 católicos portugueses contra proibição de comunhão na boca

Mais de 500 católicos portugueses, entre leigos e sacerdotes, apelaram à Conferência Episcopal Portuguesa para revogar a proibição de os fiéis receberem a comunhão na boca, por causa da pandemia de covid-19, informou na quarta-feira …

Adeptos recusam devolução dos bilhetes. Bayern distribui dinheiro por clubes amadores

Os adeptos do Bayern renunciaram ao direito de serem reembolsados pelos bilhetes comprados para os jogos até ao final da temporada. O clube decidiu distribuir o dinheiro pelos emblemas amadores da região da Baviera. Tal como …

Trabalhadores acusam TAP de pagar abaixo do salário mínimo a tripulantes em lay-off

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou hoje a TAP de não estar a pagar o previsto na lei do ‘lay-off’, indicando vários casos em que a remuneração é inferior …