Os arcos dourados estão a caminho da Coreia do Norte (e levam a paz na Terra)

Será um McDonald’s no país de Kim Jong-Un capaz de evitar uma guerra? Não sabemos. Certo é que as pequenas cedências no foro económico e político, que recentemente vieram à tona, podem mesmo trazer paz à Coreia do Norte… e ao mundo.

Primeiro, anunciou o desmantelamento do seu principal centro de testes nucleares. Agora, a Coreia do Norte está a ponderar abrir um McDonald’s. E se, por um lado, a CIA desconfia que o país mais isolado do mundo se desnuclearize, por outro, acredita que há a hipótese de a Coreia do Norte se abrir à primeira empresa ocidental dentro das suas fronteiras.

Não se encontram cadeias de fast food na Coreia do Norte em cada esquina, e muito menos cadeias ocidentais. O cenário não era sequer previsível. No entanto, há agora a possibilidade de o regime de Kim Jong-un permitir uma cadeia ocidental de fast food em Pyongyang.

A notícia é avançada num relatório, divulgado pela CNBC e a decisão está a ser encarada por muitos como um “braço a torcer” da Coreia do Norte às forças do mundo capitalista. Aliás, este pode ser mais um esforço para suavizar a relação de Kim com Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos.

De acordo com a imprensa internacional, no encontro das Coreias, no mês passado, as autoridades norte-coreanas terão expressado a sua abertura. “O país recebe investimentos da América. Queremos atrair as empresas afiliadas ao McDonald’s e ao Presidente Trump. Esperamos que a América nos veja como um país normal“, cita o Shifter.

Mas a menção à famosa cadeia de fast food foi apenas uma avaliação de um assunto muito mais sério: a desnuclearização. A CIA suspeita de que Kim Jong-un não queira livrar-se do seu armamento nuclear, pelo menos para já. Aliás, muitos especialistas na Coreia do Norte acreditam exatamente no mesmo.

No entanto, a cimeira entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, marcada para o dia 12 de junho, em Singapura, parece estar (por enquanto) no bom caminho, depois de a semana passada Donald Trump a ter cancelado.

Ainda que comer um cheeseburguer em Pyongyang seja uma perspetiva interessante, a mais curiosa delas todas é o facto de estarem em causa pequenas cedências de foro económico, como a concessão de licenças ao McDonald’s e outras decisões de grande impacto, tal como a desnuclearização.

Teoria dos Arcos Dourados

Sabia que nunca houve uma guerra entre dois países onde haja McDonald’s? O fenómeno parece bizarro, mas é um facto incontornável – e é explicado pela famosa “Teoria dos Arcos Dourados da Prevenção de Conflitos”, postulada em 1996 pelo colunista do jornal New York Times Thomas Friedman.

A teoria estabelece que quando um país atinge o nível de desenvolvimento económico no qual passa a ter uma classe média suficientemente grande para sustentar uma rede McDonald’s, transforma-se num país McDonald’s.

Alguns (Friedman incluído) defendem que pessoas que vivem num país McDonald’s não gostam de estar em guerra: preferem esperar na fila por um hambúrguer. No entanto, há também quem defenda que a empresa de fast food só se instala em países nos quais a guerra não tem espaço para brilhar – ou, pelo contrário, tornar tudo mais cinzento.

Segundo esta teoria, a Coreia do Norte pode então estar perto de se tornar um país livre de guerra – pelo menos, de uma guerra com um país onde haja McDonald’s. Aliás, podemos assim afastar a hipótese de uma III Guerra Mundial estar iminente.

Será o McDonald’s um elo de paz entre os países? Não sabemos. Certo é que a Coreia do Norte – inconscientemente ou não – quer fazer parte do leque de países que comem um cheeseburguer sem se preocupar se existem tanques de guerra ao virar da esquina.

Há quem saliente que a Teoria dos Arcos Dourados não é infalível, apresentando exemplos como o da guerra de 2006 entre o Líbano e Israel. Havia na altura restaurantes McDonald’s nos dois países, nos quais a cadeia de fast food se tinha estabelecido, respectivamente, em 1993 e 1998.

Mas, na realidade, as Forças Armadas libanesas não intervieram no conflito. Os combates decorreram apenas entre as forças israelitas e o Hezbollah. E, que se saiba, não havia McDonald’s nos acampamentos do grupo paramilitar libanês.

Ainda assim, a teoria foi entretanto atualizada para “Teoria da Dell sobre Prevenção de Conflitos”, e sustenta agora que dois países que fazem parte da mesma cadeia de fornecimento económico de grandes empresas (como a Dell) nunca entrarão em guerra, graças à interdependência económica que se estabelece entre eles.

Estará a Coreia do Norte a um passo de se tornar um país pacífico? Talvez sim, talvez não. Enquanto a resposta continua no ar, comemos um cheeseburguer.

LM, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Absurdo. Os EUA são sedentos de sangue e guerra e o seu único interesse é a destruição de todos os países que se lhe opõem.

    Isto era sarcasmo, para quem não percebeu, e destina-se ao gang que por aqui aparece em todas estas notícias, sempre pronto a defender a Rússia e atacar os EUA.

    Quem tem 2 dedos de testa percebe que os EUA não têm interesse em fazer guerra. O objetivo dos EUA é sempre o mesmo: garantir que todos os países estão alinhados com a globalização e permitem a instalação de empresas Americanas.

    Essa é a razão pela qual não existe hoje guerra na maior parte do mundo: a globalização, o capitalismo e a forma como todos os países estão interligados economicamente, faz com que a guerra não interesse a ninguém.

Agência europeia de aviação prepara-se para autorizar regresso do Boeing 737 MAX

A Agência Europeia para Segurança da Aviação (EASA) manifestou hoje intenção de aprovar o regresso da aeronave Boeing 737 MAX aos céus da União Europeia (UE), mas apenas se forem cumpridos requisitos técnicos e de …

Xi Jinping dá os parabéns a Joe Biden pela vitória nas eleições

O Presidente chinês deu os parabéns pela vitória ao Presidente eleito dos Estados Unidos, esta quarta-feira, expressando esperança num espírito de cooperação entre os dois países, para que todos fiquem a ganhar. A China foi uma …

Cristiano Ronaldo é o único português nomeado para os prémios "The Best"

O avançado da Juventus é o único português nomeado para os prémios "The Best", inserido na lista de 11 candidatos na categoria de melhor futebolista de 2020, divulgada hoje pela FIFA. Cristiano Ronaldo reparte a nomeação …

Máscaras descartáveis são de plástico e ameaçam flagelo ambiental. Governo lança campanha de sensibilização

Em plena Semana Europeia de Prevenção de Resíduos, o Ministério do Ambiente e da Ação Climática lançou a campanha “Não Deixes Cair a Máscara”. Por mês, são usadas no país 150 milhões de máscaras. De acordo …

Football Leaks. Julgamento suspenso por 14 dias devido a caso de covid-19

O julgamento do processo Football Leaks foi suspenso por 14 dias, esta quarta-feira, devido à confirmação de um teste com resultado positivo ao novo coronavírus de um familiar de um dos juízes do coletivo. Cerca de …

Morreu El Pibe, Diego Armando Maradona

O antigo internacional argentino Diego Armando Maradona morreu esta quarta-feira aos 60 anos de idade. Foi vítima de uma paragem cardiorrespiratória, avança a imprensa argentina. O estado de saúde do ex-futebolista estava debilitado e, segundo relatos do …

Empresas deixam de estar obrigadas a pôr o código QR nas faturas

A obrigatoriedade de as empresas incorporarem nas faturas o código QR e o código único de documento “traria custos adicionais para as micro pequenas e médias empresas, particularmente na adaptação de sistemas informáticos”. A obrigatoriedade de as …

Bolieiro cita Sá Carneiro e reconhece "exigente missão"

O novo presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, tomou esta terça-feira posse na Assembleia Legislativa Regional e, citando Sá Carneiro, reconheceu a "exigente missão" que tem pela frente. "Medimos os desafios a enfrentar e …

Escócia é o primeiro país a tornar os produtos menstruais gratuitos

Os produtos de higiene íntima feminina vão passar a ser gratuitos na Escócia. A primeira medida do género em todo o mundo entrará em vigor em janeiro e tem o objetivo de combater a “pobreza …

Fenprof diz que a falta de docentes em algumas escolas se resolvia com oferta de horários completos

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) estima que milhares de alunos continuem sem ter todas as aulas por falta de docentes, um problema que acredita que se resolvia com medidas como completar os horários vagos …