Jornal Público avança que Constâncio tinha informação completa para travar Berardo como acionista do BCP

Manuel de Almeida / Lusa

Vítor Constâncio

A administração do Banco de Portugal recebeu a informação de que o crédito da Caixa Geral de Depósitos que Joe Berardo ia usar para financiar o investimento era especulativo, avança o jornal Público.

Ainda no verão de 2007, Vítor Constâncio teve acesso ao documento com a informação completa sobre o pedido de Joe Berardo de compra de uma posição até 9,99% do BCP, onde na altura já possuía 3,88%, avança o Público esta terça-feira.

Apesar de Constâncio ter vindo afirmar que não esteve presente no conselho de administração que autorizou a operação, o documento que lhe foi disponibilizado continha os detalhes e a descrição da forma como Berardo pretendia financiar o investimento no BCP, ou seja, totalmente financiado pela Caixa, em 350 milhões de euros, sem dar garantias reais sólidas, mas com promessa de penhora das ações (títulos especulativos) a adquirir.

No sábado, Constâncio enviou uma nota à agência Lusa onde dá conta de que a entidade agora liderada por Carlos Costa o informara que não estivera presente na reunião do conselho de administração do BdP de 21 de agosto de 2007, a mesma que formalizou a decisão de luz verde ao reforço acionista de Berardo, de 5% até 9,99% no BCP.

Na mesma nota, Vítor Constâncio adianta que foi um dos seus dois ex-vice-governadores, José Matos, que em 2012 saiu do BdP para liderar a CGD, que o substituiu como presidente.

Ainda de acordo com o Público, Vítor Constâncio não terá estado ausente por pedido de escusa, o que o torna solidário com todas as decisões tomadas no encontro.

O processo foi objeto de avaliação detalhada, que demorou mais de dois meses, por parte dos serviços do Banco de Portugal. Rececionado a 18 de junho, o dossiê só ficou fechado em agosto desse ano. A meio, Berardo mudou a estratégia de financiamento: em junho, informou o supervisor de que ia mobilizar recursos próprios, pata além do crédito da CGD. No fim, acabou por abandonar essa decisão, reportando em agosto que seria financiado a 100% pelo banco do Estado.

Os técnicos que estudaram o dossiê foram dando reporte aos administradores da evolução da análise, pelo que se cumpriram os procedimentos habituais do Banco de Portugal, nota o mesmo jornal.

Além de ter acompanhado o dossiê, na primeira reunião do conselho de administração​ em que participou, quando regressou, foi-lhe disponibilizado o documento (que sustentou a luz verde dada a 21 de agosto de 2007) com a descrição completa da operação de financiamento de Berardo: o aumento do poder no BCP seria feito com crédito de 350 milhões de euros da CGD uma promessa de penhora de títulos especulativos.

De acordo com o Público, na próxima ida ao Parlamento, Constâncio terá dificuldade em explicar outra coisa: enquanto supervisor, a sua responsabilidade era garantir que Berardo tinha capacidade financeira para acorrer a um aumento de capital. Contudo, Berardo não só foi autorizado a investir totalmente financiado pela CGD, como também a fazê-lo dando em garantia as ações cotadas.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. E agora, mentiroso? Fica por isso mesmo, infelizmente, com uma reforma de 25000,00Euros e quem tem que pagar a sua inconsciência e falta de profissionalismo para não chamar outra coisa mais feia, será o zé povinho com os seus impostos e os seus salários miseráveis quando comparados com os desta gente que andou a governar-se à custa dos portugueses.
    Inacreditável. Onde está a Justiça, o Procurador do Ministério Público e quem mais tem poder para poder julgar e prender os ladrões deste país???

  2. Justiça para para nós os justos pagadores… condecorações para eles.
    Alguém que ponha a justiça na cadeia … já…

  3. A solução para este problema é simples. Basta envolver a responsabilidade solidária dos decisores.
    Ficam assim responsabilizados pelo ressarcimento da dívida todos os decisores e respectiva tutela concretamente:
    nº 1 – O Presidente da República.
    nº2 – O Primeiro Ministro.
    nº3 – O Ministro das Finanças.
    nº4 – O Governador do Banco de Portugal.
    nº5 – O Presidente e Administradores da CGD que avalizaram a operação.

    Os salários ou reformas destes senhores serão penhorados nos termos da lei (que serve também para outros cidadãos), até ao completo ressarcimento do montante em falta.

  4. Que grande quadrilha de FDP. Lembro-me muito bem quando o berardo ia à TV vender postas de pescada e dizer mal do Jardim. Isto é uma teia em que estão todos envolvidos, todos têm telhados de vidro e todos têm medo uns dos outros. Para o Zé pagante e Zé votante dizem que agora há liberdade e que o Povo é quem mais ordena. A abrilada de 74 não podia dar noutra coisa. O Zé vai votar numa sigla e numa cor e eles lá por cima amanham-se de toda a maneira. Já na 1ª. república, de má memória, assim foi. Cadeia com eles!!

Responder a Jo Cancelar resposta

Empresário alemão investigado por suspeitas de orgias com menores em Cascais

O empresário alemão Matthias Schmelz, representante em Portugal dos aspiradores da marca Rainbow, está a ser investigado por suspeitas de lenocínio e pagar por orgias com menores na sua casa na zona de Cascais, avançou …

A nova fábrica da Tesla não vai ser no Reino Unido por causa do Brexit

O presidente executivo da Tesla admitiu que as incertezas à volta do Brexit tiveram peso na decisão de abrir a primeira fábrica da empresa na Europa antes em Berlim. A Tesla anunciou, esta terça-feira, que vai …

Parlamento debate condenação de comunismo e nazismo

O debate sobre a resolução do Parlamento Europeu que condenou o comunismo e o nazismo chega esta sexta-feira à Assembleia da República, em Lisboa. De acordo com o Observador, de um lado, os partidos mais à …

Mexia não vai deixar que chineses interfiram no plano estratégico da EDP

O presidente da EDP, António Mexia, garantiu que não vai deixar que nenhum acionista impeça o desenvolvimento do plano estratégico da empresa, deixando o aviso à China Three Gorges. Em entrevista concedida ao Jornal Económico, António …

Impostos indiretos subiram com Governo de Costa e são já 55% da carga fiscal

Os impostos indiretos têm vindo a aumentar em Portugal. Dados da Direção-Geral do Orçamento mostram que o peso da tributação indireta no total da receita fiscal do subsector Estado, em 2018, ascendeu a 55,4%, o …

Espanha pode ficar isenta de cumprir caudais do rio Tejo por causa da falta de chuva

Os caudais do Tejo podem ficar ainda mais baixos dentro de semanas. Com a falta de chuva, Espanha deverá invocar a exceção prevista na Convenção de Albufeira para não libertar os valores mínimos de água …

Haaland tem cinco "namoradas" e meio mundo atrás dele (mas pode seguir o caminho da Red Bull)

Apesar do interesse de grandes clubes do futebol mundial, Haaland pode seguir o trilho da Red Bull e transferir-se para do Salzburg para o Leipzig. O norueguês é uma das maiores jovens promessas da atualidade. Erling …

PSD quer passar debates quinzenais para mensais (e debate temático com ministros)

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …