Afinal, Governo vai garantir complemento de estabilização a trabalhadores que estiveram em lay-off

António Cotrim / Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho

Esta quinta-feira, o Governo esclareceu que os trabalhadores que estiveram em lay-off durante mais de 30 dias consecutivos nos meses de abril, maio e junho, mas sem completar um mês civil, têm direito a receber o complemento de estabilização.

Os trabalhadores que estiveram em lay-off por mais de 30 dias consecutivos, mas sem completar um mês civil, também vão receber o complemento de estabilização, anunciou esta quinta-feira o Governo, indicando que vai alterar a lei nesse sentido.

“Face às dúvidas suscitadas quanto ao recebimento do complemento de estabilização por parte de trabalhadores que estiveram em lay-off durante mais de 30 dias consecutivos nos meses de abril, maio e junho, mas sem completar um mês civil, o Governo esclarece que irá proceder à clarificação do regime previsto no 3.º do DL n.º27-B/2020, de 19 de junho, de forma a explicitar que os referidos trabalhadores estão abrangidos por este regime e, portanto, têm direito a receber o complemento de estabilização”, adiantou a tutela.

Na nota, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social salienta que o complemento de estabilização tem como objetivo “mitigar a perda de rendimento dos trabalhadores que estiveram pelo menos 30 dias em lay-off”.

O apoio aplica-se aos trabalhadores com um salário base até 1.270 euros que tiveram perda de rendimento “e o seu valor corresponde à diferença entre o salário base de cada trabalhador e o valor que recebeu durante 30 dias consecutivos em lay-off, com um mínimo de 100 euros e um máximo de 351 euros”, pode ler-se na nota.

O ministério indica ainda que até agora o complemento de estabilização chegou a cerca de 300 mil trabalhadores e teve um impacto financeiro de 48 milhões de euros.

A nota do ministério de Ana Mendes Godinho surge depois de, na terça-feira, a Associação Nacional do Ramo Automóvel (ARAN) ter denunciado problemas na atribuição do complemento de estabilização aos trabalhadores em lay-off durante 30 dias que não coincidiram com um mês civil.

“Esta redação prejudica todos os trabalhadores que tenham estado em situação de lay-off durante 30 dias que não coincidam exatamente com um determinado mês civil“, afirmou então a associação, em comunicado.

A associação criticou o facto de existirem trabalhadores que durante 30 dias (não coincidentes com um mês civil) estiveram em lay-off sem acesso a este complemento de estabilização, enquanto outros trabalhadores em lay-off pelo mesmo período, mas coincidente com um determinado mês civil, já têm direito ao complemento.

O complemento de estabilização começou a ser pago dia 30 de julho.

Baixas de fevereiro impedem pagamento de bónus

Segundo o Observador, há trabalhadores que estiveram em regime de lay-off que não receberam o complemento de estabilização porque estiveram de baixa ou de licença de parentalidade nalgum período do mês de fevereiro. O ministério não esclareceu ao diário se a existência de uma baixa em fevereiro é um impedimento ao complemento salarial, embora a Segurança Social tenha informado trabalhadores sobre essa relação.

O matutino conta o caso de Sofia Martins, que trabalha na área do turismo, e esperava receber o complemento de estabilização no dia 30. A trabalhadora esteve em lay-off de abril até julho e, de um ordenado base de 800 euros, passou a receber, ao abrigo do mecanismo de apoio ao emprego, menos de 600 euros líquidos (635 euros brutos).

Apesar da perda salarial, não recebeu o apoio. Quando questionou a Segurança Social, foi-lhe dito que “tinha a ver com ter estado de baixa uma semana em fevereiro”.

No mês de fevereiro, o ordenado base de Sofia Martins baixou dos normais 800 euros para 613 euros líquidos. “Como esse valor está abaixo dos 635 euros mínimos do lay-off, dizem que não tenho direito a receber o complemento de estabilização”, explicou.

Um outro caso, também relatado pelo diário, é de uma trabalhadora que esteve em lay-off em maio e junho, e, em fevereiro, de licença de maternidade. Contactou a Segurança Social, mas foi aconselhada a reclamar junto dos serviços.

O Observador pediu uma justificação ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, mas não obteve resposta.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Isto é para rir…a segurança social trabalha para tirar tudo aos trabalhadores e dar o dinheiro aos gatunos do governo do ps.fazem está leis para dar ao minimo dos trabalhadores estes migalhas..com isto do mês civil e verdes…a s.s. precisa de uma revolução e tirar os milhares de parasitas que os padrinhos do os lá tem

  2. Tretas, assumam que houve um erro e não atirem areia para os olhos! Eu não cheguei a estar de lay off um mês civil completo, e estive durante 3 meses em lay off. No entanto recebi o complemento no dia 30 de
    Julho! Conforme anunciado. O meu marido não recebeu e estivemos nas mesmas condições, mesmo ordenado e a mesma empresa… Houve falhas, o que pode ser completamente compreensível. Apenas assumam isso

  3. Caro Rui, isto não tem nada haver com o Ps ou Psd, ou outro qualquer, tem só e unicamente haver com eles (todos), pois quem lá se encontra se governa interiormente, só depois é que se resolve os problemas do país.

  4. Isto e uma vergonha. Edtive em layoff de 1 de abril a 30 de julho. Tenho um base de 640€, mas como o calculo e feito em base do salario de fevereiro, ao qual faltei 1dia e 1h por questoes de saude, ja nao tenho direito a complemento porque em fevereiro devido as faltas tive um base inferior a 635€.
    Isto e uma vergonha, estive em layoff 4 meses, com cortes salariais, e por faltar 1 dia e 1h em fevereiro ja nao recebo compensaçao. Injustiça

RESPONDER

António Joaquim entrega recurso no Supremo no caso do homicídio do triatleta

O advogado de António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, entregou, esta segunda-feira, no Supremo Tribunal de Justiça um recurso sobre essa decisão, defendendo a sua revogação e a …

57% dos portugueses diz que a pandemia dificultou acesso à saúde (e mais de 600 mil perderem consultas)

Mais de metade dos portugueses (cerca de 57%) considera que a pandemia dificultou o seu acesso aos cuidados de saúde, sendo a população mais idosa (69%) e os doentes crónicos (70%) quem mais manifesta esta …

“Negacionista e bem raivosa”. Livro de ex-ministro da Saúde revela reação de Bolsonaro à pandemia

O primeiro ministro da Saúde do mandato de Jair Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta, publicou um livro sobre o combate à pandemia no Brasil e revelou que o Presidente teve uma reação “negacionista” e “raivosa”. De acordo …

"É um génio". Futre acredita que João Félix lutará pela Bola de Ouro dentro de pouco tempo

O antigo internacional português e antigo jogador do Atlético de Madrid Paulo Futre acredita que João Felix lutará pela Bola de Ouro dentro de pouco tempo. "É um génio. Cada vez que a bola passa pelos …

Seis novos sauditas indiciados na Turquia pela morte de Khashoggi

Os seis sauditas, indiciados a alguns dias do segundo aniversário do homicídio, não se encontram na Turquia e devem ser julgados à revelia. O procurador de Istambul indiciou, esta segunda-feira, seis novos sauditas suspeitos de …

Expressões neutras e imagens de homens e mulheres. Governo quer militares a usar linguagem inclusiva

O Ministério da Defesa quer que os militares comecem a usar uma linguagem mais inclusiva e menos discriminatória nos documentos e comunicações oficiais, de acordo com uma diretiva enviada Estado-Maior-General das Forças Armadas e aos …

Trump acusado de incentivar afro-americanos a não votar em 2016. E queria a filha Ivanka como vice

A equipa da campanha digital de Donald Trump tentou dissuadir milhões de afro-americanos de votar nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016, segundo uma investigação hoje divulgada por jornalistas da estação de televisão britânica Channel 4 …

Leitura, Matemática e Ciências. Alunos portugueses são únicos da OCDE com cada vez melhores resultados

Os alunos portugueses foram os únicos da OCDE que têm vindo a melhorar significativamente os seus desempenhos a Leitura, Matemática e Ciências, segundo uma análise que compara o desempenho académico de jovens de 15 anos …

Desabamento nas obras do Metro de Lisboa provoca quatro feridos

Um desabamento nas obras do Metro de Lisboa, na estação da Praça de Espanha, provocou esta terça-feira quatro feridos ligeiro, desconhecendo-se ainda a gravidade do seu estado, e a interrupção da circulação na linha Azul. Os …

Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: Um campeão categórico, Ronaldo fora do pódio e uma equipa a pé até ao estádio

O FC Porto goleou o vizinho Boavista, o Benfica ficou a lamentar tanto desperdício e o Sporting entrou a ganhar no campeonato. Destaque ainda para o Santa Clara, Rúben Dias, João Félix, Ronaldo e Messi... e …