Comissões municipais defendem retirada de proposta de isenções ao Benfica

Paulo Franco / Wikimedia

Estátua da Águia no Estádio do Sport Lisboa e Benfica em 2005

Estátua da Águia no Estádio do Sport Lisboa e Benfica em 2005

As comissões de Finanças e do Urbanismo da Assembleia Municipal de Lisboa defendem, num parecer conjunto, a retirada, para “nova formulação”, da proposta da Câmara para isentar o Benfica do pagamento de uma taxa e compensações urbanísticas.

“Nos termos atuais, e por uma questão de segurança jurídica, transparência e rigor, a proposta 54/2015 deve ser retirada pela Câmara Municipal com vista a uma nova formulação que incorpore inequivocamente os termos e objetivos descritos no presente parecer”, lê-se no documento, a ser votado na segunda-feira e a que a agência Lusa teve hoje acesso.

A Comissão de Finanças, Património e Recursos Humanos e a Comissão de Ordenamento do Território, Urbanismo, Reabilitação Urbana, Habitação e Desenvolvimento Local da Assembleia Municipal de Lisboa entendem que a proposta “carece de fundamentação em termos de facto e de direito, bem como em termos de quantificação efetiva e rigorosa da despesa fiscal correspondente ao objeto que pretende atingir, ou seja, a isenção de taxas urbanísticas”.

Além disso, as comissões consideram que, neste caso, “não é aplicável o protocolo celebrado em 1995 entre o Sport Lisboa e Benfica e o município de Lisboa, posteriormente ratificado pelo plenário da Assembleia Municipal em 2003”.

A Câmara de Lisboa aprovou a 11 de fevereiro deste ano uma proposta para submeter à Assembleia Municipal a isenção do pagamento desta taxa e da compensação urbanística, solicitada pelo Sport Lisboa e Benfica por intervenções a realizar junto ao Estádio da Luz.

A proposta (54/2015), que prevê a isenção em obras de ampliação a realizar no lote 14 da Avenida General Norton de Matos (onde se situa o complexo do clube) por parte da Benfica Estádio-Construção e Gestão de Estádios, SA, foi aprovada com os votos contra da oposição no executivo (de maioria socialista) – PSD, CDS-PP e PCP – e de uma vereadora do movimento Cidadãos por Lisboa (eleita nas listas do PS).

Inicialmente, o valor de isenção apontado pela Câmara foi de 1,8 milhões de euros, mas, segundo um relatório da presidente da Assembleia Municipal, Helena Roseta, as verbas em causa são de 4,6 milhões de euros.

De acordo com o parecer das comissões, estão em causa cerca de 2,4 milhões de euros (447 mil relativos a 3.453 metros quadrados de áreas comerciais e 1,97 milhões referentes a 1.456 metros quadrados de serviços complementares).

O valor da isenção contabiliza uma redução de 10%, atribuídos por o Benfica “utilizar soluções que conduzam à retenção e aproveitamento de águas pluviais para regas, lavagens e outras utilizações que não exijam água potável (5%), e um mecanismo de aproveitamento de energias alternativas e de soluções que racionalizem e promovam o aproveitamento de recursos renováveis para a água e energia elétrica (5%)”.

Para chegar aos cerca de 1,8 milhões de euros, o vereador Manuel Salgado aplicou à TRIU (Taxa pela Realização, Manutenção e Reforço das Insfraestruturas Urbanísticas) um desconto de 50% que o executivo entende que o Benfica beneficia por ter Estatuto de Pessoa Coletiva de Utilidade Pública.

No entanto, as comissões rejeitam este desconto. “Deve afastar-se, em termos de direito, a redução de 50% da TRIU, em razão de o estatuto de utilidade pública do Sport Lisboa e Benfica não ser extensível às empresas do Grupo Benfica“, lê-se no parecer.

No número avançado por Helena Roseta estão incluídos cerca de 2,2 milhões de euros, já isentados ao Benfica em 2012 por despacho, referentes a obras dos pavilhões desportivos, da piscina e do museu.

As comissões entendem que, mesmo com uma nova formulação da proposta, “só respeitando uma série de requisitos o Benfica poderá ter direito a uma isenção parcial”, disse à Lusa o deputado municipal do PSD, e um dos relatores do parecer, Sérgio Azevedo.

A isenção será “parcial”, porque o Benfica “deverá pagar as taxas urbanísticas relativas às áreas comerciais”, explicou à Lusa o outro relator do parecer, o deputado socialista Rui Paulo Figueiredo.

Associada à atribuição de uma isenção parcial estará a “celebração de um contrato-programa entre a Câmara e o Benfica, com benefícios para a cidade, que deve ser objeto de acompanhamento permanente pela Assembleia Municipal”, referiu.

As comissões pretendem, ainda, que “passe a ser prática, todas as isenções similares estarem anexas a contratos-programa”, referiu Sérgio Azevedo, sublinhando que só haverá isenção “se o Benfica avançar com as obras”.

Os relatores referiram ainda que a eventual concessão de uma isenção parcial ao clube deve ter fundamento no interesse público levado a cabo pelas várias entidades que compõem o grupo Benfica, como por exemplo o trabalho social da Fundação e a promoção de ações de dinamização desportiva em benefício dos jovens.

Futebol365 / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Porque razão é que esse clube que já foi salvo pela MFLeite em 2002 e que começou a crescer e a mostrar-se lá fora quando cá dentro roubou um jogador ao Sporting no início da década de 60 do séc XX , havia de ter tratamento especial?!

    Que pague como os outros, a ver se pelo menos a boçalidade da massa adepta não se envaidece e julga ser portador de uma nobreza ou respeito que não lhe assiste.

RESPONDER

Megaoperação de combate à pedofilia detém mais de 30 pessoas

Mais de 30 pessoas foram detidas em onze países no âmbito de uma megaoperação de combate à pornografia infantil realizada pela Europol e pela polícia nacional de Espanha, país onde foram presos mais de metade …

Grandes hotéis acusados de ignorar tráfico sexual. Queixa em grupo relata casos de 13 mulheres

Uma ação judicial deu entrada segunda-feira em Columbus, Ohio, nos Estados Unidos (EUA), com vários grandes grupos hoteleiros a serem acusados de lucrar com o tráfico sexual, ignorando os crimes e os danos nas vítimas. Segundo …

Líder da Birmânia, Suu Kyi, vai a Haia defender o país de acusação de genocídio

A líder birmanesa Aung San Suu Kyi decidiu comparecer perante o Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) para defender o seu país da acusação de genocídio contra a minoria muçulmana rohingya, durante uma audiência de três …

Impeachment. Democratas preparam-se para avançar com duas acusações formais contra Trump

Os democratas estarão a planear apresentar esta terça-feira dois artigos de impeachment que acusam Donald Trump de abuso de poder e obstrução do Congresso. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, o Comité …

Esquema de venda de droga na darkweb. Fortuna em bitcoins fica nas mãos do Estado

Pedro e Rita vendiam droga para todo o mundo na darkweb. Agora, a fortuna em bitcoins acabou por ficar nas mãos do Estado. Pedro, um engenheiro informático, e Rita, uma web designer, montaram um esquema para …

CDS e PAN querem regime protetor do denunciante no combate à corrupção

CDS e PAN vão apresentar propostas no combate à corrupção que tem sido discutido desde segunda-feira. Os partidos querem um regime protetor do denunciante. Numa iniciativa de combate à corrupção, o CDS e o PAN vão …

Morreu Marie Fredriksson, vocalista dos Roxette

A cantora sueca Marie Fredriksson, dos Roxette, morreu segunda-feira aos 61 anos, anunciou esta terça-feira a sua manager em comunicado. Marie Fredriksson, vocalista e co-fundadora da banda Roxette, faleceu esta segunda-feira, aos 61 anos. A morte …

Taxa de sucesso no ensino profissional atinge os 63%. É o valor mais alto de sempre

No ano letivo de 2017/2018, 63% dos alunos inscritos no ensino profissional concluíram os seus cursos no tempo previsto, mais dez pontos percentuais do que quatro anos antes, avança o jornal Público. De acordo com um …

Regra para filhos de pais separados em casas alternadas divide partidos

A lei já prevê que os filhos de pais separados possam ficar em residência alternada se o tribunal assim o decidir. Porém, as regras não são claras e vai ser discutida a melhor forma de …

Helicóptero do INEM avariou durante missão. Vítima que ia socorrer acabou por morrer

Um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), localizado em Loulé, teve uma avaria a meio de uma missão de socorro, sendo obrigado a abortar a viagem que visava ajudar uma mulher de 22 …