A comédia pode ajudar-nos a combater a crise climática

SXC

A comédia pode ser o segredo para combater as alterações climáticas. Aliada à tragédia, reconhecer a nossa própria vulnerabilidade pode desempenhar um papel importante.

As questões definidoras da sociedade raramente são apresentadas como factos e estatísticas brutas e as alterações climática não são exceção. Desde a realização de funerais para espécies extintas e glaciares até à alegação de que o melhor que podemos fazer é nos adaptarmos a uma catástrofe iminente, a crise climática é frequentemente narrada como uma tragédia clássica grega.

Erros no julgamento humano desencadeiam uma série de eventos que, uma vez em movimento, inevitavelmente trazem sofrimento extremo e um poderoso sentimento de desamparo para mudar o que sabemos que está por vir.

De muitas maneiras, estas perspetivas sombrias são apropriadas. Milhões de pessoas já estão a ser deslocadas ou mortas devido ao clima. E, no entanto, como apontam cientistas ambientais e especialistas em comunicação, estas narrativas são problemáticas porque tendem a inspirar inércia e ansiedade, em vez de ação.

Narrativas de esperança podem ajudar a mudar o guião e estimular uma resposta. Mas há uma história ainda mais adequada com a qual podemos complementar as nossas narrativas trágicas: a comédia.

Esta proposta pode parecer bizarra. Não há nada engraçado na perspetiva de colapso ambiental. Mas embora as comédias sejam engraçadas, elas não precisam de ser alegres ou triviais.

Muitas abordagens filosóficas da comédia sustentam que os efeitos cómicos surgem de incongruências: incompatibilidades entre o que esperamos e o que percebemos. Para o filósofo francês Henri Bergson, uma das incongruências centrais usadas na comédia é quando a vida orgânica – normalmente caótica, mutável e adaptável – age de maneira semelhante a uma máquina. Bergson argumenta que rir dessa incongruência é uma ferramenta social pela qual nos repreendemos uns ao outros por não sermos adaptáveis e flexíveis o suficiente.

Bergson alarga essa ideia explicitamente à maneira como os seres humanos se relacionam com a natureza. Ele dá o exemplo anedótico de uma dama convidada pelo astrónomo Cassini para observar um eclipse da lua. Chegando atrasada, ela pede ao astrónomo que comece a visualização novamente.

Esse tipo de atitude pode parecer ridículo, mas encapsula uma abordagem dominante para enfrentar a crise climática. Em vez de tentar infringir menos o meio ambiente e permitir que ele se recupere, muitos estão a aumentar o aproveitamento tecnológico do mundo natural que nos colocou nesta confusão.

Os protagonistas cómicos de Bergson comportam-se mecanicamente em relação à natureza, e rimo-nos deles. Mas, rindo deles, também rimos de nós mesmos. Eles podem ajudar-nos a refletir sobre as nossas ações e destacar o absurdo e a ineficiência de muitas respostas humanas à crise climática.

A tragédia destaca a vulnerabilidade daqueles que se pensam no controlo. A comédia mostra a força daqueles que reconhecem a sua própria vulnerabilidade. Precisamos das duas histórias para enfrentar a crise climática.

PARTILHAR

RESPONDER

Carlos Carreiras anuncia "vacina portuguesa" e causa mal-estar no Governo

O presidente da Câmara de Cascais afirmou que, "em completa articulação com o Governo", garantiu a compra e inclusive a cedência da patente de uma vacina para produzir na Área Metropolitana de Lisboa. Esta quarta-feira, num …

Pela primeira vez, Japão admite cancelar Jogos Olímpicos

O Japão admitiu pela primeira vez esta quinta-feira que o cancelamento dos Jogos Olímpicos, adiados desde o verão passado e com arranque marcado para 23 de julho, continua a ser uma hipótese em cima da …

Ataque de Sócrates ao PS é uma "tremenda injustiça". Costa não é um "traidor", diz Ana Catarina Mendes

A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, criticou as declarações de José Sócrates que, em resposta a Fernando Medina, atacou a direção do partido. Em entrevista à TVI, na noite desta quarta-feira, José Sócrates respondeu …

Guardiola iguala recorde de Mourinho na Liga dos Campeões

Pep Guardiola igualou o recorde de presenças nas meias-finais da Liga dos Campeões. O espanhol tem agora as mesmas oito presenças de José Mourinho. Há muito tempo que Pep Guardiola enfrentava dificuldades nos quartos de final …

Responsável pela acusação da Operação Marquês fica fora da lista de promoções do MP

O procurador Rosário Teixeira, responsável pela acusação da Operação Marquês, não figura entre os candidatos da lista de promoções do Ministério Público — e já recorreu da decisão. O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) aprovou …

Investigação a ligações entre PJ e Doyen só ouviu 2 testemunhas antes de ser arquivada

A investigação a alegadas ligações entre um inspetor da PJ e representantes da Doyen, foi arquivada após apenas terem sido ouvidas duas testemunhas. A denúncia sobre estas alegadas ligações chegou da então eurodeputada Ana Gomes. Foi …

Depois de Benfica e Sporting, Beto também interessa ao FC Porto

Depois do interesse de Benfica e Sporting, o FC Porto também está atento a Beto, o avançado do Portimonense que tem dado cartas esta temporada. Se pensava que esta ia ser uma corrida de dois cavalos …

Depois de uma emergência a contragosto, decidem-se as medidas para a 3.ª fase do desconfinamento

Esta quinta-feira, o Conselho de Ministros decide se o desconfinamento avança na próxima segunda-feira. Em causa está o avanço da terceira fase como previsto, a estagnação dos concelhos de maior risco na segunda fase ou …

"O culpado sou eu". Abel Ferreira perde Supertaça sul-americana nos penáltis

O Palmeiras, de Abel Ferreira, falhou na quarta-feira a conquista da Supertaça sul-americana de futebol, ao perder com o Defensa y Justicia no desempate por grandes penalidades (3-4), depois do desaire por 2-1 nos 120 …

Podem ter sido encontradas as pegadas de Neandertal mais antigas da Europa

Há cerca de 100 mil anos, uma grande família de Neandertais caminhou ao longo de uma praia naquilo que hoje é o sul de Espanha. Tal como qualquer criança que se preze, os mais novos …