Colombianos rejeitam em referendo acordo de paz do Governo com as FARC

Mauricio Duenas Castaneda / EPA

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o líder das FARC, Rodrigo "Timochenko" Londono Echeverri, apertam as mãos depois da assinarem um histórico acordo de paz.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o líder das FARC, Rodrigo “Timochenko” Londono Echeverri, apertam as mãos depois da assinarem um histórico acordo de paz. Mas os colombianos disseram “NÃO”.

Os eleitores colombianos rejeitaram este domingo, em referendo, o acordo de paz do Governo com a guerrilha das FARC, Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

De acordo com os resultados oficiais, quando estavam escrutinadas 99,08% das mesas eleitorais, 50,24% dos votantes (6.400.516) disseram “não” ao acordo e 49,75% (6.338.473) disseram “sim”.

Para que a consulta popular seja válida, é necessário um mínimo de 4.536.992 votos “sim”, fasquia que foi ultrapassada.

O acordo de paz foi assinado na passada segunda-feira, em Cartagena das Índias, pelo Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e pelo “número um” das FARC, Rodrigo Londoño.

A pergunta à qual os eleitores colombianos tinham que responder este domingo, com um “sim” ou um “não”, era se apoiavam o acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura.

Este acordo de paz, negociado em agosto, em Havana, e formalmente assinado há uma semana, pretendia encerrar o conflito armado com as FARC, organização de guerrilha de inspiração marxista com origem nas revoltas camponesas da década de 1960.

Porque é difícil escolher a Paz?

A guerra civil na Colômbia, que durou 52 anos, provocou oito milhões de vítimas, 220 mil mortos, 45 mil desaparecidos e um número indeterminado de deslocados.

Ao fim de mais de meio século, foi possível finalmente chegar a um acordo entre as FARC e o Governo para que as armas se calem – mas pacificar as memórias da população parece ainda bastante difícil.

“Os colombianos esperam primeiro um grande arrependimento por parte das FARC e fazer com que pedir perdão não só aconteça em casos pontuais, mas em grande escala”, disse à agência EFE o presidente do Senado da Colômbia, Mauricio Lizcano, na data de assinatura do acordo de paz.

Todos os colombianos fomos vítimas, e eu também sinto que eles vão ter que entrar numa reconciliação forçada com a sociedade civil”, acrescentou Lizcano.

“Não posso negar que sinto um frio na barriga, é um dia singular. Nunca tinha estado frente a frente com os chefes da guerrilha, e com aqueles que sequestraram o meu pai”, admitiu o senador, cujo pai, Óscar Tulio Lizcano, foi sequestrado em 2000, quando era membro da Câmara dos Representantes.

Além do pai, também o seu irmão, Juan Carlos Lizcano, esteve sequestrado pelas FARC, numa altura em que o pai era refém das FARC há já quatro anos.

“Decidimos, como família, que já demos o perdão às FARC. O perdão é libertador, é uma virtude que cria sociedades novas, e nós estamos dispostos a reconciliar-nos”, disse o senador, que defende que esta é a melhor alternativa para encerrar um conflito que cobriu o país de sangue, dor e morte.

Mas aparentemente, 50,24% dos seus compatriotas não estão ainda dispostos a perdoar.

AJB, ZAP / Lusa / EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Ciência explica porque é que alguns cheiros desencadeiam memórias fortes

O cheirinho de pão acabado de sair do forno pode, por exemplo, funcionar como um portal do tempo, levando-nos de volta àquele pequeno café em Paris que visitámos há alguns anos. Os cheiros têm a capacidade …

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …