City vs United. Em Manchester, há uma guerra anónima a ser travada entre oriente e ocidente

(dr) Premier League

Ole Gunnar Solskjær e Pep Guardiola.

Este sábado, Manchester City e Manchester United defrontam-se dentro de campo. Mas fora das quatro linhas decorre uma batalha oculta pelo domínio ideológico de gestão.

O dérbi de Manchester é sempre um confronto importante no calendário da Premier League e todos os olhares estarão no Etihad Stadium quando o City enfrentar o United, com os dois gigantes do futebol enfrentarem-se pela primeira vez esta temporada. No entanto, o confronto será significativo por razões que vão muito além de objetivos e títulos.

Até agora nesta temporada, o City tem estado um pouco aquém dos exigentes padrões estabelecidos nos últimos anos sob a tutela de Pep Guardiola. Enquanto isso, o United ainda está imerso num angustiante período pós-Ferguson, enquanto Ole Gunnar Solskjaer lida com o contínuo subrendimento da sua equipa.

Para apimentar as coisas, cada uma das lutas fora de campo dos clubes é por si só preocupante. O City lida com as acusações de infringir os regulamentos de Financial Fair Play (FFP) da UEFA. No United, os adeptos continuam irritados com os donos do clube e com o fracasso em alcançar os níveis de sucesso de que desfrutavam anteriormente.

No entanto, apesar das tensões associadas ao confronto direto e à valsa financeira perpétua de tentar trabalhar dentro das restrições do FFP, uma batalha maior está a ser travada em Manchester — uma que é amplamente anónima, embora profundamente mais importante do que aquilo que um único jogo da Premier League consegue manifestar.

Em 2005, o Manchester United foi comprado pelos Glazers, uma família de empresários desportivos americanos e proprietários da equipa de futebol americano, Tampa Bay Buccaneers. Os Glazers estão imersos nas tradições de uma economia desportiva dos EUA que continua a ser a maior do mundo, possivelmente representando 40% do total da indústria desportiva mundial.

O crescimento e o domínio da indústria desportiva dos EUA continuam impressionantes, uma vez que ela é governada em grande parte pelo mercado livre. Ao contrário da maioria dos países do mundo, os EUA não têm ministério do desporto. Em vez disso, o desporto nos EUA é conduzido por princípios comerciais, onde o lucro governa e o retorno financeiro é gerado por e para investidores privados.

De muitas maneiras, o United tornou-se na personificação deste modelo ocidental e capitalista. Enquanto os custos são cuidadosamente controlados, o crescimento da receita é acompanhado com entusiasmo. Isto tem reafirmado constantemente a posição do United como um dos clubes de futebol mais valiosos do mundo, embora o clube esteja com dificuldades dentro das quatro linhas.

O United precisa de uma vitória este fim de semana, não apenas para o clube, mas também para a ideologia capitalista que representa. O clube esforça-se ao máximo na procura de receitas, embora as suas recentes dificuldades tenham tirado parte do brilho da marca. A vitória no Etihad dirá tanto sobre a melhor forma de gerir um clube de futebol como as capacidades da equipa.

A torneira do petróleo

Uma rápida vista de olhos na lista de parceiros comerciais do Manchester City pode levar a concluir que o clube é do mesmo tipo que o United. No entanto, o City é uma questão muito diferente. Em 2008, o emblema do leste de Manchester foi adquirido pelo Abu Dhabi United Group for Development and Investment, um meio de investimento estatal.

Portanto, o City é detido e controlado por um estado do Golfo alimentado pelo petróleo. Entre as suas características, estes países geralmente dependem de depósitos de recursos naturais para receitas que, por sua vez, são usadas para investir em ativos geradores de renda no estrangeiro.

Estas receitas são então utilizadas internamente como substitutas de impostos e gastos, o que atenua a necessidade de estruturas e processos democráticos. As receitas geradas pelo Manchester City, portanto, desempenham o papel de manter a população de Abu Dhabi feliz.

A importância da propriedade estatal asiática no City é ilustrada ainda mais pela maneira como os seus proprietários usam o clube como um instrumento de política, principalmente nas relações internacionais e na diplomacia. Por exemplo, o City Football Group (CFG) é de propriedade de investidores chineses, uma participação anunciada publicamente para coincidir com a visita do presidente chinês Xi Jinping ao Reino Unido em 2015.

A utilização do City como um instrumento político permitiu que todos os tipos de acordos entre Abu Dhabi e Pequim fossem feitos. No início deste ano, quando o mundo do futebol soube do anúncio do CFG de que criaria um clube em Chengdu, na China, poucas pessoas notaram que, simultaneamente, a companhia aérea estatal de Abu Dhabi, Etihad (o principal patrocinador do Manchester City) estabelecerá novas rotas para… Chengdu.

Esta ideologia do futebol já está bem estabelecida, esteve em andamento durante a maior parte deste ano e, de facto, parece intensificar-se à medida que avançamos para 2020. Uma vitória do City no dérbi de Manchester neste fim de semana adicionará ímpeto a uma cada vez mais poderosa influência no desporto.

Não é só um jogo de futebol

Portanto, City contra United já não é só uma partida de futebol, é aquilo que rapidamente se tornou uma guerra ideológica entre o Ocidente e o Oriente.

Há duas décadas, o capitalismo ocidental dominava e o United dominava consequentemente. Mas a ordem mundial agora está a mudar com os estados asiáticos em ascensão. Talvez não seja surpresa que o City agora seja dominante.

Infelizmente, como em muitos conflitos, há danos colaterais que, neste caso, parecem ser os adeptos de futebol de Manchester. Os adeptos do City de Openshaw e West Gorton, sem dúvida, continuam nostálgicos pelos bons velhos tempos de Francis Lee e Colin Bell. Em Stretford e Gorse Hill, os adeptos do United olharão para trás para os dias dos “Busby Babes” e Eric Cantona.

Mas estas instituições sociais outrora incorporadas localmente, que eram uma manifestação tangível da identidade geográfica e da comunidade, agora tornaram-se instrumentos numa guerra ideológica global.

Por mais que os adeptos sejam nostálgicos, a realidade é que os clubes já não são mais “deles”. Em vez disso, os avarentos apetites corporativos do capitalismo ocidental e os xeiques famintos por lucros do Golfo estão agora envolvidos no maior dérbi de todos — a batalha pelo domínio ideológico.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Castração química proposta pelo Chega viola o 1.º artigo da Constituição

De acordo com o Conselho Superior de Magistratura (CSM), a proposta do Chega para castrar quimicamente quem é condenado por abuso sexual de menores, em casos especialmente graves, viola dois artigos da Constituição da República …

Já são 50 os militares dos EUA com lesões cerebrais após ataque iraniano

O Pentágono anunciou, esta terça-feira, que 50 militares norte-americanos foram diagnosticados com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. Na última sexta-feira, o porta-voz do Pentágono, Jonathan …

Republicanos não têm votos suficientes para travar novas testemunhas no julgamento de Trump

O líder do Partido Republicano no Senado disse, esta terça-feira, aos senadores que ainda não garantiu os votos para travar novas testemunhas no julgamento sobre a destituição de Donald Trump. O senador Mitch McConnell fez a …

Galpgate. Gestores da Galp vão a julgamento, mas políticos só vão ter de pagar multas

Os gestores da Galp ainda podem ir a julgamento pelas ofertas de bilhetes e viagens ao Euro 2016, mas os políticos que auferiram dos mesmos vão ver o processo arquivado mediante o pagamento de uma …

Partidos querem que o Parlamento controle injeções no Novo Banco

O PSD, Bloco de Esquerda (BE), PCP e PAN podem vir a aprovar uma alteração ao Orçamento do Estado deste ano para que novas injeções de capital no Novo Banco tenham de ser aprovadas pela …

Rafael Leão sobre Zlatan: "Costumava jogar com ele na Playstation, hoje fiz-lhe uma assistência"

O avançado de 20 anos fez o passe que permitiu a Zlatan Ibrahimovic fechar o resultado no triunfo (4-2) diante do Torino, num jogo a contar para os quartos-de-final da Taça de Itália. O AC Milan …

Antigo BPN ainda sai caro ao Estado (e a culpa é das "facturas" devolvidas pelo EuroBic)

A nacionalização do antigo BPN, no rescaldo da crise de 2008, continua a sair cara aos cofres do Estado. Os contribuintes portugueses ainda suportam gastos com conflitos que decorrem em Tribunal e com créditos tóxicos …

Francisco concorda com Passos. “CDS e PSD têm que erguer pontes em vez de erguer muros”

Francisco Rodrigues dos Santos, que no passado fim de semana foi eleito líder do CDS, disse que o PSD é o primeiro partido com quem quererá falar, propondo a construção de "pontes" em vez de …

"Insuficiente". Economistas dão nota negativa ao Orçamento no rigor e transparência

O Orçamento do Estado para 2020 recebeu a melhor nota desde 2010, no âmbito do Budget Watch, mas os 16 economistas que o avaliaram consideram que o documento continua a ser “insuficiente” em termos de …

Presidente da Palestina considera "absurdo" plano de paz de Trump

O Presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, considerou o plano de paz para o Médio Oriente do Presidente norte-americano Donald Trump como "absurdo" e o movimento libanês Hezbollah como uma "tentativa de eliminar os direitos do …