City vs United. Em Manchester, há uma guerra anónima a ser travada entre oriente e ocidente

(dr) Premier League

Ole Gunnar Solskjær e Pep Guardiola.

Este sábado, Manchester City e Manchester United defrontam-se dentro de campo. Mas fora das quatro linhas decorre uma batalha oculta pelo domínio ideológico de gestão.

O dérbi de Manchester é sempre um confronto importante no calendário da Premier League e todos os olhares estarão no Etihad Stadium quando o City enfrentar o United, com os dois gigantes do futebol enfrentarem-se pela primeira vez esta temporada. No entanto, o confronto será significativo por razões que vão muito além de objetivos e títulos.

Até agora nesta temporada, o City tem estado um pouco aquém dos exigentes padrões estabelecidos nos últimos anos sob a tutela de Pep Guardiola. Enquanto isso, o United ainda está imerso num angustiante período pós-Ferguson, enquanto Ole Gunnar Solskjaer lida com o contínuo subrendimento da sua equipa.

Para apimentar as coisas, cada uma das lutas fora de campo dos clubes é por si só preocupante. O City lida com as acusações de infringir os regulamentos de Financial Fair Play (FFP) da UEFA. No United, os adeptos continuam irritados com os donos do clube e com o fracasso em alcançar os níveis de sucesso de que desfrutavam anteriormente.

No entanto, apesar das tensões associadas ao confronto direto e à valsa financeira perpétua de tentar trabalhar dentro das restrições do FFP, uma batalha maior está a ser travada em Manchester — uma que é amplamente anónima, embora profundamente mais importante do que aquilo que um único jogo da Premier League consegue manifestar.

Em 2005, o Manchester United foi comprado pelos Glazers, uma família de empresários desportivos americanos e proprietários da equipa de futebol americano, Tampa Bay Buccaneers. Os Glazers estão imersos nas tradições de uma economia desportiva dos EUA que continua a ser a maior do mundo, possivelmente representando 40% do total da indústria desportiva mundial.

O crescimento e o domínio da indústria desportiva dos EUA continuam impressionantes, uma vez que ela é governada em grande parte pelo mercado livre. Ao contrário da maioria dos países do mundo, os EUA não têm ministério do desporto. Em vez disso, o desporto nos EUA é conduzido por princípios comerciais, onde o lucro governa e o retorno financeiro é gerado por e para investidores privados.

De muitas maneiras, o United tornou-se na personificação deste modelo ocidental e capitalista. Enquanto os custos são cuidadosamente controlados, o crescimento da receita é acompanhado com entusiasmo. Isto tem reafirmado constantemente a posição do United como um dos clubes de futebol mais valiosos do mundo, embora o clube esteja com dificuldades dentro das quatro linhas.

O United precisa de uma vitória este fim de semana, não apenas para o clube, mas também para a ideologia capitalista que representa. O clube esforça-se ao máximo na procura de receitas, embora as suas recentes dificuldades tenham tirado parte do brilho da marca. A vitória no Etihad dirá tanto sobre a melhor forma de gerir um clube de futebol como as capacidades da equipa.

A torneira do petróleo

Uma rápida vista de olhos na lista de parceiros comerciais do Manchester City pode levar a concluir que o clube é do mesmo tipo que o United. No entanto, o City é uma questão muito diferente. Em 2008, o emblema do leste de Manchester foi adquirido pelo Abu Dhabi United Group for Development and Investment, um meio de investimento estatal.

Portanto, o City é detido e controlado por um estado do Golfo alimentado pelo petróleo. Entre as suas características, estes países geralmente dependem de depósitos de recursos naturais para receitas que, por sua vez, são usadas para investir em ativos geradores de renda no estrangeiro.

Estas receitas são então utilizadas internamente como substitutas de impostos e gastos, o que atenua a necessidade de estruturas e processos democráticos. As receitas geradas pelo Manchester City, portanto, desempenham o papel de manter a população de Abu Dhabi feliz.

A importância da propriedade estatal asiática no City é ilustrada ainda mais pela maneira como os seus proprietários usam o clube como um instrumento de política, principalmente nas relações internacionais e na diplomacia. Por exemplo, o City Football Group (CFG) é de propriedade de investidores chineses, uma participação anunciada publicamente para coincidir com a visita do presidente chinês Xi Jinping ao Reino Unido em 2015.

A utilização do City como um instrumento político permitiu que todos os tipos de acordos entre Abu Dhabi e Pequim fossem feitos. No início deste ano, quando o mundo do futebol soube do anúncio do CFG de que criaria um clube em Chengdu, na China, poucas pessoas notaram que, simultaneamente, a companhia aérea estatal de Abu Dhabi, Etihad (o principal patrocinador do Manchester City) estabelecerá novas rotas para… Chengdu.

Esta ideologia do futebol já está bem estabelecida, esteve em andamento durante a maior parte deste ano e, de facto, parece intensificar-se à medida que avançamos para 2020. Uma vitória do City no dérbi de Manchester neste fim de semana adicionará ímpeto a uma cada vez mais poderosa influência no desporto.

Não é só um jogo de futebol

Portanto, City contra United já não é só uma partida de futebol, é aquilo que rapidamente se tornou uma guerra ideológica entre o Ocidente e o Oriente.

Há duas décadas, o capitalismo ocidental dominava e o United dominava consequentemente. Mas a ordem mundial agora está a mudar com os estados asiáticos em ascensão. Talvez não seja surpresa que o City agora seja dominante.

Infelizmente, como em muitos conflitos, há danos colaterais que, neste caso, parecem ser os adeptos de futebol de Manchester. Os adeptos do City de Openshaw e West Gorton, sem dúvida, continuam nostálgicos pelos bons velhos tempos de Francis Lee e Colin Bell. Em Stretford e Gorse Hill, os adeptos do United olharão para trás para os dias dos “Busby Babes” e Eric Cantona.

Mas estas instituições sociais outrora incorporadas localmente, que eram uma manifestação tangível da identidade geográfica e da comunidade, agora tornaram-se instrumentos numa guerra ideológica global.

Por mais que os adeptos sejam nostálgicos, a realidade é que os clubes já não são mais “deles”. Em vez disso, os avarentos apetites corporativos do capitalismo ocidental e os xeiques famintos por lucros do Golfo estão agora envolvidos no maior dérbi de todos — a batalha pelo domínio ideológico.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Desconfinar creches e 1.º ciclo em março é possível, mas com "botão de pânico"

O epidemiologista Manuel Carmo Gomes considera que é possível a partir de meados deste mês abrir creches e primeiro ciclo. Contudo, tem de se estar "sempre pronto para parar". O plano de descofinamento será anunciado pelo …

UEFA suspende árbitro do PSG-Basaksehir (mas afasta conduta racista)

Sebastian Coltescu foi suspenso pela UEFA até ao final da atual temporada, devido a "comportamento impróprio" no jogo entre o PSG e o Basaksehir, mas o  organismo afastou qualquer ação racista do romeno. "Foi decidido suspender …

O maior lagarto do mundo tem uma peculiar história de reprodução

O dragão de Komodo (Varanus komodoensis), o maior lagarto à face da Terra, tem uma estranha história de reprodução, de acordo com uma nova investigação científica levada a cabo pela Universidade Nacional da Austrália. De …

Portal Goal aponta Diego Costa ao Benfica (e até avança valores)

O portal desportivo Goal apontou esta segunda-feira Diego Costa, ex Atlético de Madrid e atualmente sem clube, ao Benfica. De acordo com a mesma fonte, o clube da Luz oferece ao jogador um salário de …

Um mandato com "vários mandatos" dentro. A segunda dinastia de Marcelo começa hoje

Esta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa toma posse para um segundo mandato como Presidente da República. Por volta das 10h30, na Assembleia da República, Marcelo Rebelo de Sousa vai voltar a pousar a mão direita na …

Groundforce em risco de insolvência. Governo ainda sem soluções

O Governo ainda não tem soluções para resolver o problema dos trabalhadores da Groundforce, indicou o ministro das Infraestruturas e da Habitação numa reunião, esta segunda-feira, com os representantes dos colaboradores. "O ministro informou-nos que não …

Peritos propõem plano para desconfinar lentamente ao longo de um mês e meio

Esta segunda-feira, na reunião no Infarmed, os especialistas apresentaram a sua proposta de plano de desconfinamento. A decisão final do Governo só será conhecida na quinta-feira. De acordo com o Expresso, a proposta de plano de …

Parlamento Europeu levanta imunidade a Carles Puigdemont

O Parlamento Europeu levantou, esta terça-feira, a imunidade parlamentar de que gozavam três eurodeputados independentistas da Catalunha, entre eles o antigo presidente da região, fugidos da justiça espanhola após a tentativa de independência de 2017. O …

Sem zaragatoas, basta gritar. Empreendedor cria teste inovador para detetar covid-19

O empreendedor holandês Peter van Wees criou um teste que pode ser o método mais rápido e fácil de detetar covid-19. Basta gritar ou cantar. Peter van Wees criou um teste para detetar a covid-19 que …

Inspetores do SEF com processos disciplinares por causa de Ihor voltam ao aeroporto

O Tribunal de Sintra chumbou o despacho do SEF que afastava do exercício de funções do aeroporto de Lisboa quatro inspetores, que são alvo de processos disciplinares por causa da morte do cidadão ucraniano. Esta decisão …