Cirurgiões em teletrabalho geram revolta entre médicos que combatem a covid-19

Com as cirurgias programadas suspensas e vários cirurgiões em regime de teletrabalho, instalou-se o mal estar entre os médicos que estão na primeira linha de combate à covid-19. Tanto mais numa altura em que chegaram médicos estrangeiros para ajudar o país a enfrentar a pandemia.

“Os cirurgiões ficaram com trabalho reduzido, alguns só com consultas uma vez por semana, e sobretudo teleconsultas, outros com duas e uma urgência, outros só a fazer consultas e relatórios”, nota um médico ao Diário de Notícias (DN), concluindo que “isto é incompreensível numa altura em que o hospital recebeu profissionais estrangeiros para apoiarem a resposta à pandemia”.

A publicação falou com vários profissionais que revelam o mal-estar com a situação.

“Sobra sempre para uns, quando outros ficam em casa”, lamentam médicos das especialidades mais sobrecarregadas, considerando que todos poderiam “estar a trabalhar para o mesmo, apesar das características de cada especialidade”.

O presidente do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha, desvaloriza a situação, notando ao DN que são “querelas antigas entre especialidades” que podem ter sido agravadas com a pandemia, uma vez que “a medicina interna arca sempre com a maior carga de trabalho”.

Numa altura em que vieram médicos de países como Alemanha e França para ajudar o Serviço Nacional de Saúde (SNS) devido à pressão da pandemia, há quem note que “há sempre muita dificuldade em que as especialidades mais cirúrgicas colaborem com as especialidades médicas ou até com a medicina intensiva”.

Já o presidente da FNAM (Federação Nacional dos Médicos), Noel Carrilho, ele próprio um cirurgião, constata que no hospital onde trabalha, em Lamego, não se verifica o problema, apontando que os cirurgiões estão a integrar as equipas covid e de urgência.

O DN nota ainda que, em alguns hospitais, os cirurgiões foram integrados nas equipas covid pelas administrações enquanto outros voluntariaram-se para as integrar.

No Hospital Garcia de Orta (HGO), “houve uma proposta do director de serviço para que uma boa parte dos cirurgiões ficasse em teletrabalho, que foi aceite pela direcção clínica”, esclarecem profissionais da unidade ao DN.

A administração do HGO assegura, contudo, que “os cirurgiões foram mobilizados para prestarem cuidados em enfermarias covid e para reforçar as escalas do serviço de urgência geral”, conforme nota enviada ao DN.

Apesar disso, o hospital destaca também que a “actividade não presencial realizada pelos cirurgiões do HGO realiza-se à semelhança do que é realizado nas restantes especialidade médicas, na vertente de consultas médicas não presenciais”.

Em 2020, devido à pandemia, foram canceladas 126 mil cirurgias consideradas não urgentes.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bactérias benéficas do leite materno mudam ao longo do tempo

De acordo com um novo estudo, a mistura de bactérias benéficas transmitidas pelo leite materno muda significativamente com o tempo. Este pode atuar como uma injeção de reforço diário para a imunidade e metabolismo infantil. Os …

Quando um tigre vale mais morto do que vivo: A sórdida realidade das quintas de procriação

Em alguns países asiáticos, quintas de procriação de tigres exploram até ao tutano o valor económico do animal, submetendo-o a condições de vida degradantes. Tigres já foram puderam ser encontrados em grande parte da Ásia, do …

Ana Estrada Ugarte. Em decisão histórica, Peru abre as portas à eutanásia

Numa decisão histórica esta quinta-feira, o 11.º Tribunal Constitucional do Superior Tribunal de Justiça de Lima, no Peru, ordenou ao Ministério da Saúde do país que respeitasse a vontade de Ana Estrada Ugarte de acabar …

Árbitros estrangeiros na próxima época? APAF recusa "atestado de incompetência"

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) tem a certeza de que o Conselho de Arbitragem (CA) não irá passar um "atestado de incompetência" aos árbitros portugueses, chamando estrangeiros para encontros de Ligas nacionais. Segundo …

Depois do desconforto que a série causou na Família Real, Harry defende "The Crown"

Durante uma entrevista a James Corden, para o programa americano The Late Late Show, o príncipe Harry defendeu a série The Crown da Netflix, explicando que embora não seja “estritamente precisa”, retrata a pressão da …

Benfica vai apresentar queixa por ameaças de morte a Vieira e vandalismo

O Benfica vai avançar com queixas devido às ameaças de morte ao presidente do clube em tarjas colocadas nas imediações do Estádio da Luz, mas também pela vandalização de várias casas benfiquistas. Segundo o jornal online …

Submarino civil transparente pode levá-lo ao local do naufrágio do Titanic

A Triton, uma empresa com sede na Florida, fabrica submarinos civis de última geração há mais de uma década. Agora, vai fazer nascer o Triton 13000/2 Titanic Explorer, que para além de oferecer aos passageiros …

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …