Há pessoas que só têm metade do cérebro (mas é como se o tivessem inteiro)

(dr) baycrest.org

Em casos raros, pacientes com epilepsia severa são submetidos a uma operação na qual um dos hemisférios do cérebro é removido. Um novo estudo mostra que o hemisfério restante é capaz de se adaptar para compensar a falta da metade.

O cérebro humano tem a capacidade de se reconfigurar após uma perda dramática de função, um fenómeno conhecido há décadas. Um novo estudo publicado esta semana na revista especializada Cell Reports aumentam esse conhecimento.

Os investigadores examinaram seis pacientes adultos submetidos a hemisferectomias quando crianças. Os pacientes exibiram uma conectividade neural surpreendentemente forte entre diferentes partes do cérebro remanescente, segundo o estudo.

O trabalho, em co-autoria do neurocientista Dorit Kliemann, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, ajuda a saber mais sobre a forma como o cérebro se reorganiza após uma perda radical de material cerebral. A investigação é uma evidência de “cognição compensada”, de acordo com os cientistas, citados pelo Gizmodo.

“As pessoas com hemisferectomias que estudamos tinham um funcionamento notavelmente alto. Têm habilidades de linguagem intactas; quando os pus no scanner, conversámos um pouco”, afirmou Kliemann em comunicado, divulgado pelo EurekAlert. “Quase esquecemos a sua condição quando os conhecemos pela primeira vez. Quando vejo as imagens de ressonância magnética com apenas metade do cérebro, ainda me surpreendo que as imagens sejam provenientes do mesmo ser humano que acabei de ver a conversar e a andar”.

Os indivíduos com hemisferectomias podem ter uma saúde cognitiva muito boa, apesar da natureza severa do procedimento. Os participantes eram quatro homens e duas mulheres, agora com 20 e 30 anos, que tinham hemisferectomias quando tinham entre 11 meses e 11 anos de idade. Outros seis participantes com cérebros intactos formaram o grupo de controlo.

Caltech Brain Imaging Center

Usando uma máquina de ressonância magnética, os cientistas procuraram sinais associados à atividade cerebral espontânea enquanto os participantes estavam num estado de relaxamento e descanso. Os investigadores concentraram-se nas regiões do cérebro conhecidas por serem responsáveis ​​pela visão, movimento, emoção e pensamento superior.

Surpreendentemente, a atividade cerebral dos pacientes com hemisferectomia parecia bastante típica, mostrando as mesmas redes de estado de repouso de um cérebro normal. Porém, havia uma grande exceção: os cérebros com apenas um hemisfério mostravam conectividade acima do normal entre as redes do que os cérebros de controlo

“Os resultados sugerem que as interações entre redes podem caracterizar a reorganização funcional na hemisferectomia”, escreveram os autores no estudo. Continua a ser uma questão em aberto, porém, a forma como o aumento da conectividade pode ajudar – ou até prejudicar – o funcionamento entre os sujeitos da hemisferectomia, como a sociabilidade, habilidades motoras e tomada de decisão.

As descobertas desta investigação podem lançar uma nova luz sobre a forma como o cérebro se reorganiza após uma lesão traumática e perda da função neurológica.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Mas apresentam efeitos secundários adversos como votar PS, passam a ouvir musicas do Agir e da familia Carreira… Oh diabo… queres ver que metade do país foi sujeuto a uma hemisferectomia…

  2. Pois é como o mão cheio de nada. Alguns até tem muito cérebro, mas é só para o inglês ver. Outros conseguem fazer ‘omOletes’ sem ovos

RESPONDER

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …