Cientistas descobrem fenómenos da física na técnica do pintor Jackson Pollock

O artista norte-americano Jackson Pollock (1912-1956) terá usado conhecimentos da física nas suas pinturas, consideradas muitas delas ícones da arte do século XX, revela o estudo de uma equipa de cientistas agora divulgado.

De acordo com o estudo publicado no jornal científico norte-americano Plos One, foram analisadas as telas que o artista pintava deitadas no chão, não com pincel, mas usando uma técnica de atirar tinta, que deixava filamentos sinuosos.

A equipa de investigadores, que também envolveu a Universidade Nacional Autónoma do México, analisou a forma de pintar de Pollock e descobriu que o artista – conscientemente ou não – usou conhecimentos de fenómenos da física, nomeadamente um fenómeno clássico da dinâmica de fluidos.

A técnica do pintor parece – segundo os cientistas – ter conseguido evitar intencionalmente um fenómeno conhecido por “instabilidade de enrolamento”, que é a tendência de um fluido viscoso frisar, criar ondas sobre si mesmo, em vez de se expandir, quando deitado para cima de uma superfície.

Os cientistas fizeram a experiência de medir a distância e velocidade a que o artista lançava a tinta, reproduzindo as suas técnicas, e eram esses fatores – conjugados com a tinta viscosa – que davam o efeito final ao seu trabalho.

“Tal como a maioria dos pintores, Jackson Pollock fez um longo caminho de experimentação para aperfeiçoar a sua técnica“, afirma Roberto Zenit, professor na Brown School of Engineering, e principal autor do estudo.

O que os investigadores tentaram descobrir foi que princípios da física e da mecânica o artista aplicou para conseguir criar os seus quadros abstratos, na forma que desejava. “A nossa principal conclusão é que os movimentos de Pollock e as tintas que usava eram combinadas de tal forma que evitavam esta ‘instabilidade de enrolamento'”, salientou.

A técnica deste artista implicava atirar tinta diretamente de uma lata para a tela horizontalmente colocada no chão, ou usando um bastão, e era habitualmente chamada de “gotejar”.

Na mecânica de fluidos, esta técnica provocaria marcas de gotas na tela, mas Pollock evitava-as fazendo filamentos ininterruptos de tinta.

Estas descobertas poderão ajudar os peritos a verificar as obras originais do autor, e a detetar cópias. Os coautores do estudo foram Bernardo Palacios, Alfonso Rosario, Monica M. Wilhelmus e Sandra Zetina.

// Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Encontrado no fundo do mar um organismo "sobrenatural" tão grande como um prédio de 11 andares

Uma equipa de investigadores capturaram imagens de um organismo "sobrenatural" nas águas da costa da Austrália Ocidental. Uma equipa a bordo de RV Falkor, o navio de investigação principal do Schmidt Ocean Institute, localizou o organismo, …

Há 1.400 anos, uma estranha luz vermelha apareceu no Japão (e já sabemos o que era)

O registo mais antigo de um fenómeno astronómico observado no Japão deixou uma marca importante na história japonesa e na literatura clássica. O fenómeno data de 30 de dezembro de 620 e há séculos que …

Cientistas convertem água em combustível solar

Uma equipa de investigadores britânicos usou uma metodologia única que permite transformar água em combustível solar, que pode ser uma solução para energia renovável. Esta metodologia única utilizada por uma equipa de cientistas da Universidade de …

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …