Choques elétricos e chicotadas: relatório denuncia tortura de mulheres sauditas

Um relatório da Human Rights Watch ​​​​​denuncia que a Arábia Saudita prendeu e torturou ativistas e dissidentes, nomeadamente mulheres que lutam pelos seus direitos.

Segundo o “Relatório Mundial 2019” da organização não governamental Human Rights Watch (HRW), a Arábia Saudita foi alvo de duras críticas em todo o mundo no ano passado após o assassínio do jornalista Jamal Khashoggi dentro do consulado saudita em Istambul, na Turquia, a 2 de outubro.

O país acabou por admitir o assassínio de Khashoggi dentro do consulado e anunciou a prisão de 18 pessoas. No entanto, as declarações pareciam planeadas para proteger o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, de um maior escrutínio sobre o crime, considera a organização.

No início de janeiro, o procurador-geral da Arábia Saudita pediu a pena de morte para cinco dos 11 suspeitos que foram acusados do assassínio de Khashoggi, no início do julgamento dos acusados num tribunal de Riade.

Além disso, as autoridades sauditas intensificaram as suas prisões arbitrárias, julgamentos e condenações de dissidentes e ativistas pacíficos em 2018, incluindo uma coordenação em larga escala da repressão contra o movimento dos direitos das mulheres.

Em junho, conta o Jornal de Notícias, Riade levantou a proibição das mulheres conduzirem automóveis, mas de pouco ou nada adiantou: as autoridades sauditas continuaram a discriminar as mulheres e as minorias religiosas.

A 15 de maio, as autoridades prenderam mulheres ativistas dos direitos humanos e acusaram-nas de vários crimes graves, como traição.

As organizações dos direitos humanos relataram, em novembro, que os interrogadores sauditas torturaram pelo menos quatro destas mulheres, aplicando choques elétricos, chicoteando-as nas coxas, beijos e abraços forçados.

Os procuradores sauditas intensificaram a sua campanha contra os dissidentes em 2018, pedindo a pena de morte para os acusados, apesar de estes terem praticado uma dissidência e um ativismo pacíficos.

 

Além disso, apesar de a Arábia Saudita não ter leis escritas sobre orientação sexual ou identidade de género, os juízes usam princípios da lei islâmica para sancionar pessoas suspeitas de terem relações sexuais fora do casamento, incluindo o adultério e relações homossexuais.

Segundo dados do Ministério do Interior saudita, o país executou 139 pessoas entre janeiro e dezembro de 2018, principalmente por crimes de assassínio e drogas. Em 2018, a coligação liderada pela Arábia Saudita continuou a campanha militar contra os rebeldes Huthi no Iémen, promovendo dezenas de ataques aéreos ilegais, lembra ainda a HRW.

Desde março de 2015, início das operações militares da coligação, a organização documentou cerca de 90 ataques aparentemente ilegais da coligação que atingiram casas, mercados, hospitais, escolas e mesquitas.

Desde agosto do ano passado, pelo menos 6.592 civis foram mortos e 10.471 feridos, embora as vítimas possam alcançar um número maior, de acordo com o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (EACDH).

Segundo a HRW, alguns desses ataques podem ser equiparados a crimes de guerra, sendo que o conflito exacerbou a grave crise humanitária que ocorre no país.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Empresário alemão investigado por suspeitas de orgias com menores em Cascais

O empresário alemão Matthias Schmelz, representante em Portugal dos aspiradores da marca Rainbow, está a ser investigado por suspeitas de lenocínio e pagar por orgias com menores na sua casa na zona de Cascais, avançou …

A nova fábrica da Tesla não vai ser no Reino Unido por causa do Brexit

O presidente executivo da Tesla admitiu que as incertezas à volta do Brexit tiveram peso na decisão de abrir a primeira fábrica da empresa na Europa antes em Berlim. A Tesla anunciou, esta terça-feira, que vai …

Parlamento debate condenação de comunismo e nazismo

O debate sobre a resolução do Parlamento Europeu que condenou o comunismo e o nazismo chega esta sexta-feira à Assembleia da República, em Lisboa. De acordo com o Observador, de um lado, os partidos mais à …

Mexia não vai deixar que chineses interfiram no plano estratégico da EDP

O presidente da EDP, António Mexia, garantiu que não vai deixar que nenhum acionista impeça o desenvolvimento do plano estratégico da empresa, deixando o aviso à China Three Gorges. Em entrevista concedida ao Jornal Económico, António …

Impostos indiretos subiram com Governo de Costa e são já 55% da carga fiscal

Os impostos indiretos têm vindo a aumentar em Portugal. Dados da Direção-Geral do Orçamento mostram que o peso da tributação indireta no total da receita fiscal do subsector Estado, em 2018, ascendeu a 55,4%, o …

Espanha pode ficar isenta de cumprir caudais do rio Tejo por causa da falta de chuva

Os caudais do Tejo podem ficar ainda mais baixos dentro de semanas. Com a falta de chuva, Espanha deverá invocar a exceção prevista na Convenção de Albufeira para não libertar os valores mínimos de água …

Haaland tem cinco "namoradas" e meio mundo atrás dele (mas pode seguir o caminho da Red Bull)

Apesar do interesse de grandes clubes do futebol mundial, Haaland pode seguir o trilho da Red Bull e transferir-se para do Salzburg para o Leipzig. O norueguês é uma das maiores jovens promessas da atualidade. Erling …

PSD pondera propor fim dos debates quinzenais e torná-los mensais

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …