China e EUA reafirmam acordo comercial apesar de tensões suscitadas pela pandemia

Dan Scavino / Wikimedia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com o presidente da China, Xi Jinping

Apesar da pandemia do novo coronavírus, os dois países vão cumprir com as suas respetivas partes do acordo comercial.

Autoridades da China e Estados Unidos reafirmaram a sua adesão ao acordo comercial entre os dois países, dissipando os temores de que a agressiva retórica em torno da pandemia do novo coronavírus pudesse minar as negociações.

“Ambos os lados concordaram que estão a ser alcançados bons progressos na criação de infraestruturas governamentais necessárias para tornar o acordo um sucesso“, disseram, num comunicado conjunto, Robert Lighthizer, representante do Comércio dos EUA, e Steven Mnuchin, secretário do Tesouro.

Os dois dirigentes realizaram na noite de quinta-feira uma videoconferência com Liu He, vice-primeiro-ministro chinês, para abordar a implementação do acordo “Fase Um”.

China e EUA “concordaram que, apesar da pandemia do novo coronavírus, os dois países vão cumprir com as suas respetivas partes do acordo dentro do período determinado”, lê-se na mesma nota.

O ministério chinês do Comércio lembrou que os dois lados concordaram em fortalecer a cooperação em questões macroeconómicas e de saúde pública.

Em comunicado, o ministério acrescentou que as duas maiores economias do mundo devem “esforçar-se para criar uma atmosfera e condições favoráveis para implementação da primeira fase do acordo económico e comercial entre China e EUA”.

As declarações surgem depois de o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter criticado publicamente a forma como Pequim geriu a pandemia, que teve origem em Wuhan, no centro da China.

Trump ameaçou ainda “anular” o acordo comercial, face ao ceticismo quanto à disposição da China de honrar a sua promessa de comprar milhares de milhões de dólares em produtos dos EUA, como forma de equilibrar a balança comercial.

“Agora eles [a China] têm de comprar”, disse Trump, em entrevista à cadeia televisiva Fox News. “Se não comprarem, o acordo perde validade, é muito simples”, ameaçou.

O acordo “Fase Um” determina o início de reformas nas práticas chinesas de transferência de tecnologia e um aumento das importações de produtos agrícolas norte-americanos pela China.

Em troca, os Estados Unidos suspenderam as taxas alfandegárias que deviam ter entrado em vigor, em dezembro passado, e reduziram para metade a taxa de 15%, imposta sobre 110 mil milhões de dólares em bens importados da China.

Trump manteve, no entanto, taxas adicionais de 25% sobre 250 mil milhões de dólares de bens importados da China, dependendo das negociações futuras para um acordo que ponha fim à prolongada guerra comercial entre os dois países.

A Casa Branca e vários membros do Congresso dos EUA, no entanto, estão a estudar medidas punitivas, nomeadamente restrições no investimento chinês nos EUA e um plano de combate à dependência das cadeias de fornecimento chinesas, que pode envolver atribuição de subsídios e benefícios fiscais para empresas que deslocalizem a produção de novo para os EUA ou outros países.

No entanto, a vontade de punir Pequim foi atenuada pela preocupação com o impacto de uma recessão na economia mundial, devido à pandemia de Covid-19.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …