Chernobyl vai ser um local turístico oficial

O presidente ucraniano assinou na quarta-feira, em visita a Chernobyl, um decreto que permite o desenvolvimento do território afetado pelo desastre de 1986.

“O decreto determina o início da transformação da zona de exclusão de Chernobyl num dos pontos de crescimento da nova Ucrânia. Primeiro de tudo, vamos criar um ‘corredor verde’ para os turistas e eliminar assim as transgressões dos curiosos.”

O documento assinado visa o desenvolvimento e adoção da Estratégia de Desenvolvimento de Chernobyl como atração turística. De acordo com a página oficial da Presidência da Ucrânia, o decreto prevê também novas rotas turísticas, incluindo caminhos de água, que serão criados para o efeito, novos pontos atrativos, podendo assim fechar os existentes atualmente para restauração e melhoria de condições.

A maioria das restrições e proibições, como a captura de vídeo, serão removidas. O sinal dos meios de comunicação também será melhorado.

O decreto surge após a série televisiva da HBO, “Chernobyl”, que fez com que as visitas ao local aumentassem significativamente. Volodymyr Zelenskyy afirmou que quer que Chernobyl deixe de ser “uma mancha negativa no nome da Ucrânia” e que este é o “momento para mudar isso”.

De acordo com a CNN, o presidente ucraniano enfatizou o facto de Chernobyl ser um “local único no planeta onde a natureza sobreviveu a um desastre causado pelo homem, onde existe uma autêntica ‘cidade fantasma’. Temos de mostrar este sítio ao mundo: cientistas, ecologistas, historiadores e também turistas”.

Com o documento, o chefe de Estado espera eliminar também a corrupção existente. Os oficiais de segurança do local recebem muitas vezes subornos de turistas para entrarem no local ou para exportarem ilegalmente sucata deixada ao abandono e recursos naturais da zona.

“Vamos parar com isso brevemente. Vamos finalmente tornar a zona de exclusão de Chernobyl num íman turístico e científico. Vamos torná-la numa terra de liberdade que será um dos símbolos da nova Ucrânia. Sem corrupção. Sem proibições desnecessárias.”

Chernobyl tornou-se um dos exemplos mais populares do fenómeno conhecido como dark tourism – um termo para locais associados à morte e ao sofrimento, como os campos de concentração nazis na Europa ou o Memorial e Museu do 11 de setembro em Nova Iorque.

O acidente ocorreu a 26 de abril de 1986, durante um teste da estação que simulava uma falha de energia, resultando num incêndio que durou nove dias. A quantidade de mortes, ainda hoje, é caso de discussão, não havendo um número oficial. A explosão causou 31 mortes diretas, mas expôs milhões de pessoas a níveis de radiação perigosos. Houve 134 mil pessoas hospitalizadas. A catástrofe é considerada a maior de origem nuclear da história.

A Organização das Nações Unidas (ONU) previu até nove mil mortes relacionadas com cancro em 2005 e a Greenpeace estimou até 200 mil mortes.

Apenas cerca de 150 idosos vivem na zona de exclusão. As autoridades dizem que só será seguro para os humanos morarem lá novamente em 24 mil anos, segundo a AFP, embora os turistas possam visitar o local por curtos períodos de tempo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tribunal rejeita providência cautelar requerida pela Ordem dos Enfermeiros contra ministério

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa rejeitou a providência cautelar pedida pela Ordem dos Enfermeiros (OE) contra o Ministério da Saúde no processo de sindicância à OE, anunciou esta segunda-feira o Governo. Em comunicado, o …

Paraísos fiscais. Portugal transferiu 672 milhões em 2018

Os bancos a operar em Portugal transferiram 672 milhões de euros no ano passado para territórios que constavam das listas de offshores problemáticos da União Europeia. Em 2018, os bancos a operar em Portugal transferiram 672 …

Discurso da Rainha. Entre crime, saúde e imigração, o Brexit foi destaque

Várias propostas de lei relacionadas com o Brexit destacam-se no programa do governo britânico para os próximos meses apresentado esta segunda-feira pela rainha Isabel II no parlamento, o qual inclui a implementação de um eventual …

Conservadores polacos vencem legislativas com maioria absoluta

Os conservadores nacionalistas no poder na Polónia venceram as eleições legislativas com 45,16% dos votos, de acordo com os resultados oficiais que se referem à contagem de 82,79% das circunscrições. O partido conservador eurocético Lei e …

Ambulâncias rejeitadas no Hospital de Setúbal por sobrelotação das urgências

Ambulâncias que chegavam ao Hospital de São Bernardo, em Setúbal, durante a tarde de domingo, foram encaminhadas para outros hospitais. As urgências do centro hospitalar estavam sobrelotadas. Entre as 12h e as 16h30 deste domingo, o …

Professores regressam à greve ao trabalho extraordinário

A paralisação poderá comprometer as avaliações intercalares dos alunos, alertam os sindicatos que pedem o cumprimento do horário de 35 horas semanais. A greve dos professores ao trabalho extraordinário regressa esta segunda-feira às escolas, sem data …

Caos na Síria. Bombardeamentos turcos levam à fuga de centenas de militantes do Daesh presos

Cerca de 800 militantes do Daesh fugiram neste domingo da prisão de Ain Issa, de acordo com a administração autónoma curda, que acusa a Turquia de ter dado “cobertura aérea” para que a fuga fosse …

Supremo Tribunal espanhol reativa mandado de detenção europeu contra Puigdemont

Um juiz do Supremo Tribunal de Justiça espanhol, Pablo Llarena, aceitou o pedido do Ministério Público e reativou o mandado de detenção europeu para a extradição de Carles Puigdemont. O ex-Presidente do governo regional da Catalunha …

A partir de agora, os saldos têm mesmo que ser saldos

Já estão em vigor as alterações à lei relativa aos saldos e promoções. As novas normas definem que um produto vendido em saldo ou promoção não pode ter um preço mais alto do que o …

Marcelo Rebelo de Sousa critica "instrumentalização do medo" pelo poder

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje haver demasiados poderes com medo que o medo acabe, considerando a "instrumentalização do medo" para acorrentar os outros como um problema na ordem do dia. “Há …