/

Spot, o cão-robô, visitou Chernobyl (e analisou os seus níveis de radiação)

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Bristol visitou a Central Nuclear de Chernobyl na semana passada para testar Spot, um robô de quatro patas feito pela empresa norte-americana Boston Dynamics.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O Spot é o robô quadrúpede mais conhecido do mundo e tem vindo a trabalhar nos locais mais inesperados: foi “cão-pastor” de rebanhos nas quintas da Nova Zelândia, já ajudou as autoridades de Singapura a patrulhar as ruas durante o isolamento imposto devido à covid-19 e foi recrutado pela Ford para fazer um scan do edifício antes de a empresa proceder ao processo de redesenhar do espaço.

De acordo com a emissora ucraniana Ukrinform, agora, Spot deu um passeio pelas áreas circundantes de Chernobyl e entrou na estrutura do Novo Confinamento Seguro, uma enorme cúpula móvel de aço destinada a manter a radiação perigosa do reator número 4 da central, que foi destruída durante o desastre de 1986.

Spot consegue fazer rondas de inspeção por conta própria e navegar em ambientes hostis, como o local altamente radioativo da antiga central nuclear.

A principal tarefa do robô era analisar os níveis de radiação na área, criando um mapa tridimensional da distribuição.

Durante o mesmo exercício, a equipa da Universidade de Bristol também testou drones, sensores e scanners operados remotamente.

No ano passado, investigadores da Universidade de Bristol visitaram o local para realizar o primeiro levantamento de mapeamento já feito da “Floresta Vermelha”, uma área arborizada de 6,4 quilómetros quadrados em torno da central nuclear de Chernobyl.

O acidente de Chernobyl ocorreu a 26 de abril de 1986, durante um teste da estação que simulava uma falha de energia, resultando num incêndio que durou nove dias. A quantidade de mortes, ainda hoje, é caso de discussão, não havendo um número oficial. A explosão causou 31 mortes diretas, mas expôs milhões de pessoas a níveis de radiação perigosos. Houve 134 mil pessoas hospitalizadas.

A catástrofe é considerada a maior de origem nuclear da história.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.