CGD volta a ter excepção nos cortes salariais

João Carvalho / wikimedia

Edifício-sede da Caixa Geral de Depósitos, CGD

Edifício-sede da Caixa Geral de Depósitos, CGD

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) voltou a proteger os trabalhadores do banco público da dupla penalização nos salários em 2014, tal como fez no ano passado, mas garante que cumpre “integralmente” a redução salarial prevista no Orçamento do Estado.

“A aplicação das medidas de redução da LOE [Lei do Orçamento do Estado de 2014] ‘em cima’ das medidas de efeito equivalente aplicadas pela CGD nos anos anteriores, provocaria uma cumulação de efeitos que penalizaria duplamente os colaboradores da CGD, caso não fosse corrigida, como o foi em 2013”, afirmou à agência Lusa fonte oficial do banco estatal.

Segundo a mesma fonte, “foi este efeito de dupla penalização que se corrigiu com a reversão, assegurando-se assim a efectiva redução salarial imposta pela aplicação da LOE de 2014”.

Na prática, isto significa que, no recibo de vencimento relativo ao mês de Janeiro dos funcionários da CGD (com avaliações positivas e que, em 2010, já pertencessem aos quadros do grupo) existe uma rubrica designada por “redução artigo 33.º da LOE 2014” que implica um corte ao vencimento – entre os 2,5% e os 12% a partir das remunerações mensais acima de 675 euros.

Porém, uma outra rubrica designada por “reversão das medidas de adaptação da LOE 2011” acaba por ‘devolver’ aos trabalhadores uma soma ligeiramente inferior ao valor que lhes é retirado devido ao artigo 33.º da LOE 2014.

“Tal como em 2013, a Caixa [CGD] cumpriu integralmente a redução salarial prevista na Lei de Orçamento do Estado de 2014”, assegurou à Lusa fonte oficial do banco liderado por José de Matos.

Assim, a questão da reversão visa devolver aos trabalhadores da CGD o que já tinham perdido em 2011 e 2012, com os cortes feitos sobre os subsídios de funções, entre outros.

Refira-se que, quer em 2011, quer em 2012, a CGD reclama que conseguiu fazer mais poupança com a massa salarial do que era exigido pelo Estado.

Isto, porque em 2011 e 2012 a lei permitia alterações e a CGD avançou com medidas compensatórias que não eram exactamente iguais às exigidas nos orçamentos do Estado relativos a esses dois anos, tendo reduzido os custos com pessoal em cerca de 8%.

Mas, a partir de 2013, o Ministério das Finanças considerou que não havia lugar a “excepções”, pelo que a CGD teve que aplicar as reduções salariais nos moldes usados na Função Pública.

Já uma fonte do banco, que pediu para não ser identificada, explicou à Lusa que “em 2013 houve, de facto, cortes, tal como há cortes este ano”, porém, existe um mecanismo de “reversão da dupla penalização” que evita que os trabalhadores sejam afectados duplamente pelos cortes salariais.

Contudo, a “reversão não abrange todos os trabalhadores”, acrescentou a mesma fonte, já que, tal como foi acima mencionado, apenas beneficia os colaboradores com avaliações positivas e com contratos sem termo rubricados até 2010.

Além de os trabalhadores que entraram após essa data para os quadros de efectivos do banco, quem também não tem direito a esta “reversão” salarial são os pensionistas da CGD, cujas pensões estão indexadas aos trabalhadores no activo – tal como acontece noutras classes profissionais, como é o caso dos juízes, ainda de acordo com a mesma fonte.

Assim, os pensionistas da CGD não são afectados pela contribuição extraordinária de solidariedade (CES), como os outros reformados, mas estão sujeitos aos cortes que constam no OE2014.

Para além da CGD, também a aplicação dos cortes salariais na TAP esteve em foco no arranque do ano passado e volta a estar agora.

O presidente da TAP, Fernando Pinto afirmou a 17 de Dezembro que não tinha sido “preparado o que tem que ser preparado para ser entregue ao Governo” para um pedido de adaptação aos cortes salariais. Mas deixou uma garantia: “Alguma coisa existirá, sem dúvida”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais de 100 detenções e 1126 pessoas barradas na fronteira

Cento e oito detenções foram feitas nos primeiros 15 dias do estado de emergência devido à covid-19 e mais de mil entradas foram recusadas no país através das fronteiras com Espanha, revelou o ministro da …

Cuidadores informais vão receber apoios a partir de abril (mas estatuto fica suspenso)

Mesmo que os processos de reconhecimento do estatuto fiquem congelados, o Executivo garante que os cuidadores informais vão receber apoios a partir de abril. Os apoios estão garantidos desde dia 1 de abril, mas a pandemia …

UGT quer garantia de pagamento do subsídio de refeição em teletrabalho

A UGT propõe uma alteração legislativa que garanta o pagamento do subsídio de refeição em regime de teletrabalho e pede ao Governo que intervenha já para “pôr cobro imediato às situações injustas” que se estão …

Negócios online. Registo de domínios .pt triplicou desde o início da pandemia

Apesar de o registo de domínios .pt ter triplicado desde o início da pandemia em Portugal, ajudar os pequenos comerciantes tradicionais a usarem o digital ainda é muito importante. Os negócios de origem portuguesa começaram a …

Bolsonaro critica governadores por terem "medinho" do vírus

O presidente brasileiro acusou os governadores de terem medo de serem infetados pelo povo. "Desconheço qualquer hospital que esteja lotado", acrescentou Bolsonaro, após serem informações contrárias. O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, voltou esta quinta-feira a criticar …

Homossexuais, bissexuais e pessoas com tatuagem ou piercing já podem dar sangue nos EUA

Os Estados Unidos (EUA) reviram na quinta-feira as regras que impedem muitos homossexuais de doar sangue, num esforço para combater a grave escassez de doações devido ao surto da Covid-19. Desde 2015, homens que tiveram relações …

Um em cada cinco portugueses circulou nas estradas sem justificação

No passado sábado, um em cada cinco portugueses circulou nas estradas sem justificação. No domingo, o valor caiu para metade, com apenas um em cada dez condutores a fazê-lo. Face à quarentena obrigatória implementada pelo estado …

Morreu Bill Withers, a voz de Ain’t no Sunshine

O músico norte-americano Bill Withers, que escreveu canções soul como “Ain’t no Sunshine” e “Lean on me”, morreu na segunda-feira em Los Angeles (Califórnia), aos 81 anos, de complicações cardíacas, revelou esta sexta-feira a família. Três …

Confinamento leva vítimas de violência doméstica a denunciar agressores por SMS

Situações como o confinamento agora imposto, o desemprego e a incerteza, estão a levar a um aumento da procura de apoio psicológico por parte de mulheres registadas como potenciais vítimas de violência doméstica, sobretudo através …

Presidente da Comissão Europeia acredita que UE vai "sair mais forte da crise"

A União Europeia (UE) sairá "mais forte" da crise da Covid-19, apesar das dúvidas sobre a solidariedade entre Estados-membros, disse esta sexta-feira a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. "Estou convencida que a Europa …