CGD “empurra” reformados para produtos com maior risco

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai deixar de pagar juros nos pequenos depósitos. A decisão afeta em particular os pequenos aforradores e os reformados.

Uma parte dos clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai sofrer um corte drástico nos juros das contas de depósito a prazo. De acordo com o jornal Público, não haverá pagamento de juros sempre que o valor líquido for inferior a um euro, medida aplicada a todos os depositantes em que essa situação se verificar.

Esta decisão afeta, sobretudo, pequenos aforradores e reformados a quem a instituição oferece maior rentabilidade se passarem a integrar as chamadas “contas pacote”, com custos fixos, ou a redirecionar os montantes dos depósitos para fundos de investimentos, planos de poupança reforma ou seguros de capitalização, produtos com maior risco, maior dificuldade de mobilização, e que pagam comissões.

Em causa está o corte de juros em 70%, que abrange os depósitos de taxa fixa Caixapoupança Reformado, Caixapoupança Emigrante e Caixapoupança Superior. Nestes depósitos, os juros pagos semestralmente passam de 0,05% para 0,015% a partir de 1 de agosto.

Em resposta ao diário, a instituição bancária explicou que “a Caixa ajusta a oferta de depósitos regularmente, relativamente a prazos disponíveis, condições de acesso, taxas de juro e moedas”. “A evolução das taxas de juro dos depósitos segue em grande medida a evolução das taxas de mercado e dos custos de funding [financiamento] da Caixa.”

Sem revelar o número de clientes que serão diretamente afetados pelo corte de juros, a CGD adianta que tem taxas de juros um pouco mais atrativas para depósitos mais elevados ou para clientes com maior envolvência com o banco.

“Atualmente, a Caixa oferece um Depósito a 1 ano em euros (Depósito Caixa 1 Ano com TANB-Taxa Anual Nominal Bruta de 0,025% para valores a partir de 10 mil euros) e um Depósito a 3 anos em euros (TANB média de 0,037%) exclusivamente para clientes detentores de uma Conta Caixa (solução multiproduto da Caixa que oferece o acesso a um conjunto de produtos e serviços com vantagens para os clientes) ou de cartão de crédito”, avança a instituição.

A Caixa sustenta ainda que “oferece outros produtos de investimento e poupança, para além de contas a prazo e poupança, nomeadamente Fundos de Investimento e de Pensões, Seguros Financeiros e PPR”.

ZAP //

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

    • fechamos num banco e abrimos noutro. nao vê que em todos os bancos a bitola é igual?
      em todos pagamos comissoes, taxas e taxinhas.
      ate viram uma maneira de lucra com que faz tudo pela mbway (os banco ja viram o furo e começaram a cobrar as transferencias

      obrigam-nos a termos conta bancaria e depois cobram-nos tudo porque queremos mexer no nosso dinheiro
      querem recuperar o dinheiro perdido, mas nao recusaram os premios de cerca 635mil euros. também nao dizem que vao baixar para o ordenado igual ao do 1ºM ou PR

  1. Decisão inaceitável para se pretender reestruturar um banco público à custa de reter esmolas em favor da CGD de quem deposita algumas das suas economias.
    Isto é o contrário de quem pretende aforrar . O desincentivo é tal que muitas destas pessoas irão para outros bancos que lhes deem melhores garantias. A partir do momento em que se vislumbram medidas tão drásticas, além de outras que já foram tomadas como o fecho de agências espalhadas pelo país , qualquer pessoa ,depreende , que as coisas não estão nada bem .
    Qualquer governo que se preza não pode deixar passar medidas que não interessam às pessoas e que fazem que se afastem duma instituição que lhe merecia a maior confiança.

  2. Hoje os Bancos pelos vistos existem para alimentar amigos de “confiança” e os pequenos aforradores para além de terem de alimentar tudo isso ainda correm o risco de ficarem sem as suas escassas economias, vindo este exemplo de um Banco público nada mal para a credibilidade da causa pública.

  3. Depois de mais de trinta anos na CGD, com a escandaleira das custas de manutenção de conta e outras, passei para o Banco CTT e disso passo palavra.

  4. Mas isso é normal deixam de pagar uns juros miseraveis, para darem milhoes a esses bandos de corruptos, de ladroes

  5. Dizem os privativos : Ó morcego manda um torpedo que deite isso tudo abaixo- Estás a fazer bem. É menos um cãocorrente. O Parcos Corvelho agradece-te .
    O Gespar dos opostos também te vai agradecer.A governação apoia-te com unhas e dentes.
    Continua no teu caminho que estás certo.

  6. Se alguém levanta a voz contra atrocidades cometidas pelo gestor é o BE.
    Os trunfos do sujeito é afastar clientes porque lhe vai aos bolsos.
    Já na saúde foi o que foi .
    Quer transformar um banco público em quê? Esta instituição não é menos importante do que outras que estão a ser investigadas.
    Esqueça as ideias retrógradas do antigo que mandava em si.
    Pagam juros miseráveis . O governo recapitaliza com milhões e milhões devido às atrocidades de sucessivas gerências que a degradaram . Dada a situação em que a CGD se encontra não se justifica que os responsáveis sejam pagos com ordenados milionários acrescentando mais uma despesa desnecessária. Este lugar é para ser de concurso e não ocupado por decisão do governo que apenas tem contribuído para a sua possível falência. As consequências de tudo isto são a recapitalização do Estado com o nosso dinheiro, juros miseráveis, fecho de agências que dificultam a vida das pessoas e mais medidas restritivas pensando que são os donos e que tudo é permitido. Não é à custa dos clientes que se vai pôr de pé uma instituição que foi maltratada durante anos .
    Esta situação não melhorou e apela-se ao Governo que as responsabilidades sejam devidamente apuradas e fazer com que estas anomalias sejam regularizadas .

  7. A CGD é um banco público em que os nossos impostos fazem com que essa instituição exista. A sua clientela merece o maior respeito e condições mais favoráveis do que os outros bancos. A CGD tem que ter lucros ,credível e confiante , mas não pode impor medidas restritivas que só sirvam para afastar as pessoas. Com o decorrer dos anos as respetivas gerências foram degradando esta instituição , cujos Governos não apuraram responsabilidades, permitindo que o desenrolar dos maus resultados se desenrolassem de forma silenciosa.
    Mesmo no tempo do Passos a vontade de venda era muita ,mas felizmente não se concretizou.A Fidelidade que fazia parte da CGD não escapou à privatização. Os lucros que revertiam para Portugal vão todos para os estrangeiros.

Apareceu um terceiro monólito metálico. Agora, foi numa montanha da Califórnia

Um monólito metálico, semelhante aos encontrados há pouco tempo no deserto de Utah, nos Estados Unidos, e na cidade romena de Piatra Neamt, surgiu agora no estado norte-americano da Califórnia. A estrutura foi encontra na …

AEK 2 - 4 Braga | “Guerreiros” saqueiam Atenas e apuram-se

O SC de Braga garantiu esta quinta-feira o apuramento para os 16 avos-de-final da Liga Europa. Os minhotos foram à Grécia bater o AEK por 4-2, graças a uma exibição personalizada, num jogo em que …

Ciclone mortal deixou uma praia da Índia coberta de ouro

Centenas de pescadores, mulheres e crianças no distrito de East Godavari, no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, passaram o fim de semana a vasculhar a praia local em busca de ouro. Após o …

O Flamengo de Jorge Jesus foi "um mero acidente de percurso"

2019 foi uma exceção para a equipa brasileira que, depois de ter vencido (quase) tudo, neste ano já foi afastado da Taça do Brasil e da Libertadores: "O português foi embora e com ele toda …

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …

Costa sobre vacinação: “Há uma luz ao fundo do túnel, mas o túnel é muito comprido e penoso”

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta quinta-feira que o processo de vacinação terá imponderabilidades externas a Portugal, sendo também complexo ao nível interno, com as dificuldades a aumentarem quanto maior for o universo de cidadãos …