Central nuclear de Almaraz, colada a Portugal, usa peças de qualidade duvidosa

Frobles / Wikimedia

Central de energia nuclear Almaraz, Cáceres (Espanha)

Central de energia nuclear Almaraz, Cáceres (Espanha)

O Conselho de Segurança Nuclear (CSN) espanhol revelou que a central de Almaraz, colada à fronteira portuguesa, usa peças produzidas numa fábrica com irregularidades nos dossiers de controlo de qualidade, mas garantiu que não constituem motivo para as retirar de funcionamento.

Na resposta enviada à Greenpeace espanhola, três meses depois de ter sido questionado sobre a possibilidade de as centrais nucleares espanholas estarem a funcionar com peças defeituosas, o CSN confirmou as suspeitas da organização ecologista.

Além da central de Almaraz (Cáceres, a 100 quilómetros de Portugal), também a central de Ascó (Tarragona, Catalunha) utiliza nos seus reatores peças produzidas numa forja da fábrica francesa Le Creussot, fornecedora da AREVA, que está envolta num escândalo por produzir peças com problemas desde 1965.

As irregularidades foram detetadas em abril nos dossiers de fabricação da forja usada para produzir os componentes mais tarde usados nos reatores destas duas centrais.

Na prática estas irregularidades consistem “em discrepâncias, modificações ou omissões nos parâmetros de fabricação ou nos resultados dos ensaios obtidos, e que não estavam refletidas nos dossiers de fabricação dessas peças”, indicou o CSN num comunicado divulgado quinta-feira.

Em concreto, as pecas provenientes da forja com irregularidades foram usadas para fabricar os geradores de vapor 2 e 3 da unidade 1 e o gerador de vapor 3 da unidade 2 da central nuclear de Almaraz, bem como os geradores de vapor 1 e 2 da unidade 1 e o gerador de vapor 1 da unidade 2 da central nuclear de Ascó.

Também está em causa o rebordo da tampa do reator da unidade 2 de Almaraz.

Estas peças têm uma composição química (em percentagem dos metais que as compõem) diferente dos vários registos realizados durante o processo de forja.

“Encontraram-se dados diferentes sobre o conteúdo, em percentagem, de elementos como o alumínio e o manganês, nem sempre dentro do intervalo definido na especificação de compra. Ainda assim, os valores registados em todos os casos estavam dentro dos limites especificados no código usado na fabricação (código ASME)”, indicou o CSN.

De acordo com a investigação da CSN, tanto a empresa espanhola Equipos Nucleares – que adquiriu os componentes à forja com irregularidades – como a AREVA – que forneceu os geradores de vapor – como a Westinghouse – que forneceu a tampa do reator nuclear de Almaraz – concluíram (através de testes de metalografia) que estas irregularidades no programa de controlo de qualidade “não têm impacto na integridade estrutural dos componentes mencionados”.

Assim, e “face à informação existente até à data”, a Direção Técnica de Segurança Nuclear “conclui que os componentes afetados são aceitáveis para que continuem a funcionar sem restrições”.

“Sinal claro de fragilidade”

Já a Greenpeace considera que o comunicado do CSN “confirma que as centrais de Almaraz e Ascó operam com peças de qualidade defeituosa”, pelo que “manifesta a sua falta de confiança na Direção Geral de Segurança Nuclear” espanhola.

Segundo Raquel Montón, responsável pela campanha antinuclear da Greenpeace, “a confiança nos padrões de qualidade dos componentes nucleares está quebrada, tal como a da empresa que falsificou os controlos”.

A Greenpeace reitera ainda o apelo para que as autoridades políticas de Espanha não “prolonguem a vida das centrais nucleares” e reforça que se devem manter os mais “apertados controlos de segurança”.

Também a Quercus defende que a revelação feita sobre o uso de peças na central nuclear espanhola de Almaraz é um sinal claro da fragilidade e do perigo da estrutura.

“Este é mais um sinal claro da fragilidade e do potencial perigo da estrutura. Perante os sucessivos problemas técnicos e de segurança detetados, é fundamental que a mesma encerre imediatamente e que sejam tomadas todas as medidas no sentido de colocar em marcha um plano de desmantelamento da estrutura e descontaminação do local”, disse à agência Lusa Nuno Sequeira, da direção nacional da Quercus.

Os ambientalistas fazem eco dos problemas mais recentes noticiados, de que são exemplo as duas avarias nos motores das bombas de água e a falta de garantia de que o sistema de arrefecimento da central de Almaraz pudesse funcionar normalmente.

“É importante recordar que a central de Almaraz tem tido outros incidentes com regularidade, existindo situações em que já foram medidos níveis de radioatividade superiores ao permitido“, sustentam.

“Portugal pode vir a ser afetado”

Adiantam ainda que acidentes como o ocorrido em maio de 2008, que obrigou à evacuação do recinto de contenção e onde foram libertados cerca de 30 mil litros de água radioativa que após tratamento teve que ser libertada no rio Tejo, e dados como os que foram divulgados hoje, apenas reforçam a importância de se proceder ao encerramento imediato desta central.

Portugal pode vir a ser afetado, caso ocorra um acidente grave, quer por contaminação das águas, uma vez que a central se situa numa albufeira afluente do rio Tejo, quer por contaminação atmosférica, pela grande proximidade geográfica existente”, afirma Nuno Sequeira.

O ambientalista realça ainda que “Portugal não revela estar minimamente preparado para lidar com um cenário deste tipo, pelo que a acontecer um acidente grave isso traria certamente sérios impactes imediatos para toda a zona fronteiriça, em especial para os distritos de Castelo Branco e Portalegre“.

Assim, uma vez mais, a Quercus junta a sua voz às diversas associações ecologistas e movimentos espanhóis e portugueses que lutam pelo encerramento da central nuclear de Almaraz.

A associação ambientalista exige ainda que o Governo espanhol cumpra com as suas promessas de abandono gradual da energia nuclear e tome a decisão de encerrar imediatamente esta central.

Espera igualmente que o projeto de resolução sobre Almaraz, aprovado por unanimidade na Assembleia da República portuguesa, leve o Governo português a tomar a iniciativa de, junto das autoridades espanholas, fazer valer os interesses e a salvaguarda dos valores ambientais e de segurança nacionais, exigindo o encerramento imediato da central de Almaraz.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …