Centeno admite nacionalizar o Novo Banco

Paulo Vaz Henriques / Portugal.gov.pt

O ministro das Finanças, Mário Centeno

O ministro das Finanças manifestou a convicção de que a nova administração da Caixa Geral de Depósitos poderá ter luz verde do BCE na próxima semana, numa entrevista em que admitiu a nacionalização do Novo Banco.

Em entrevista ao Diário de Notícias (DN) e à rádio TSF, Mário Centeno assegurou também que não haverá garantias públicas se avançar a venda do Novo Banco.

Quando questionado sobre se “integrar o Novo Banco na esfera pública está fora de questão”, o titular das Finanças respondeu: “Enfim, nada está fora de questão quando se trata de garantir a estabilidade do sistema financeiro”.

“Temos visto, em quase todos os países da Europa – diria até em todos – enormes esforços para garantir essa estabilidade e recorrendo a todas as fórmulas possíveis que existam para que essa estabilidade seja garantida”, salientou.

Centeno lembrou que “o Novo Banco tem um papel também muito importante no sistema bancário português, financeiro, aliás, precisamente por causa do financiamento às pequenas e médias empresas – é um banco absolutamente de charneira, nessa dimensão – e tem de ser tida em conta essa relevância em todas as decisões que forem tomadas”. “Portanto, desse ponto de vista, eu não acho que seja adequado eliminar nenhum tipo de abordagem em relação ao Novo Banco”, concluiu.

Ainda sobre a venda do Novo Banco, assegurou que está fora de causa a atribuição de garantias do Estado e reiterou que não haverá envolvimento de dinheiro dos contribuintes em negócios privados. “Esse é o patamar adicional que nós não estamos dispostos a ultrapassar”, assegurou.

Quando à possibilidade de o Estado dar garantias ao comprador do Novo Banco, o ministro respondeu: “Uma garantia pública nas condições, eu vou dizer, habituais em que o lê a expressão garantia pública, não é uma solução”.

Confrontado com a proposta de um dos concorrentes, o fundo norte-americano Lone Star, de existência de uma garantia pública entre a diferença da avaliação de ativos que está feita no Novo Banco e aquela que eles próprios fazem, Mário Centeno disse desconhecer dos números e criticou as fugas de informação.

“Eu não tenho conhecimento formal nem dos números nem das condições da garantia. Uma garantia de Estado para suportar um negócio privado e que ponha em risco dinheiro dos contribuintes é obviamente algo que nós não estamos a perspetivar neste negócio. Não resisto, até para fazer o contraponto com aquilo que foi o processo negocial durante o verão, a dizer que fragiliza sempre muito as instituições e esses processos negociais a capacidade que existe de a informação que deveria residir dentro do processo negocial vir a público”, indicou.

“Isso é uma crítica ao Banco de Portugal?”, perguntaram logo a seguir os jornalistas, ao que o ministro respondeu: “isto é uma crítica à condução generalizada deste processo e que nós usamos demasiadas vezes em Portugal. Ter um bocadinho de informação em Portugal dá a sensação a quem a tem de um poder que, como é limitado no tempo, tem de ser exercido instantaneamente e isso é uma coisa que prejudica de forma muito, muito clara essas situações”.

Nova administração na próxima semana

Sobre a entrada em funções da nova administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), liderada pelo ex-ministro Paulo Macedo, o ministro das Finanças mostrou-se convicto de que poderá acontecer na próxima semana, embora lembrando que isso não depende exclusivamente do acionista Estado.

“Eu espero ter esse processo concluído nos próximos dias. Por próximos dias eu diria que seria no decorrer da semana que vem, mas também gostava de frisar que é um processo que não depende do governo, não depende do acionista – nem do governo enquanto acionista, nem doutros acionistas”, sublinhou.

Mário Centeno apontou o Banco Central Europeu como fundamental, uma vez que é a instituição que tem de dar luz verde aos nomes da nova administração, mas assegurou que existe pressão do executivo para acelerar o processo.

“Posso, obviamente, confessar-lhes que há uma pressão firme sobre estas instituições, do nosso lado, para que o processo avance e, nesse contexto, veria como expectável que nos próximos dias essa transição possa concluir-se”, acentuou.

O titular da pasta das Finanças recordou que o processo se iniciou “com o acordo de princípio” alcançado com a Comissão Europeia, que classificou como “um acordo de longo alcance muito importante para a Caixa e, por consequência, também para o sistema financeiro”.

“Não foi uma escolha termos de estar, neste momento, a fazer uma transição de Conselhos de Administração. É uma transição que está a ocorrer dentro daquilo que é o comportamento institucional previsto nestas circunstâncias. A Caixa tem uma administração que está a cuidar dos assuntos da CGD, à espera de uma nova administração que está em aprovação, e a sua nomeação pelo BCE e ocorrerá dentro dos próximos dias”, frisou.

“Generalizar os SMS como se fossem facebooks”

Apesar das adversidades, Centeno mostrou-se “muito satisfeito com o resultado” do processo da CGD.

“Porque o que tenho de apresentar aos portugueses são resultados. Nós, quando temos de fazer um processo destes, temos de lidar com muitas instituições, dentro do país e fora do país. A equipa que fez a gestão deste processo foi uma equipa muito coesa, no Ministério das Finanças, em que todos os aspectos políticos e técnicos foram tratados com muita minúcia e muito profissionalismo – com certeza com o Dr. António Domingues também”, declarou.

Mário Centeno disse que António Domingues “pôs várias condições” para assumir a liderança da CGD

“Foi muito claro, para todos, quais eram as condições com que o dr. António Domingues entrava. A legislação que foi passada, a esse propósito, teve como objetivo principal este que eu acabei de dizer – permitir alinhar os incentivos e as remunerações e, no fundo, o estatuto do gestor da Caixa com os do restante setor bancário – e, nesse contexto, da legislação”, adiantou.

Sobre a ideia de que a equipa de Domingues não teria de entregar declarações de rendimentos e património ao Tribunal Constitucional, o titular das Finanças admitiu que “da legislação decorreria isso”.

“Acontece que há entendimentos diversos sobre a legislação e a vida é o que é. E, quando estamos à frente de uma instituição da dimensão da CGD ou de outras entidades que mesmo não sendo públicas ou sendo públicas ou privadas têm uma dimensão muito significativa na vida pública nacional, temos de ser capazes de reagir àquilo que são as interpretações que fazem”, acrescentou.

Na entrevista ao DN e à TSF, Mário Centeno reagiu implicitamente às notícias de terça-feira de que António Domingues o responsabilizara, numa SMS, pelo facto de não haver uma solução jurídica que permitisse continuar à frente da CGD até à entrada de Paulo Macedo.

“O procedimento que foi apresentado ao Dr. António Domingues foi aplicar o procedimento que já no verão tinha sido utilizado com a extensão por um mês do mandato da administração da Caixa Geral de Depósitos naquele momento. Foi exatamente esse o procedimento que foi apresentado, o enquadramento jurídico que está em vigor é conhecido de toda a gente, não havia obviamente nenhuma necessidade de o alterar”, explicitou.

“A decisão foi essa, não houve daí nenhuma perturbação, nem em relação àquilo que estava planeado para a CGD, nem em relação a coisa nenhuma com o Dr. António Domingues e, portanto, esta tentativa de generalizar os SMS como se fossem ‘facebooks’ comigo não funciona”, assinalou de seguida.

Na entrevista, o ministro das Finanças aproveitou para recordar que o crescimento económico em 2016 ficou acima de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) e o défice abaixo de 2,5%, assinalando também que a dívida pública líquida desceu um ponto percentual do PIB no ano passado, mostrando ainda convencido de que Portugal deixará o procedimento por défice excessivo no trimestre que agora começou.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Mais uma negociata para se encobrir os roubos milionários e a corrupção que tá à vista de todos e para se enfiar milhões e milhões de euros do povo para encher os bolsos dos ladrões.
    Muito bem, muda o palhaço mas o circo continua, que lindo! E viva 2017 com mais do mesmo!

  2. Pois não era a solução apontada pela esquerda em 2015 de nacionalizar o Novo Banco? Porque razão andam agora há tanto tempo com negociatas a tentar vendê-lo e pelos vistos cada vez mais com menos interessados e menos valor oferecido? Será que a solução que era boa em 2015 já não presta em 2016/17? Depois restará apenas saber se ficará para dar lucro ou prejuízo!.

  3. Aqui está camaradas a solução para a economia nacional! Nacionalize-se.
    Os portugueses que paguem as dívidas de um banco que vai ser de todos nós!
    O comité central decidiu, está decidido.
    ……
    Os portugueses (e as portuguesas também) que se preparem, a 3.ª república vai fazer 43 anos, em 2017 terão todos de sofrer o “toque rectal”! É para o vosso próprio bem!

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …