E depois de Cristas? CDS atira congresso de sucessão para 2020

Rodrigo Antunes/ Lusa

A presidente do CDS/PP, Assunção Cristas

A direção nacional do partido vai propor que o Congresso, que decidirá a liderança do CDS, seja apenas em janeiro, apesar de Assunção Cristas ter manifestado vontade de que fosse ainda este ano.

O CDS-PP reúne o seu conselho nacional na próxima quinta-feira para agendar o congresso que elegerá o sucessor de Assunção Cristas, que se demitiu após as legislativas. Segundo a Rádio Renascença, a direção nacional vai propor que o Congresso que decidirá a liderança seja apenas em janeiro, apesar de Cristas ter inicialmente manifestado vontade de que fosse ainda este ano, em dezembro.

Ao que tudo indica, será no segundo ou terceiro fim de semana de 2020, o que poderá coincidir com a data das diretas no PSD, se Rui Rio optar por manter o calendário ordinário e não convocar diretas antecipadas.

Onze dias após o descalabro das eleições, há dois potenciais candidatos “em reflexão” – João Almeida, deputado e porta-voz do partido, e Filipe Lobo D’Ávila, um crítico da anterior direção, do grupo “Juntos pelo Futuro” do CDS – e um candidato assumido, Abel Matos Santos, da Tendência em Movimento (TEM).

Na noite de quinta-feira, na sede do CDS, em Lisboa, os conselheiros nacionais vão também fazer uma análise dos resultados eleitorais: um grupo parlamentar reduzido de 18 para cinco deputados, com 4,25% dos votos, quando ainda faltam apurar os círculos da Europa e fora da Europa.

Nas primeiras 24 horas, houve uma definição de potenciais candidatos – Almeida, D’Ávila e Matos Santos – e as quase duas semanas que se seguiram serviram para uma série de dirigentes e ex-ministros se colocarem fora da corrida, a começar por dois ex-ministros, Pedro Mota Soares e António Pires de Lima, o eurodeputado e vice-presidente Nuno Melo, o ex-vice-presidente Adolfo Mesquita Nunes ou o deputado Telmo Correia.

Dirigentes do CDS ouvidos pela Lusa admitiram que o quadro de potenciais candidatos poderá não estar ainda completamente definido, admitindo-se “recentramento” de posições até ao congresso extraordinário pedido pela líder demissionária, Assunção Cristas, na noite eleitoral de 6 de outubro.

À partida, dirigentes e militantes terão ainda algum tempo para o debate interno. Dado que a reunião magna dos centristas poderá realizar-se em janeiro do próximo ano (como avança a Renascença), ou em meados de dezembro.

Os estatutos do partido, no seu artigo 53.º, estabelecem que em caso de eleições antecipadas por um período superior a um mês, o que é o caso, elas não podem ser marcadas com “uma antecedência inferior a 45 dias”, ou seja, um mês e meio de antecedência.

Este prazo de um mês e meio, a partir da data do conselho nacional, pode já coincidir com o mês de dezembro, o que leva dirigentes do partido, ouvidos pela Lusa, a admitir que o 28.º congresso se realize em meados de dezembro ou nos primeiros dias de janeiro, para evitar a época de natal e do ano novo.

Logo na noite das legislativas de 6 de outubro, dia em que o CDS se viu reduzido a 4,25% e a bancada passou de 18 a cinco deputados, Cristas assumiu a derrota e anunciou a saída da liderança.

Este foi o pior resultado eleitoral do CDS desde 1991, quando obteve 4,4% e cinco deputados, era Diogo Freitas do Amaral presidente do partido, mais um do que nas eleições de 1987, em que teve quatro deputados e ficou conhecido pelo “partido do táxi”.

Nem uma hora depois, Abel Matos Santos, da Tendência em Movimento (TEM), anunciou que era candidato, e nas 24 horas seguintes foram mais dois dirigentes a dizer que estão “em reflexão”.

Primeiro, Filipe Lobo d´Ávila, do “Juntos pelo Futuro” do CDS, no domingo à noite, no Facebook, afirmou-se em “estado de choque” com o resultado e no dia seguinte, na segunda-feira, assumiu estar em reflexão e não exclui qualquer cenário, incluindo uma candidatura à liderança.

“Todos somos poucos para mudar a situação. É evidente que não excluo nenhum cenário. Estou num momento de ponderação, de reflexão. Este é um resultado forte e chocante para quem gosta do CDS e temos que, com calma, sem pressas, tentar encontrar uma solução que permita uma união no CDS”, afirmou à Lusa.

Depois, também no Facebook, mas horas mais tarde, na madrugada de segunda-feira, João Almeida, deputado, ex-líder da JP e porta-voz do partido durante a liderança de Cristas, admitiu que o CDS teve uma “derrota estrondosa” e, horas depois, admitiu também o cenário de concorrer à liderança no congresso.

João Almeida afirmou que o resultado das eleições “obriga a repensar a estratégia” e fazer uma “reflexão profunda sobre o futuro” do partido, admitindo ainda que “não estava” e “nem está” nos seus planos concorrer à liderança.

Sem dizer se é candidato a candidato, Francisco Rodrigues dos Santos, presidente da JP, também usou o Facebook para reconhecer que o partido sofreu uma “pesada derrota” nas legislativas de domingo e apontou como solução de futuro a “grande casa das direitas”.

Um dos debates prévios sobre o futuro presidente do partido é saber se deve, ou não, ser deputado, dado que o hemiciclo dá um “palco” ao líder, por exemplo, para os duelos parlamentares com o primeiro-ministro, nos debates quinzenais, na Assembleia da República.

Olhando a história, o CDS já teve as várias modalidades: Manuel Monteiro, Paulo Portas e Ribeiro e Castro, por exemplo, foram líderes sem estar no hemiciclo de São Bento.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Os polegares dos neandertais adaptaram-se a ferramentas com pega

Os polegares dos neandertais adaptaram-se para segurar melhor ferramentas com pega, da mesma forma como utilizamos atualmente um martelo, revela uma nova investigação da Universidade de Kent, no Reino Unido. A mesma investigação sugere ainda …

Sporting 2-1 Moreirense | JackPote rende pontos ao “leão”

O “Leão” soma e segue na liderança do campeonato, depois de vencer o Moreirense por 2-1, graças a um bis Pedro Gonçalves. Neste sábado, na recepção ao Moreirense, num embate relativo à oitava jornada, sofreu, mas conseguiu …

Raro crustáceo parasita descoberto na boca de um tubarão em exibição num museu

Uma equipa de cientistas descobriu uma espécie extremamente rara de Cymothoidae na boca de um espécime de tubarão capturado no Mar da China Oriental e agora em exibição num museu. Os Cymothoidae são uma família de isópodes …

Série da Netflix faz disparar venda de jogos de xadrez nos Estados Unidos

A série "The Queen’s Gambit", da plataforma de streaming Netflix, que retrata a ascensão de uma jovem jogadora de xadrez na década de 1950, fez disparar as vendas deste jogo de tabuleiro nos Estados Unidos. …

Novo comité central do PCP eleito com 98,5%

O novo comité central do PCP foi este domingo eleito no XXI congresso nacional dos comunistas, em Loures, com 98,5% dos votos. Dos 611 delegados, 602 votaram a favor, seis abstiveram-se e três votaram contra na …

Elefante salvo de um poço profundo na Índia. Resgate durou 14 horas

Uma equipa de 50 pessoas ajudou a salvar um elefante que tinha caído num poço profundo em Dharmapuri, no sul da Índia. Moradores locais atiraram folhas de bananeira para o animal comer antes de ser …

Santa Clara 0-1 Porto | Magia de Díaz resolve jogo pobre

Missão cumprida. O Porto viajou até aos Açores para defrontar o Santa Clara e leva na bagagem os três pontos. Mas não o conseguiu com brilhantismo, longe disso. A eficácia foi a palavra de ordem, num …

Raro pinguim totalmente branco encontrado nas Ilhas Galápagos

Um raro pinguim com o corpo totalmente "pintado" de branco foi encontrado no arquipélago das Galápagos, no Equador. Em comunicado, o Parque Nacional das Galápagos detalha que o raro espécime foi encontrado enquanto um guia fazia …

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. Há uma razão

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. As cidades populosas, as vias não adaptadas, as poucas escolas de treino e a própria população são entraves à existência destes companheiros (e verdadeiros …

Governo das Ilhas Salomão quer banir o Facebook para preservar a União Nacional

O Governo das lhas Salomão quer banir temporariamente a rede social Facebook numa tentativa de combater o cyberbullying e a difamação, alegando que a plataforma está a "minar" a União Nacional. A decisão, que já …