Legislativas 2019: Assunção Cristas deixa liderança do CDS

Estela Silva / Lusa

Assunção Cristas, líder do CDS, reconheceu a derrota do partido nas eleições legislativas deste domingo, anunciando a realização de um congresso extraordinário para escolher uma nova liderança, frisando que não se recandidata.

Foi a primeira líder dos grandes partidos a eleições que falou à comunicação social, depois do fecho das urnas, e foi para reconhecer a derrota histórica do CDS. As projecções apontam o CDS como um dos grandes derrotados das legislativas, com uma votação entre 3% a 5%. Na pior das hipóteses, pode ficar com apenas 2 deputados no Parlamento. Em 2015, o CDS conseguiu eleger 17 deputados.

Perante este resultado, Assunção Cristas anunciou que vai convocar o Conselho Nacional do CDS para a realização de um congresso extraordinário para eleição de um novo líder para o partido. Certo é que Assunção Cristas não se recandidata ao cargo, como garantiu.

“Dei o meu melhor. Decidi não me recandidatar”, frisou Assunção Cristas numa curta declaração aos jornalistas na sede nacional do CDS, em Lisboa.

“Durante quatro anos, o CDS foi uma oposição forte e construtiva, muitas vezes sentimos que fomos uma voz isolada no Parlamento”, apontou ainda Cristas numa farpa ao PSD.

Filipe Lobo d’Ávila em “estado de choque”

Filipe Lobo d’Ávila, do grupo “Juntos pelo Futuro” do CDS, afirmou-se hoje “em estado de choque” com os resultados do partido nas legislativas, acrescenta estar “consciente das responsabilidades”, mas não esclarece se poderá candidatar-se no próximo congresso.

“Em estado de choque num dos dias mais tristes da minha vida política no CDS mas consciente das responsabilidades que um resultado destes tem para todos nós no CDS. Sempre CDS. Nos bons e nos maus momentos”, escreveu Lobo d’Ávila na sua conta do Facebook.

Lobo d’Ávila, ex-deputado e membro do conselho nacional do CDS, só deverá fazer novas declarações nos próximos dias, disseram à Lusa fontes partidárias.

Matos Santos candidata-se à liderança

Abel Matos Santos, porta-voz da Tendência Esperança em Movimento-CDS (TEM-CDS), saudou hoje a demissão de Assunção Cristas da presidência do partido, e vai candidatar-se à liderança no próximo congresso.

Em declarações à Lusa, Matos Santos afirmou que será candidato porque este não é “tempo de estratégias ou táticas”, mas de assumir as “responsabilidades” e vai apresentar uma moção e uma candidatura no congresso nacional, que será antecipado, por proposta da líder, Assunção Cristas.

É preciso o partido assumir as suas ideias com clareza, assumir-se como partido de direita democrática e deixar o politicamente correto”, disse. Em comunicado, a TEM assinalou que o CDS “teve um mau resultado, um dos piores de sempre da sua história, e com isso o espaço socialista e de esquerda mantém a governação”.

A tendência afirma ainda congratular-se “com a decisão da presidente do CDS de convocar um conselho nacional para a marcação do congresso”, que espera realizar-se “no mais curto espaço de tempo”.

Susana Valente SV, ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Não disse antes , que esta Sra e o seu partideco iriam apanhar um banho de água gelada !!!!!!………. Não era preciso ser vidente para adivinhar tal derrota. A hipocrisia paga-se caro !

RESPONDER

Chega propõe até 12 anos de prisão para violadores e castração química dos reincidentes

Esta segunda-feira, André Ventura, deputado único do Chega, entregou no Parlamento um projeto de lei que altera o Código Penal e endurece as penas pelo crime de violação. O deputado único do Chega, André Ventura, entregou …

Tribunal de Contas continua a encontrar lacunas na informação sobre custo das medidas de resposta à pandemia

No seu segundo relatório sobre a execução orçamental das medidas de resposta à covid-19, que cobre o período até 30 de setembro, o Tribunal de Contas vê melhorias no reporte de informação face ao que …

Biden propõe ajuda financeira para as famílias separadas na fronteira com o México

Os EUA poderão vir a pagar transportes, cuidados de saúde, serviços jurídicos e serviços de emprego e de educação aos migrantes que foram separados ao abrigo da estratégia de “tolerância zero” nas fronteiras, disse o …

2 de março de 2020. Confinamentos, recordes, três vagas e um "milagre" depois

O primeiro caso de covid-19 em Portugal foi registado há precisamente um ano. 365 dias depois, o medo esfumou-se, mas a incerteza permanece. A 2 de março de 2020 foram confirmados em Portugal os primeiros casos …

Ex-presidente do Peru forçou esterilizações ilegais para reduzir pobreza no país

O ex-Presidente peruano Alberto Fujimori e os seus ministros da Saúde Eduard Yong, Marino Costa e Alejandro Aguinaga foram acusados esta segunda-feira em tribunal de terem utilizado e forçado a esterilização de mulheres andinas para …

Há um mistério geológico na Sibéria a intrigar os cientistas da NASA

Umas ondulações visíveis na superfície de uma região siberiana próxima ao rio Markha, na Rússia, estão a intrigar os investigadores da NASA. Cientistas da NASA publicaram recentemente um conjunto de imagens no portal Earth Observatory de …

ONU revela provas de envolvimento do Governo russo no envenenamento de Navalny

Especialistas da ONU que investigaram o envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, disseram esta segunda-feira que as provas apontam para um "provável envolvimento" de altos funcionários do Estado russo. As duas investigadoras, que durante …

Saída de Costa e regresso de Passos Coelho "pode mudar de alto a baixo a trajetória da vida política"

Luís Marques Mendes e António Costa Pinto debateram a política nacional pós-pandemia. Convergiram na convicção de que a legislatura chegará ao fim, em 2023, mas uma saída de cena de Costa e um regresso de …

"O próximo Bruno Fernandes?". Pedro Gonçalves em destaque na BBC

"Terá o Sporting encontrado o novo Bruno Fernandes?", pergunta a BBC num artigo em que destaca o papel de Pedro Gonçalves na transformação do Sporting num candidato ao título. As exibições de Pedro Gonçalves não têm …

Tortura e prisões arbitrárias após o 25 de Abril. Marcelo retirou selo de "secreto" ao Relatório das Sevícias

A Presidência da República retirou a classificação de "secreto" ao chamado "Relatório das Sevícias" que analisou os acontecimentos entre o 25 de Abril de 1974 e o 25 de Novembro de 1975, concluindo que houve …