/

Legislativas 2019: Assunção Cristas deixa liderança do CDS

2

Estela Silva / Lusa

Assunção Cristas, líder do CDS, reconheceu a derrota do partido nas eleições legislativas deste domingo, anunciando a realização de um congresso extraordinário para escolher uma nova liderança, frisando que não se recandidata.

Foi a primeira líder dos grandes partidos a eleições que falou à comunicação social, depois do fecho das urnas, e foi para reconhecer a derrota histórica do CDS. As projecções apontam o CDS como um dos grandes derrotados das legislativas, com uma votação entre 3% a 5%. Na pior das hipóteses, pode ficar com apenas 2 deputados no Parlamento. Em 2015, o CDS conseguiu eleger 17 deputados.

Perante este resultado, Assunção Cristas anunciou que vai convocar o Conselho Nacional do CDS para a realização de um congresso extraordinário para eleição de um novo líder para o partido. Certo é que Assunção Cristas não se recandidata ao cargo, como garantiu.

“Dei o meu melhor. Decidi não me recandidatar”, frisou Assunção Cristas numa curta declaração aos jornalistas na sede nacional do CDS, em Lisboa.

“Durante quatro anos, o CDS foi uma oposição forte e construtiva, muitas vezes sentimos que fomos uma voz isolada no Parlamento”, apontou ainda Cristas numa farpa ao PSD.

Filipe Lobo d’Ávila em “estado de choque”

Filipe Lobo d’Ávila, do grupo “Juntos pelo Futuro” do CDS, afirmou-se hoje “em estado de choque” com os resultados do partido nas legislativas, acrescenta estar “consciente das responsabilidades”, mas não esclarece se poderá candidatar-se no próximo congresso.

“Em estado de choque num dos dias mais tristes da minha vida política no CDS mas consciente das responsabilidades que um resultado destes tem para todos nós no CDS. Sempre CDS. Nos bons e nos maus momentos”, escreveu Lobo d’Ávila na sua conta do Facebook.

Lobo d’Ávila, ex-deputado e membro do conselho nacional do CDS, só deverá fazer novas declarações nos próximos dias, disseram à Lusa fontes partidárias.

Matos Santos candidata-se à liderança

Abel Matos Santos, porta-voz da Tendência Esperança em Movimento-CDS (TEM-CDS), saudou hoje a demissão de Assunção Cristas da presidência do partido, e vai candidatar-se à liderança no próximo congresso.

Em declarações à Lusa, Matos Santos afirmou que será candidato porque este não é “tempo de estratégias ou táticas”, mas de assumir as “responsabilidades” e vai apresentar uma moção e uma candidatura no congresso nacional, que será antecipado, por proposta da líder, Assunção Cristas.

É preciso o partido assumir as suas ideias com clareza, assumir-se como partido de direita democrática e deixar o politicamente correto”, disse. Em comunicado, a TEM assinalou que o CDS “teve um mau resultado, um dos piores de sempre da sua história, e com isso o espaço socialista e de esquerda mantém a governação”.

A tendência afirma ainda congratular-se “com a decisão da presidente do CDS de convocar um conselho nacional para a marcação do congresso”, que espera realizar-se “no mais curto espaço de tempo”.

  SV, ZAP // Lusa

2 Comments

  1. Não disse antes , que esta Sra e o seu partideco iriam apanhar um banho de água gelada !!!!!!………. Não era preciso ser vidente para adivinhar tal derrota. A hipocrisia paga-se caro !

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.