CDS quer que alunos que ficam de fora nas universidades públicas possam pagar para entrar

António Cotrim / Lusa

O CDS-PP quer que os alunos que ficam de fora dos concursos das universidades públicas possam pagar para entrar nos estabelecimentos de ensino, à semelhança do que acontece já com estudantes estrangeiros, escreve o jornal Público.

Esta é mais uma das propostas do partido para as eleições legislativas de outubro, apresentada pela líder centrista, Assunção Cristas, esta terça-feira.

Na prática, o CDS-PP quer que as vagas criadas pelas universidades públicas que não são incluídas na lista do numerus clausus, e que são depois ocupadas por alunos estrangeiros que pagam o curso, possam ser ocupadas por alunos portugueses que ficaram de fora do ensino superior no concurso nacional de acesso.

Tal como recorda o diário, o numerus clausus corresponde ao número de vagas disponíveis no concurso nacional de acesso ao ensino superior, sendo estabelecido para cada curso e instituição consoante o número de vagas que o Estado aceita financiar e para as quais define também a propina máxima a pagar pelos alunos que entram pelo concurso.

Contudo, as próprias universidade podem, se tiverem essa capacidade, abrir mais vagas para além do valor definido no numerus clausus para os mesmos cursos. Estas vagas servem para receber alunos estrangeiros que pagam os seus estudos a preços de mercado. Desta forma, as instituições conseguem fontes de financiamento e ganham ainda notoriedade a nível internacional.

E é exatamente nestas vagas criadas paralelamente ao numerus clausus que o CDS-PP quer permitir que os alunos portugueses que não tenham entrado através do concurso nacional de acesso possam vir a aceder.

No entender do partido, não faz “nenhum” sentido que os alunos vindos de fora da União Europeia possam entrar nas universidades portuguesas em vagas criadas para esse efeito e que os alunos portugueses não o possam fazer, mesmo pagando para esse efeito.

“Não faz qualquer sentido que uma família portuguesa, cujo filho não se classificou para entrada no curso ou na escola da sua preferência, dado o numerus clausus, não possa escolher aceder a essa vaga pagando o seu custo real, tal como pode escolher uma universidade privada ou uma universidade estrangeira”, diz o CDS-PP, citado pelo diário.

“Ou seja, os alunos que ficaram de fora podem, se quiserem, entrar pela sua ordem de classificação, pagando os preços de mercado”, em vez de recorrerem ao ensino privado ou optarem por irem para o estrangeiro ou terem de esperar pelo concurso nacional de acesso ao Ensino Superior do ano seguinte.

A medida não prejudicará o Ensino Superior privado, servindo antes para a aumentar a concorrência entre as universidades, segundo explicou o CDS-PP. “Quanto maior a concorrência, melhor será o ensino”.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. O CDS quer lol
    Se quer, se tem esse desejo, então que avance com uma iniciativa parlamentar e leve a votação dos deputados! Tal como milhares de votações que são feitas todos os anos na assembleia da republica!
    Isto é noticia?

  2. Mais que justo principalmente para os que não sabem valorizar o preço que se paga para não estarem inseridos no rol da classificação de burros, o pior muitos já exibindo canudos universitários comprados é obvio, sem porém saber, onde enfiá-los.

  3. Ahhhh, já percebi. É mais ou menos assim. O filho do pobre tem de ser inteligente e estudar. O filho do rico até pode ser um grande burro e andar sempre na borga mas entrará de qualquer forma.
    Ó Cristas e que tal esta ideia que agora me surgiu: e porque não permitir aos alunos que chumbem na universidade e que nunca mais consigam terminar os cursos, que possam pagar para ficarem licenciados? E preferencialmente a um qualquer domingo?

    Parece-me uma boa ideia.
    Com franqueza. Já votei por diversas vezes entre PSD e CDS mas neste momento vou votar em quem? Alguém que me ajude!

  4. o que esta não faz por dinheiro, em público. como não será em privado, deve ser o bom e o bonito, haja graveto que ela faz tudo.

RESPONDER

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …

Segunda vaga impede mais de 12 milhões de consultas e cirurgias

O cenário de uma segunda vaga em Portugal é bastante provável e prevê-se que mais de 12 milhões de consultas e cirurgias fiquem por fazer. No melhor dos cenários, serão 10 milhões. Um estudo da Associação …

EUA pressionam Portugal: "Tem de escolher agora entre os aliados e os chineses"

O embaixador norte-americano em Lisboa defende que Portugal tem de escolher entre os “amigos e aliados” EUA e o “parceiro económico” China, alertando que escolher a China em questões como o 5G pode ter consequências …