Para evitar uma “crise política”, Cavaco foi “intermediário” entre Sócrates e Passos

José Sena Goulão / Lusa

O Presidente da República, Cavaco Silva, acompanhado pelo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho

O ex-Presidente da República Cavaco Silva afirma ter aceitado desempenhar o “papel de intermediário” entre José Sócrates e Passos Coelho, aquando na negociação com a Troika, em 2011, para “evitar uma crise política”.

“Dada a má relação pessoal entre o presidente do PSD Pedro Passos Coelho e o primeiro-ministro José Sócrates, aceitei desempenhar o papel de intermediário entre os dois líderes políticos, de modo a evitar uma crise política que teria graves consequências económicas e financeiras para o País”, escreve Aníbal Cavaco Silva no prefácio de um livro autobiográfico de Eduardo Catroga, editado pela Bertrand, que é lançado esta quarta-feira em Lisboa.

O ex-chefe de Estado não poupa elogios ao seu antigo ministro das Finanças no decorrer de um texto em que revela que Catroga o manteve “regularmente informado” das negociações entre o Governo de José Sócrates, uma delegação do PSD e a Troika com vista a fechar o Programa de Assistência Económica e Financeira em abril e maio de 2011.

“As negociações prolongaram-se por uma semana e passaram por fases de impasse e de rutura. Eduardo Catroga, apoiado por Carlos Moedas, apresentou-se muito bem preparado, dominando ao pormenor as questões orçamentais, e revelou-se um negociador político hábil, mantendo-me regularmente informado do curso das negociações”, escreve.

Cavaco refere que Catroga lhe enviou “cópias das quatro cartas que escreveu ao ministro responsável pelos contactos com os partidos, Pedro Silva Pereira, e delas deu conhecimento à Troika, composta pelos representantes da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional.

“As desconfianças por ele manifestadas sobre a verdadeira situação das finanças públicas vieram a confirmar-se”, comenta logo a seguir.

Catroga rejeitou Governo de Nobre da Costa

Outra das revelações no prefácio do livro do seu amigo “de longa data” – “Gestão, Política e Economia – Vivências e Reflexões” – foi que Catroga rejeitou integrar o Governo de Nobre da Costa, em 1978, (de iniciativa presidencial de Ramalho Eanes).

E “o mesmo terá acontecido com Pedro Santana Lopes, na sua tentativa para que Catroga integrasse o Governo a que presidiu na sequência da nomeação de José Manuel Durão Barroso para presidente da Comissão Europeia, e com Pedro Passos Coelho, para que ocupasse a pasta da Economia do Governo de coligação PSD-CDS”, sublinha.

“Eu próprio, como primeiro-ministro, falhei na tentativa de o trazer em 1990 para o Governo, mas tive sucesso mais tarde, em finais de 1993”, assinala. Nessa data, acabou por conseguir após uma “ampla remodelação” do executivo.

“Registo com satisfação o facto de ter sido o único primeiro-ministro a convencer aquele que era visto como um dos melhores gestores portugueses a aceitar integrar um Governo”, escreve Cavaco Silva.

“Presumo que foram decisivas três razões: o peso na consciência por já ter rejeitado vários convites para servir o País como membro do Governo; ter acumulado uma folga financeira mais do que suficiente para acomodar os prejuízos que um cargo ministerial no seu caso implicava; e ter-lhe oferecido uma pasta ministerial bastante aliciante, as Finanças, a mesma com que Sá carneiro, em dezembro de 1979, vencera a minha resistência a integrar o Governo da Aliança Democrática (AD)”, frisa.

Cavaco Silva salienta que a nomeação de Catroga para ministro das Finanças “apanhou o mundo político e mediático de surpresa”. “Não era conhecido como especialista de macroeconomia e, apesar da sua reputação como gestor, era um desconhecido nos meios político-partidários”, indica, classificando o seu amigo como “um dos melhores gestores empresariais do Portugal democrático”.

Atendendo à crise económica de 1992 e início de 1993, Catroga era “a pessoa certa à frente do Ministério das Finanças para promover a criação de condições para a recuperação sustentada da economia portuguesa e marcar um novo ciclo de crescimento e progresso, como aliás, se veio a confirmar”.

E Eduardo Catroga “geriu bem as expectativas, restituiu a confiança aos agentes económicos, e a retoma da economia portuguesa processou-se segundo um padrão saudável, liderada pelas exportações, a que se seguiram o investimento e, finalmente, a expansão do consumo”.

“Dos quatro ministros que ocuparam a pasta das Finanças durante os meus dez anos como primeiro-ministro, Eduardo Catroga foi aquele que, pela sua jovialidade, permanente boa disposição, talento de explicação e persistência, se revelou mais eficaz na aplicação do método da ‘autoridade soft’ nas relações orçamentais com os outros ministros”, acentua.

Cavaco assinala que, “ao encerrar o mandato como primeiro-ministro, em 1995, Portugal apresentava índices de saúde económica e financeira e estava na trajetória certa para alcançar o grande objetivo, que tinha sido fixado no final da década de 1980, de integrar o grupo dos países fundadores da Zona Euro”

E Eduardo Catroga foi um dos ministros a aplicar “uma parte significativa de uma das reformas estruturais de dimensão histórica levadas a cabo pelos governos a que presidi: reduzir o grau de estatização da economia portuguesa”.

“Eduardo Catroga não se ficou pela defesa convicta e fundamentada do legado herdado pelo Governo de António Guterres. Empenhou-se também em demonstrar os erros de política económica cometidos pelo ministro Sousa Franco”, escreve o ex-Presidente.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Director nacional da PJ defende "recompensa garantida" para Rui Pinto

O director nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, realça a colaboração de Rui Pinto como tendo sido essencial para apurar a "verdade material" no caso de pirataria informática que o envolve e defende, por …

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …