Cataterismo em bebé realizado pela primeira vez em Portugal

O Hospital de Santa Marta, em Lisboa, realizou pela primeira vez em Portugal um tratamento por cateterismo para salvar um bebé de sete meses que sofria de taquicardia resistente aos medicamentos, que o levava a internamentos constantes.

O procedimento foi realizado no final de outubro no laboratório de aritmologia, pela equipa do Serviço de Cardiologia Pediátrica do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa (CHULC), e desde então o bebé não teve mais nenhum episódio de taquicardia.

A técnica é utilizada rotineiramente para tratamento de arritmias em idade pediátrica, mas em crianças com idades a partir dos 8, 10 anos, dependendo do seu desenvolvimento. Esta foi a primeira vez que se realizou num bebé em Portugal, referem os cardiologistas.

O bebé, com sete quilos, já tinha sido submetido a duas cirurgias por uma malformação congénita do coração e tinha taquicardia resistente a todos os medicamentos, estando muitas vezes internado, uma situação que levou os médicos a decidir realizar o tratamento invasivo por cateterismo, utilizando a ablação das vias anómalas.

“São materiais que são feitos especialmente a pensarem em adultos e têm um tamanho grande e em crianças, principalmente mais pequenas, são muito poucos os sítios no mundo que fazem estes tratamentos. Preferem sempre tratar os doentes com medicação, tentar estabilizar e deixar crescer”, explicou o cardiologista pediátrico que realizou o procedimento, Sérgio Laranjo.

Para o cardiologista, o desafio foi eminentemente técnico: “O tamanho do coração do bebé é tão pequeno que manipular estes materiais dentro do coração, localizá-los e depois fazer um procedimento com segurança é algo que exige muito esforço e muito treino”.

No caso deste bebé, ainda era “mais complexo” porque tinha problemas na estrutura do coração, já operado, e o acesso que tinham para chegar ao coração era uma veia no pescoço. “Os elétrodos quase ocupavam o volume disponível dentro do coração” e encontrar ali “algo milimétrico” é muito difícil.

A diretora do Serviço de Cardiologia Pediátrica do CHULC, Fátima Pinto, contou que já tinham realizado este procedimento a crianças com 10, 15 quilos, mas com este peso e esta idade foi o primeiro caso em Portugal.

Quando há capacidade de tratamento com um método invasivo versus um que não é invasivo os médicos pesam os riscos e os benefícios para o doente: “Se o bebé é muito pequenino e nós conseguimos dar medicação que permita que esteja estável e que cresça até ter maior segurança no tratamento, encantado da vida, fazemos isso”, mas há alguns doentes, como é o caso deste bebé, que “compensa o risco, que é acrescido, de fazer este procedimento”, disse Fátima Pinto.

“Fomos muito atrevidos” ao usar “num coração pequenino e em veias pequeninas” o material que existe disponível para tratamento e fazê-lo com segurança e sem causar dano ao doente, considerou. A vantagem é que a criança fica curada.

No caso deste bebé, se não fosse feita esta intervenção teria “um risco grave de entrar em insuficiência cardíaca ou mesmo morrer“, considerou Sérgio Laranjo. Para Fátima Pinto, este passo abre o caminho para fazer mais e “ao fazer-se mais promove-se uma redução da morbilidade e dos internamentos nestas crianças”.

No fundo, é baixar a idade e o tamanho da criança e em “segurança e com confiança” avançar para este procedimento, não necessariamente no primeiro ano de vida, mas eventualmente numa idade mais jovem – 5, 6 anos -, em vez de serem tratados quando são adolescentes e andarem 10 anos a fazer medicamento, ir a 50 consultas, fazer 200 exames e cinco ou seis internamentos, acrescentou Sérgio Laranjo.

Sobre a reação dos pais, o médico contou que estavam apreensivos, mas foi-lhes explicado todos os potenciais riscos e benefícios. “Os pais já estavam há algum tempo internados para acompanhar o bebé e estavam a experienciar e a perceber a dificuldade que estávamos a ter” e o que queriam era que o bebé não fosse colocado “em maior risco do que já estava” e no final ficaram francamente satisfeitos. Na última consulta, “a mãe estava felicíssima”, contou Sério Laranjo.

“Isto é a prova que apesar da covid-19 ainda há hospitais que estão a fazer inovação, técnicas novas, a promover os melhores cuidados aos doentes”, rematou Fátima Pinto.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …

Barcelona: Cruyff afasta-se e perder com o Benfica seria "um drama"

Ronald Koeman até poderá sair mas não será Jordi Cruyff a substituir o seu compatriota. O Barcelona atravessa uma fase perturbada, já há algum tempo, mas o panorama financeiro piorou o cenário fora de campo e …

Casa Branca oferece "telefonema educativo" a Nicki Minaj para acalmar apreensões sobre a vacina

Depois de um tweet de Nicki Minaj se ter tornado viral por associar a vacina contra a covid-19 à impotência, a Casa Branca convidou a rapper para um telefonema com especialistas para esclarecerem as suas …

Baterias de lítio-enxofre melhores e mais baratas? O segredo é uma pitada de açúcar

Uma colher cheia de açúcar pode ser o suficiente para permitir que um veículo elétrico faça uma viagem de Melbourne a Sidney (878 km) com uma única carga. Atualmente, os automóveis elétricos e os telemóveis utilizam …

Parlamento aprova na generalidade mudança do TC para Coimbra. Oito socialistas votaram a favor

A proposta passou com votos contra do Chega e PAN, abstenção do PCP, BE, PEV e maioria da bancada do PS e votos favoráveis do PSD, CDS, IL e de oito deputados socialistas. O resultado já …

Escola da Amadora queria proibir minissaias, decotes e chinelos - mas já voltou atrás

Um Agrupamento na Amadora publicou um código de vestuário que acendeu um debate nas redes sociais devido às regras que controlavam mais as raparigas. Entretanto, a escola já voltou atrás na decisão. Segundo escreve o Jornal …

Governo francês vai dar 100 euros a famílias carenciadas para pagar energia

O Governo francês vai entregar um cheque de 100 euros a 5,8 milhões de famílias de menores recursos para ajudar a pagar a fatura energética. A medida anunciada pelo executivo vai ter um custo de 580 …

Incidência e R(t) recuam em dia com mais 1.023 infetados e sete mortes

Portugal registou, esta sexta-feira, 1.023 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Apoiantes de Navalny acusam Google e Apple de "censura" política

Os apoiantes de Alexei Navalny acusaram hoje as empresas Google e Apple de terem suprimido o apelo ao voto "útil" proposto pelo oposicionista através das respetivas plataformas, denunciando "censura" num processo eleitoral em que a …