Catarina Martins diz que há neste momento um acordo entre PS e PSD

Luís Forra / Lusa

A líder do BE, Catarina Martins, considerou hoje que “o Orçamento Suplementar não é uma primeira parte do Orçamento do Estado”, mas avisou que o que está a acontecer neste momento no país “é um acordo” entre PS e PSD.

Catarina Martins falou aos jornalistas nos Passos Perdidos do parlamento, depois da aprovação em votação final global do Orçamento Suplementar, registando, em relação ao que tinha dito antes o primeiro-ministro, António Costa, no mesmo local, que “vontade negocial tem de ser concreta”.

“E na verdade o que estamos a observar neste momento no país é um acordo – chame-se negociação ou não – entre PS e PSD”, avisou.

Na perspetiva da líder do BE, este acordo “não só aconteceu no Orçamento Suplementar, com o PSD a mudar a sua posição inicial para ir ao encontro do Governo, mas também um acordo para alterações regimentais no parlamento” e “mesmo acordo para eleição de órgãos externos à Assembleia da República”.

“O Orçamento Suplementar não é uma primeira parte do Orçamento do Estado. são documentos diferentes. O Orçamento Suplementar tem a ver com a resposta de emergência face à pandemia”, referiu.

Para Catarina Martins, o próximo “Orçamento do Estado é um outro momento que não se confunde com este”.

Questionada sobre se estes acordos entre PS e PSD é o fim da chamada “geringonça” da legislatura passada, a líder do BE começou por lembrar que o partido “propôs ao PS a continuação de um modelo de acordo” após as eleições, mas que “o PS esteve indisponível para esse acordo”.

“Portanto essa é uma questão que não se coloca agora. Sobre as indisponibilidades do PS devem perguntar ao PS, não posso ser eu a responder”, disse.

A dirigente bloquista começou por lembrar que o partido, quando o Governo apresentou a sua proposta, afirmou que “iria abster-se por duas razões”.

“Por um lado, porque considerava o Orçamento Suplementar insuficiente para responder à crise, mas também porque considerava que não havia condições para qualquer problema institucional parlamentar face a uma emergência pandémica de um Orçamento Suplementar que tinha dois critérios muito importantes para o Bloco de Esquerda: o reforço do Serviço Nacional de Saúde e da Segurança Social públicas e responder com medidas de emergência social às pessoas que perderam mais com a crise”, elencou.

Estes critérios, de acordo com Catarina Martins, “são os que guiaram o Bloco de Esquerda durante todo o tempo e, portanto, o voto de abstenção final” foi mantido.

“Como todos sabem e ao longo do tempo e dos vários orçamentos do Estado, no Bloco de Esquerda levamos as negociações a sério, levamos as tomadas de posição a sério e não mudamos aquilo que é o nosso compromisso”, referiu.

Apesar de registar “alguns avanços positivos” na especialidade orçamental, a coordenadora do BE defendeu que “teria sido possível ir mais longe” e “que esta resposta, ainda que de emergência, podia ser mais robusta e podia permitir ao país mais condições para reagir à crise”.

“Lamentamos que não tenha sido possível ir mais longe”, disse.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A Catarina avisou que o que está a acontecer neste momento no país “é um acordo” entre PS e PSD????
    E então, o que tem de especial???
    Será muito diferente do acordo da geringonça?

RESPONDER

Marta Temido aponta para continuação das restrições em Lisboa

A ministra da Saúde disse esta quarta-feira que a situação epidemiológica da covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo deve traduzir-se na continuidade da aplicação das medidas de restrição em vigor. “Os números neste …

Primeiro julgamento ao abrigo da lei de segurança nacional em Hong Kong

Um homem acusado de conduzir uma motocicleta contra polícias de Hong Kong, enquanto transportava uma bandeira de protesto, tornou-se esta quarta-feira na primeira pessoa a ser julgada ao abrigo da lei de segurança nacional, aprovada …

Lei húngara que discrimina população LGBT+ "é uma vergonha", diz Ursula von der Leyen

O projeto de lei aprovado pela Hungria, que proíbe a divulgação a menores de 18 anos de conteúdos que incluam a "representação e promoção de uma identidade de género diferente do sexo à nascença, da …

Técnicos de Emergência queixam-se de atraso no pagamento de subsídio de risco

O Sindicato dos Técnicos de Emergência Médica Pré-Hospitalar (STEPH) denunciou esta quarta-feira a falta de pagamento, pelo INEM, do subsídio de risco covid-19 referente a abril, que deveria ter sido pago com o salário processado …

Bastonária dos Enfermeiros apela ao aproveitamento de recém-licenciados para vacinação

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, salientou esta terça-feira a importância de serem aproveitados ao máximo os profissionais recém-licenciados que estão a entrar no mercado para aumentar o ritmo de vacinação …

Portugal vs França Em Direto. Onze provável da seleção com Renato e Moutinho de início

A seleção de Portugal joga esta quarta-feira o tudo por tudo contra a França, num encontro que pode significar o apuramento para os Oitavos de Final do Euro 2020 ou o regresso a casa mais …

Críticas de Merkel sobre entradas em Portugal são "difíceis de entender", diz Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considera "difíceis de entender" as críticas da chanceler alemã Angela Merkel sobre a entrada de ingleses em Portugal. Na terça-feira, Merkel criticou a falta de regras na União …

Governo britânico descarta referendo à independência da Escócia antes de 2024

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, não vai autorizar um novo referendo à independência da Escócia antes das próximas eleições gerais, previstas para 2024, afirmou esta quarta-feira o ministro de Estado britânico, Michael Gove. Em entrevista ao …

PSD quer revogar regime de libertação de reclusos após fim da vacinação nas prisões

O PSD entregou esta quarta-feira um projeto-lei que pretende revogar, a partir de 1 de julho, o regime excecional de libertação de presos, associado a uma resolução para que todos os reclusos sejam vacinados até …

Reforma eleitoral promovida por Joe Biden travada no Senado dos EUA

A reforma eleitoral promovida pelo presidente norte-americano Joe Biden, considerada a maior das últimas décadas, foi travada no Senado dos Estados Unidos pela oposição do partido republicano. Em votação na câmara alta do Congresso na tarde …