Carlos Silva alega falta de apoio do PS e anuncia saída da liderança da UGT

Pedro Nunes / Lusa

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva

O secretário-geral da UGT não é candidato a um novo mandato na central sindical, alegando que o “desgaste tem sido tremendo” e que é visto como força de bloqueio.

“Não quero continuar”, “já está decidido e a UGT já sabe disso”, anunciou Carlos Silva, numa entrevista no programa “Gente que Conta”, do Porto Canal, que será transmitida este domingo à noite.

O secretário-geral da UGT, que assumiu a liderança da central sindical em 2013, e se recandidatou em 2017, justificou a decisão de não avançar para um terceiro mandato com o desgaste e com a falta de apoio que sente dentro do PS para tal.

“O desgaste tem sido tremendo. Sinto que hoje, mesmo ao nível do PS, não tenho o necessário apoio, nem a necessária compreensão para me poder recandidatar. Não vale a pena continuar a chover no molhado”, afirmou, para sublinhar que sente que é visto como “uma força de bloqueio”.

Ainda sobre este tema precisou, por isso, a necessidade de todos fazerem esforços no sentido de preparar uma candidatura “de um camarada” “da tendência sindical socialista da UGT”, que assuma em 2021 o comando da central.

Na entrevista conduzida por Paulo Baldaia, Carlos Silva criticou o facto de o Governo ter decidido convocar os sindicatos para novas negociações sobre os aumentos salariais na função pública para uma data posterior à da votação final global do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

A votação final global do OE2020 está marcada para dia 6 de fevereiro, tendo, na sexta-feira, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, anunciado no Parlamento que tinha convocado os sindicatos da função pública para uma nova reunião no dia 10 de fevereiro.

“Nós gostaríamos que a reunião tivesse lugar antes do dia 6 de fevereiro. O facto de o Governo vir dar nota que vai convocar a Fesap [Federação dos Sindicatos da Administração Pública] e outras estruturas sindicais para dia 10 significa que vai apresentar um facto consumado”, precisou Carlos Silva.

Nesta entrevista, o secretário-geral da UGT acusa ainda o Governo de “ostensivamente” ignorar os sindicatos nesta negociação dos aumentos salariais da função pública e considera que a atualização de 0,3% “é uma ofensa” e “humilhante”, pelo que a UGT apoiará com “todas as forças” a greve geral da função pública que está marcada para 31 de Janeiro.

“A negociação faz parte do comportamento democrático”, referiu, para precisar que os Governos, nomeadamente um Governo de esquerda como é o do PS, “têm obrigação de se sentar à mesa com os sindicatos”, porque “sem negociação o que há é imposição e a imposição não joga com democracia”.

Apesar de achar que é “errado” fazer a reunião depois da aprovação final do OE2020, Carlos Silva afirmou que os sindicatos da UGT estarão presentes. “A UGT e os seus sindicatos nunca ficarão com o ónus de rejeitar uma reunião, um entendimento com qualquer Governo, mesmo que seja depois do Orçamento”, afirmou.

Na entrevista, Carlos Silva criticou a atitude do primeiro-ministro para com a central sindical, afirmando que este tem relegado a UGT para segundo plano, apontando como exemplo um pedido de reunião urgente que fez a semana passada e que foi delegado na ministra do Trabalho.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pai de Rosa Grilo constituído arguido por suspeita de favorecimento pessoal

O pai de Rosa Grilo, Américo Pina, foi esta quarta-feira constituído arguido num segundo processo relacionado com a morte do triatleta Luís Grilo. Segundo o jornal Público, a notícia foi confirmada por fonte próxima do processo, …

NOS e Vodafone vão partilhar equipamentos de redes móveis

A NOS e a Vodafone fecharam acordos com vista à partilha de infraestruturas e equipamentos de rede móvel, abrangendo as tecnologias 2G, 3G e 4G. A NOS e a Vodafone anunciaram um acordo de partilha de …

Eutanásia começa a ser discutida. Deputados consideram pergunta "confusa" e "não" é quase certo

A discussão sobre a eutanásia começa hoje no Parlamento e estende-se até sexta-feira. A proposta, que conta com o apoio da Igreja Católica, deve ser chumbada, tendo em conta os sentidos de voto já conhecidos, mas …

Cabrita mantém auditoria sobre falhas na GNR e PSP em segredo

A auditoria "Cartografia de Risco", feita pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que detetou falhas na formação e organização na GNR e na PSP, continua em segredo no gabinete do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. Em …

Assassino publicou áudio a dizer que "vingou o profeta". Pai de aluna e dois menores podem ter sido cúmplices

O assassino do professor francês que mostrou caricaturas de Maomé numa aula divulgou uma mensagem de áudio nas redes sociais em que dizia ter vingado o profeta, após publicar uma fotografia da sua vítima, avança …

Avanços e ajustamentos em pezinhos de lã. Sem certezas, Governo tenta aproximar-se à esquerda

A tensão entre o PS e a esquerda já dura há duas semanas. O Governo já fez algumas cedências em troca do "sim" dos parceiros, mas falta a análise que tarda em chegar. Fonte do Governo …

"Bazuca" dá mais mil milhões para "revolução" nos transportes de Lisboa e Porto

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, diz que estamos perante uma "revolução" que vai mudar muito a circulação das pessoas em Lisboa e no Porto. O dinheiro vindo da União …

"Médicos pela Verdade". Ordem abre processo contra movimento que desvaloriza gravidade da covid-19

A Ordem dos Médicos abriu processos disciplinares a 7 médicos do movimento Médicos pela Verdade, grupo que desvaloriza a gravidade da covid-19 e se mostra contra o uso generalizado de máscaras e de testes de …

"Esta é a crise das nossas vidas". Vieira da Silva diz que chumbo do OE seria "dificilmente compreensível"

O ex-ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, elogiou, em entrevista ao jornal ECO, a proposta para Orçamento de Estado para 2021 (OE2021) e disse que seria "estranho" que não …

Podemos acusado de financiamento irregular, crime eleitoral e falsificação de documentos

O partido espanhol Podemos é acusado de financiamento irregular, crime eleitoral e falsificação de documentos comerciais. A acusação consta num despacho do juiz de instrução Juan José Escalonilla, datado de 10 de setembro, ao qual a …