Carlos Alexandre defende legalização do tráfico de droga e delação premiada

José Sena Goulão / Lusa

O juiz Carlos Alexandre

O juiz Carlos Alexandre

O juiz Carlos Alexandre alerta que só respostas policiais, jurídico-penais, judiciárias e prisionais não conseguem combater o crime organizado e a corrupção, defendendo assim a chamada delação premiada e a liberalização do tráfico de droga.

Numa intervenção nas conferências do Estoril, o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal socorreu-se do livro “Pare, pense e mude”, de Almeida Santos, para enumerar as várias dificuldades no combate ao crime organizado e à corrupção e apontou caminhos para uma justiça mais eficaz.

“Identifico-me com a ideia de que a clarificação das leis de combate à corrupção beneficiaria com o instituto de colaboração premiada“, disse Carlos Alexandre, considerando que “é um instrumento jurídico típico de democracias maduras, reputadas e desenvolvidas como Alemanha, França, Itália e Estados Unidos”, utilizado para combater o terrorismo, o tráfico de droga e o crime organizado.

Porém, alertou, “ninguém defende que o Estado legisle no sentido de passar um ‘cheque em branco’ ao denunciante“, realçando que “a colaboração premiada não dispensa o Ministério Público de aprofundar a investigação do que lhe é transmitido nesse âmbito e na concatenação com os demais meios de prova, tais como a prova documental, pericial, testemunhas, entre outros”.

As declarações de Carlos Alexandre foram prestadas na conferência “Lutar contra o crime numa Democracia: qual o papel e limites do sistema criminal e judicial?”, que decorreu nesta terça-feira, no Estoril, num painel composto ainda pelos juízes Sérgio Moro, do Brasil, Di Pietro, de Itália, e Baltazar Garzón, de Espanha.

Legalizar venda de drogas para atacar crime organizado

Carlos Alexandre tinha ainda previsto falar da liberalização do comércio de drogas, mas teve que anular essa parte da sua intervenção, por “imposição de tempo”, destaca o Diário de Notícias.

Na “extensa comunicação” a que o jornal teve acesso, o juiz destaca que com a liberalização do comércio de drogas, este deixaria de ser “fonte de lucro” para o crime organizado, o que constituiria “o mais rude golpe” para essa actividade ilegal.

O magistrado fala deste cenário de potencial legalização da venda de drogas, frisando que, sob controlo do Estado, “as drogas seriam vendidas a preços irrisórios ao nível do álcool e do tabaco” que “também criam dependência e ainda provocam mais mortes do que o conjunto das drogas”.

A medida “não apenas retiraria dos circuitos do crime comum 50 a 60% de drogados e pequenos traficantes como reduziria drasticamente a expressão do crime organizado”, considerou Carlos Alexandre, citado pelo DN.

“Esta coisa de super juiz tem de acabar”

Responsável por alguns dos casos judiciais mais mediáticos do país, como a Operação Marquês e o processo Monte Branco, Carlos Alexandre pede ainda para que se acabe com a alcunha de “super juiz” com que é, tantas vezes, apelidado.

“Esta coisa de super juiz tem de acabar porque não me revejo nela”, referiu no Estoril, apontando ainda que “nada do que disse pode ser assacado a um caso concreto qualquer que tenha em mãos”.

Da intervenção do magistrado ficam ainda as ideias de que, para um combate da corrupção mais eficaz, seria essencial a criação de um espaço jurisdicional único europeu e de uma jurisdição global e do “princípio de igualdade de armas”, com a substituição dos meios e instrumentos artesanais por tecnologias igualmente sofisticadas.

Carlos Alexandre notou ainda que o combate aos crimes económicos organizados passa também por dificultar, tanto quanto possível, a “conversão, pelos patrões do crime organizado, do seu poder económico em poder político”.

Além disso, refere que é preciso complicar a vida aos grandes patrões do crime organizado, questionando o funcionamento, sem efetivo controlo, dos centros ‘offshore‘ e das ‘sociedades-ecrã”.

“Os lucros fabulosos dos tráficos ilícitos e as grandes fortunas que a corrupção permite, após operações de lavagem, usando os mais sofisticados detergentes, entram naturalmente sem obstáculo nos circuitos de economia legal”, aponta.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E tem toda a razão o Sr. Juiz.
    Agora, srs. jornalistas, atenção porque ” liberalização do comércio de drogas” não é o mesmo que “legalização do tráfico de drogas” como indicam no título, pois mesmo que haja uma liberalização, é sempre contra a lei o tráfico/contrabando… assim como acontece com o tabaco e álcool, certo?
    Defendo ainda que se houver informação adequada e educação no que toca aos efeitos nefastos de todas as drogas, impediria ainda os jovens de ter vontade em experimentar uma coisa que, à partida, já sabem que vão ficar dependentes fisicamente para sempre. Para as piores e mais pesadas drogas, basta experimentar uma vez e ficam agarrados.

RESPONDER

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …

Fair-play financeiro. UEFA mantém restrições ao FC Porto

A UEFA informou, esta sexta-feira, que o FC Porto "cumpriu parcialmente as metas estabelecidas para a época 2019/20" a nível do fair-play financeiro e que vai manter as restrições impostas ao clube azul e branco. "O …