Carlos Alexandre defende legalização do tráfico de droga e delação premiada

José Sena Goulão / Lusa

O juiz Carlos Alexandre

O juiz Carlos Alexandre

O juiz Carlos Alexandre alerta que só respostas policiais, jurídico-penais, judiciárias e prisionais não conseguem combater o crime organizado e a corrupção, defendendo assim a chamada delação premiada e a liberalização do tráfico de droga.

Numa intervenção nas conferências do Estoril, o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal socorreu-se do livro “Pare, pense e mude”, de Almeida Santos, para enumerar as várias dificuldades no combate ao crime organizado e à corrupção e apontou caminhos para uma justiça mais eficaz.

“Identifico-me com a ideia de que a clarificação das leis de combate à corrupção beneficiaria com o instituto de colaboração premiada“, disse Carlos Alexandre, considerando que “é um instrumento jurídico típico de democracias maduras, reputadas e desenvolvidas como Alemanha, França, Itália e Estados Unidos”, utilizado para combater o terrorismo, o tráfico de droga e o crime organizado.

Porém, alertou, “ninguém defende que o Estado legisle no sentido de passar um ‘cheque em branco’ ao denunciante“, realçando que “a colaboração premiada não dispensa o Ministério Público de aprofundar a investigação do que lhe é transmitido nesse âmbito e na concatenação com os demais meios de prova, tais como a prova documental, pericial, testemunhas, entre outros”.

As declarações de Carlos Alexandre foram prestadas na conferência “Lutar contra o crime numa Democracia: qual o papel e limites do sistema criminal e judicial?”, que decorreu nesta terça-feira, no Estoril, num painel composto ainda pelos juízes Sérgio Moro, do Brasil, Di Pietro, de Itália, e Baltazar Garzón, de Espanha.

Legalizar venda de drogas para atacar crime organizado

Carlos Alexandre tinha ainda previsto falar da liberalização do comércio de drogas, mas teve que anular essa parte da sua intervenção, por “imposição de tempo”, destaca o Diário de Notícias.

Na “extensa comunicação” a que o jornal teve acesso, o juiz destaca que com a liberalização do comércio de drogas, este deixaria de ser “fonte de lucro” para o crime organizado, o que constituiria “o mais rude golpe” para essa actividade ilegal.

O magistrado fala deste cenário de potencial legalização da venda de drogas, frisando que, sob controlo do Estado, “as drogas seriam vendidas a preços irrisórios ao nível do álcool e do tabaco” que “também criam dependência e ainda provocam mais mortes do que o conjunto das drogas”.

A medida “não apenas retiraria dos circuitos do crime comum 50 a 60% de drogados e pequenos traficantes como reduziria drasticamente a expressão do crime organizado”, considerou Carlos Alexandre, citado pelo DN.

“Esta coisa de super juiz tem de acabar”

Responsável por alguns dos casos judiciais mais mediáticos do país, como a Operação Marquês e o processo Monte Branco, Carlos Alexandre pede ainda para que se acabe com a alcunha de “super juiz” com que é, tantas vezes, apelidado.

“Esta coisa de super juiz tem de acabar porque não me revejo nela”, referiu no Estoril, apontando ainda que “nada do que disse pode ser assacado a um caso concreto qualquer que tenha em mãos”.

Da intervenção do magistrado ficam ainda as ideias de que, para um combate da corrupção mais eficaz, seria essencial a criação de um espaço jurisdicional único europeu e de uma jurisdição global e do “princípio de igualdade de armas”, com a substituição dos meios e instrumentos artesanais por tecnologias igualmente sofisticadas.

Carlos Alexandre notou ainda que o combate aos crimes económicos organizados passa também por dificultar, tanto quanto possível, a “conversão, pelos patrões do crime organizado, do seu poder económico em poder político”.

Além disso, refere que é preciso complicar a vida aos grandes patrões do crime organizado, questionando o funcionamento, sem efetivo controlo, dos centros ‘offshore‘ e das ‘sociedades-ecrã”.

“Os lucros fabulosos dos tráficos ilícitos e as grandes fortunas que a corrupção permite, após operações de lavagem, usando os mais sofisticados detergentes, entram naturalmente sem obstáculo nos circuitos de economia legal”, aponta.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E tem toda a razão o Sr. Juiz.
    Agora, srs. jornalistas, atenção porque ” liberalização do comércio de drogas” não é o mesmo que “legalização do tráfico de drogas” como indicam no título, pois mesmo que haja uma liberalização, é sempre contra a lei o tráfico/contrabando… assim como acontece com o tabaco e álcool, certo?
    Defendo ainda que se houver informação adequada e educação no que toca aos efeitos nefastos de todas as drogas, impediria ainda os jovens de ter vontade em experimentar uma coisa que, à partida, já sabem que vão ficar dependentes fisicamente para sempre. Para as piores e mais pesadas drogas, basta experimentar uma vez e ficam agarrados.

RESPONDER

Noiva de Khashoggi processa príncipe herdeiro saudita

Hatice Cengiz, noiva de Jamal Khashoggi, colocou um processo contra o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman e outros alegados mentores do assassínio. A noiva do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado na Turquia em outubro de …

Papa Francisco defende pela primeira vez uniões de facto para casais homossexuais

O Papa Francisco defendeu a regulação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, afirmando que os homossexuais têm direito a constituir família. "Homossexuais têm o direito de constituir família. São filhos de Deus", defendeu o …

“Uma desgraça completa”. Ex-ministro do PSD arrasa atuação do Ministério da Saúde no combate à pandemia

O antigo governante do PSD Fernando Leal da Costa acusou esta quarta-feira o Ministério da Saúde de “falta de liderança” na gestão da pandemia de covid-19, e falou até de “uma desgraça completa” do ponto …

Ministro defende que investimento nas Forças Armadas “é tão relevante” como na saúde

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, destacou o papel das Forças Armadas no combate à pandemia de covid-19 e defendeu que o investimento público nesta área “é tão relevante” quanto na saúde ou …

Giro. João "Rosa" Almeida segura liderança da geral

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve esta quarta-feira a liderança da Volta a Itália em bicicleta, numa 17.ª etapa ganha pelo australiano Ben O'Connor (NTT). O'Connor, de 24 anos, cumpriu os 203 quilómetros entre Bassano del …

Investimento público atinge máximo de uma década em 2021

Dados do relatório do Orçamento do Estado mostram que o Governo conta terminar 2020 com um investimento público de 4.884 milhões de euros (75 milhões de euros a menos do que a previsão do Orçamento …

Audições urgentes pedidas pelo PS sobre StayAway Covid são por escrito ou em dezembro

O Parlamento aprovou, esta terça-feira, a audição de entidades e personalidades sobre a obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid, proposta pelo PS, "com caráter de urgência", por escrito ou em dezembro, após o debate do Orçamento …

Taxa de nascimentos de linces no Vale do Guadiana é a mais alta da Península Ibérica

A taxa de nascimentos na população de linces ibéricos no Vale do Guadiana é a mais elevada da Península Ibérica, segundo os resultados dos censos 2019 divulgados hoje pelo Instituto da Conservação da Natureza e …

Pai de aluna teria ligações ao assassino do professor decapitado em França

Os investigadores encontraram uma possível ligação entre o assassino do professor francês Samuel Paty, decapitado em Paris, e o pai de uma aluna. Em declarações à AFP, citadas pelo Diário de Notícias, uma fonte próxima do …

Nove anos de prisão efetiva para a mãe que abandonou bebé no contentor do lixo

A mulher que abandonou o filho recém-nascido num caixote do lixo na zona de Santa Apolónia, em Lisboa, em novembro de 2019, foi esta quarta-feira condenada a nove anos de prisão efetiva, por tentativa de …