O capitão chegou. Bolsonaro promete que a bandeira do Brasil nunca será vermelha

Joedson Alves / EPA

Michel Temer cedo o lugar ao novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

Recebido por centenas de apoiantes com gritos de “mito” e “o capitão chegou” em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília, o novo presidente Jair Bolsonaro pronunciou um discurso com referências a Deus, à família e ao “direito à propriedade”.

O recém-eleito presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, tomou posse esta terça-feira, 1 de janeiro, numa cerimónia marcada pelo mal-estar com os jornalistas, muitos dos quais estrangeiros, que chegaram a deixar a sala de imprensa pelas “más condições” de trabalho reservadas à imprensa.

Quebrando o protocolo habitual, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, fez um discurso antes do marido, o presidente recém-empossado, usando linguagem gestual. A nova primeira-dama do Brasil é defensora da causa dos surdos e mudos, sendo ela própria intérprete da língua.

Durante o discurso, Michelle Bolsonaro agradeceu a oportunidade de “trabalhar pelos mais necessitados” e fez um agradecimento especial ao seu “enteado Carlos Bolsonaro”, pelos “23 dias passados no hospital”, após o episódio do ataque à facada ao então candidato Jair Bolsonaro, durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora.

Marcelo Camargo / Agência Brasil

A primeira-dama Michelle Bolsonaro discursa em linguagem gestual

Após receber a faixa presidencial do presidente cessante, Michel Temer, Jair Bolsonaro pronunciou um discurso ultraconservador, cheio de frases de forte efeito e com alvos bem-definidos.

Num dos pontos marcantes do seu discurso, o novo presidente do Brasil citou um “momento que não tem preço”. “Deus preservou a minha vida e vocês acreditaram em mim. Este é o dia em que o povo começou libertar-se do socialismo, do politicamente correto e do gigantismo estatal”, declarou Bolsonaro.

O novo chefe de Estado afirmou que “a voz das ruas e das urnas foi muito clara. Esta foi a campanha mais barata da história. Juntamente convosco, vamos acabar com ideologias nefastas que destroem a família, alicerce de nossa sociedade”, disse.

Jair Bolsonaro apostou ainda na retórica anti-corrupção que marcou a sua campanha e defendeu os “interesses brasileiros em primeiro lugar”, numa possível versão brasileira do “America First” de Donald Trump. O discurso não deixou de lado a habitual referência à meritocracia, e combateu o que chama de “ideologização das nossas crianças“.

Discursou ainda contra a “ideologia que defende bandidos e criminaliza policiais” e defendeu a “garantia de direito da propriedade e da legítima defesa“. O novo presidente deu também o tom da nova orientação diplomacia brasileira, acerca da qual disse querer “retirar o viés ideológico das nossas relações internacionais”.

No fim do discurso, brandindo uma bandeira brasileira, declarou, em tom dramático, que “esta é a nossa bandeira, que jamais será vermelha, só será vermelha se for do nosso sangue derramado para a manter verde e amarela”.

Mal-estar com a imprensa

Pela primeira vez numa posse presidencial no Brasil, os jornalistas não puderam transitar livremente pela Esplanada dos Ministérios e não puderam realizar entrevistas junto à população. Com acesso restrito a uma sala, de onde não puderam sair, alguns repórteres decidiram abandonar a posse de Bolsonaro, entre os quais três jornalistas do canal de TV francês France24 e um profissional da agência de notícias chinesa Xinhua.

Na sua coluna no jornal Folha de S. Paulo, a jornalista Mónica Bergamo referiu-se à posse como “um dia de cão” e contou que os fotógrafos foram aconselhados a não erguer suas máquinas. “Qualquer movimento suspeito pode levar um sniper a abater o alvo”, conta Bergamo, citando instruções do gabinete de comunicação de Bolsonaro.

Marcelo Sayao / EPA

“Esta é a nossa bandeira, que jamais será vermelha”. Tomada de posse do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

De acordo com Raquel Miura, correspondente da RFI em Brasília, “não foi fácil a cobertura para a imprensa”. Segundo conta a repórter, os jornalistas passaram por detectores de metais e tiveram de se desfazer de frutas, que só era permitido levar fatiadas. Em nenhum local era possível entrar com garrafas de água.

Ainda esta terça-feira, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo emitiu uma nota sobre as condições impostas a jornalistas que cobriram a posse presidencial. O texto do documento criticou as condições de trabalho reservadas aos jornalistas.

“Confinados desde as 7h, alguns com acesso limitado a água e a instalações sanitárias, os jornalistas não puderam interagir com autoridades e fontes – algo vulgar em todas as cerimónias de início de governo desde a redemocratização do país”, diz a nota.

“A Abraji protesta contra este tratamento desrespeitoso para com os profissionais que estavam no local a fazer o registo deste momento histórico“, completa o comunicado.

ZAP // RFI

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Capitão?
    Este artista é politico profissional há 30 anos !!
    Deus não tem ajudado a fazer grande coisa pelo Brasil, vamos lá ver o que vai fazer com este “enviado”!…

RESPONDER

Netanyahu terá visitado Arábia Saudita (e reunido com Mike Pompeo e o príncipe herdeiro em segredo)

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, terá viajado no domingo em segredo à Arábia Saudita para se encontrar com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, divulgaram esta segunda-feira vários meios de comunicação de Israel. De acordo …

Arguidos no processo da queda da árvore na Madeira vão a julgamento

O Tribunal da Comarca da Madeira decidiu, esta segunda-feira, após a fase de instrução, levar a julgamento os dois arguidos no caso da queda da árvore no Funchal que, em agosto de 2017, provocou a …

Ausência de máscara na via pública dá multa a pelo menos 7 pessoas por dia

Entre 28 de outubro e 16 de novembro, a GNR e a PSP aplicaram 825 coimas por incumprimento relativo ao uso de máscara, sendo que mais de 130 foram por falta dela na via pública. De …

França cria "crime de ecocídio" para punir danos graves ao ambiente

A ministra da Transição Ecológica, Barbara Pompili, e o ministro da Justiça de França, Eric Dupont-Moretti, anunciaram a criação do "crime de ecocídio", que visa prevenir e punir os danos graves ao ambiente. Ao Journal du Dimanche, explicaram …

BCE reitera que retoma económica só em 2022 (e "enfraquecida")

Para Philip Lane, economista-chefe do Banco Central Europeu, a vacina traz uma perspetiva para o final do próximo ano e para 2022, mas não para os próximos seis meses. O economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), …

Ventura notificado para apresentar defesa em processo por discriminação

A Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial (CICDR) notificou André Ventura para apresentar a sua defesa na sequência de alegadas declarações de carácter discriminatório em relação à etnia cigana no Facebook. A comissão …

UNICEF prepara maior operação da história para administrar dois mil milhões de vacinas

A UNICEF anunciou hoje que está a analisar a logística de transporte de cerca de dois mil milhões de vacinas contra a covid-19 para 92 países e que esta será a maior operação internacional da …

China deteta surtos em três cidades e impõe bloqueios e milhões de testes

As autoridades chinesas estão a testar milhões de pessoas, a impor bloqueios e a fechar escolas depois de vários casos do novo coronavírus transmitidos localmente terem sido diagnosticados nos últimos dias, em três cidades. À medida …

Joe Biden escolhe Antony Blinken para secretário de Estado

O Presidente-eleito escolheu Antony Blinken - um dos seus assessores mais antigos e mais próximos de Joe Biden - para o cargo de secretário de Estado, decisão que ainda terá de ser validada pelo Senado …

Portugal regista mais 74 mortes e 4044 novos casos de covid-19

Portugal regista, esta segunda-feira, mais 74 mortes e 4044 novos casos de infeção por covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 4044 novos casos, 2258 …