Novos ataques sónicos (ou grilos) em Cuba. Desta vez, na embaixada do Canadá

Michael Reynolds / EPA

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau

O Canadá vai retirar metade dos funcionários da sua embaixada em Cuba depois de 14 diplomatas terem ficado “misteriosamente doentes”. Este caso ocorre após dezenas de trabalhadores da embaixada americana em Havana terem adoecido, alguns tendo registado danos cerebrais leves.

De acordo com um artigo do Guardian, divulgado na quinta-feira, foram confirmados 14 casos de problemas de saúde misteriosos desde o início de 2017 envolvendo diplomatas canadianos e alguns dos seus familiares.

Em novembro de 2018, o governo do Canadá revelou que estava a considerar todas as opções em relação à sua embaixada em Cuba, depois da confirmação do 13.º caso. Num comunicado emitido esta quarta-feira, a Global Affairs Canada indicou que os testes confirmaram a 14.º vítima, não se sabendo a causa por trás destes incidentes.

Após a confirmação, um fonte ligada ao governo canadiano contou que este último caso envolve um diplomata que chegou no verão a Cuba, tendo relatado os sintomas a 29 de dezembro. O próprio adiantou que os casos recentes confirmam que esses incidentes ainda estão em andamento.

Devido a estes eventos “misteriosos”, em abril do ano passado, o governo do Canadá ordenou que as famílias dos diplomatas em Cuba voltassem para casa. Desde o início destas ocorrências, o ‘staff’ canadiano na embaixada em Havana passou de 16 para oito.

Segundo o Guardian, o país continuará a ter um embaixador em Havana e os serviços consulares estarão disponíveis, no entanto, alguns programas podem ser ajustados nas próximas semanas.

Cuba é um dos destinos turísticos favoritos dos canadianos, tendo o governo do Canadá já avançado que não existem evidências de doença entre os turistas. Em comunicado, outra fonte ligada ao governo indicou que Cuba tem cooperado desde o início e que as autoridades daquele país estão “tão frustradas quanto as autoridades canadianas”.

Já em setembro de 2017, os EUA retiraram a maioria de seus funcionários diplomáticos de Cuba. Essa decisão surgiu depois de 26 trabalhadores terem adoecido, devido a alegados “ataques sónicos”, provenientes de tipo de arma ultrassónica, que fazia explodir ondas sonoras ou microondas.

Os diplomatas afirmaram que sentiram náuseas, perda de audição, dores de cabeça e problemas de equilíbrio. A CBS, que disse ter tido acesso a relatórios médicos destes casos, apurou que o ‘ataque sónico’ pode ter provocado danos cerebrais em alguns diplomatas.

Pouco mais de um ano após o ocorrido, um grupo de investigadores da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, e da Universidade de Lincoln, no Reino Unido, analisaram uma gravação do ruído supostamente utilizado para os “ataques sónicos”, tendo concluído que a mesma pode ter sido produzida pelo chilrear de grilos.

A 03 de outubro, o Departamento de Estado dos EUA anunciou que ia expulsar 15 diplomatas cubanos da embaixada de Cuba em Washington, dando um prazo de sete dias para estes deixarem o país.

Embora o governo cubano tenha negado veementemente qualquer envolvimento, estes casos misteriosos fizeram com que ruíssem as relações entre este e os Estados Unidos, que tinham tido um ponto alto quando os dois países – afastados por meio século – restauraram laços diplomáticos totais sob o governo do presidente Barack Obama, em 2015.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Protestos em Hong Kong. LeBron acusado de apoiar regime chinês

A super estrela do basquetebol LeBron James juntou-se à polémica entre a NBA e a China, após apelidar de “mal-informado” o treinador dos Houston Rockets, Daryl Morey, que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong …

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …

Conselho da Europa teme que polícia de Malta tenha “recusado provas” no caso da jornalista assassinada

Daphne Galizia era jornalista, acompanhava casos de corrupção no país e foi assassinada há dois anos. Pieter Omtzigt, relator do Conselho da Europa responsável pelo caso, diz que a abordagem da polícia e dos …

Itália quer mudar sede da final da Liga dos Campeões

A Itália quer que a final da Liga dos Campeões deste ano, marcada para o Estádio Olímpico Atatürk Olympic, mude de sede. Os últimos dias não têm sido fáceis para a UEFA. Depois dos incidentes racistas …

CNN coloca broa portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo

A propósito das celebrações do Dia Mundial do Pão, que se celebra esta quarta-feira, a CNN fez uma lista com os 50 melhores pães do mundo e um deles é a broa portuguesa. A broa conhecida …

CP lança nova campanha: Lisboa-Porto por cinco euros e mais descontos até 80%

Há 10.300 bilhetes a custos muito reduzidos, anunciou a CP – Comboios de Portugal esta terça-feira. A nova campanha garante viagens nos comboios de longo curso Alfa Pendular e Intercidades “com 80% de desconto”, abrangendo …

"Níveis recorde". Glaciares suíços perderam 10% do seu volume nos últimos cinco anos

Os glaciares suíços perderam 10% do volume nos últimos cinco anos, a maior redução em cem anos, alertou esta terça-feira a Academia Suíça das Ciências. A Academia baseia-se nas medições feitas pelos peritos do painel intergovernamental …