Câmara de Cascais quer investir seis milhões de euros no forte onde Salazar caiu da cadeira

A autarquia de Cascais apresentou ao Estado um projeto que passa por dar novo uso ao Forte de Santo António da Barra durante 50 anos. Foi lá que Salazar caiu da cadeira, em 1968.

A câmara de Cascais já apresentou um projeto – “há uns meses” – para revitalização do Forte de Santo António da Barra que prevê um investimento público de seis milhões de euros. O forte, situado na freguesia do Estoril, é também conhecido pelo nome “forte de Salazar”, por ter servido de residência de férias ao antigo chefe de Governo do autocrático Estado Novo e por ter sido ali que Salazar caiu da cadeira, a 3 de agosto de 1968, no acidente que viria a precipitar a sua saída do Governo.

O custo do plano para dar novo uso ao Forte de Santo António é avançado pelo presidente da câmara de Cascais, Carlos Carreiras, ao Diário de Notícias. A autarquia já tinha ficado a cargo da primeira fase de recuperação do forte e da sua abertura ao público depois de um protocolo assinado com o Estado em 2018.

O contrato, contudo, estipulava que a câmara apresentasse posteriormente um projeto de reenquadramento do forte para os próximos anos, de modo a que se justificasse a extensão do contrato celebrado, que teve a duração de apenas um ano.

Segundo Carlos Carreiras, a autarquia propôs um projeto de reaproveitamento do forte que passa por orientá-lo para se tornar um espaço dedicado “ao mar e à língua, dois patrimónios desaproveitados”.

As primeiras sugestões da autarquia foram rejeitadas pelo Estado. Uma delas pretendia “cobrir o fosso” circundante ao forte para montar uma “área expositiva” e a outra pretendia fechar o forte ao público e transformá-lo num centro de conferências e congressos, que pudesse receber colóquios e centros de investigação “ligados ao mar”.

A autarquia aguarda agora que o Estado responda se concorda ou não com o projeto camarário para utilização e recuperação do forte. O custo de seis milhões de euros é apresentado como contrapartida pela utilização do espaço por 50 anos. “Aguardamos que nos digam se aceitam ou não, ou se têm alguma sugestão”, apontou ainda o autarca.

O destino dado ao local tem sido alvo de debate nas últimas semanas, depois de o espaço ter sido colocado pelo Ministério da Defesa numa lista de imóveis “a alienar”. No entanto, o Ministério da Defesa garantiu já que se trata meramente de um processo administrativo por o “atual protocolo de cedência” ter “validade anual” e assegurou que o Estado não colocou o forte à venda. A hipótese de arrendamento ou cedência da gestão e uso do espaço será assim uma possibilidade mais forte do que a venda.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …