Caixa deu empréstimos a Berardo, mas ex-administrador desconhecia que eram só para comprar BCP

António Cotrim / Lusa

O ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Francisco Bandeira disse no parlamento que, para si, nos empréstimos à Fundação José Berardo “não estava em causa” o aumento de capital no BCP.

“Pelo menos, para mim, não estava em causa o aumento de capital do BCP”, disse Francisco Bandeira na sua audição na comissão parlamentar de inquérito à CGD, acrescentando que a operação era “para financiar títulos cotados do PSI20, e sujeito a aprovação da Caixa”.

Anteriormente, o ex-administrador da Caixa tinha afirmado que “a Fundação Berardo tinha contratado uma operação com a CGD em conta corrente de 350 milhões de euros”, com “270 milhões de utilização, e que “informa depois a Caixa, em 2008, que vai utilizar para correr ao aumento de capital do BCP“.

De acordo com Francisco Bandeira, que criticou o relatório da EY que esteve na origem do inquérito parlamentar ao banco público, naquele momento “a primeira tirada da Caixa foi dizer ‘não'”, devido à desvalorização das ações do BCP (dadas como garantia do empréstimo), e que só autorizava o acesso ao crédito “só com fiança”. “E na altura foi aprovada com fiança, e só se garantia a fiança se as contas estivesse devidamente auditadas, o que ocorreu”, afirmou.

O ex-administrador disse que “na altura, as contas auditadas da Fundação mostravam que tinham uma autonomia financeira de 30%“, e que a Metalgest, outra sociedade ligada a Joe Berardo, tinha “uma situação de capital de 200 e tal milhões”.

Francisco Bandeira contou que, então, “o senhor Berardo terá evidenciado que o contrato que tinha lhe permitia utilizar o remanescente [para além dos 270 milhões]”, e que o empresário lhe disse que “estava a dar fiança” naquele momento para um valor já utilizado “há um ano”.

O ex-administrador revelou que foi decidido fazer “um contrato cruzado com o anterior” que impedia a utilização da conta corrente do financiamento a Berardo, em que “ficou decidido que se a trajetória dos títulos [do BCP, dados como garantia] não invertesse” a CGD precisaria “de um conforto de garantia real”.

“E aí é que começa o trabalho interno da Caixa que permitiu o penhor da Associação”, declarou Francisco Bandeira, acrescentando que no acordo com o BCP e Novo Banco relativamente à penhora da Associação, o banco público ficou com “40% dos títulos” tendo apenas “27% de exposição” às sociedades de Berardo.

O também ex-presidente do BPN disse que “não lhe passa pela cabeça” que os juristas dos bancos não “acautelassem a situação”, referindo-se ao facto dos bancos terem penhor dos títulos de participação da Associação Coleção Berardo e não das obras de arte em si. Francisco Bandeira assegurou também que “nunca” sentiu “pressão política, da direita ou da esquerda, para dar prioridade a algum cliente”.

Em 2015, segundo uma auditoria da EY à CGD, a exposição do banco público à Fundação José Berardo era de 268 milhões de euros, depois de uma concessão de crédito de 350 milhões de euros para compra de ações no BCP, dando como garantia as próprias ações, que desvalorizaram consideravelmente e geraram grandes perdas para o banco. No caso da Metalgest, a exposição era de 53 milhões de euros.

Em 20 de abril, CGD, BCP e Novo Banco entregaram no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa uma ação executiva para cobrar dívidas de Joe Berardo, de quase 1.000 milhões de euros, executando ainda a Fundação José Berardo e duas empresas ligadas ao empresário. O valor em dívida às três instituições financeiras totaliza 962 milhões de euros.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …

FC Porto e Benfica disputam Supertaça a 23 de dezembro

O jogo da Supertaça, que vai opor o FC Porto ao Benfica e que deveria a abrir a temporada 2020/21, vai disputar-se a 23 de dezembro, anunciou, esta quarta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em …