Caixa não foi a única. Principais bancos partilham grandes devedores com banco público

Manuel de Almeida / Lusa

Paulo Macedo, presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD)

Há, pelo menos, 11 grandes devedores do banco público que também têm dívidas de milhões aos principais bancos privados portugueses.

“Vários” dos maiores devedores da Caixa Geral de Depósitos “são comuns aos outros bancos”. A ideia foi partilhada durante uma audição no Parlamento por Paulo Macedo, presidente da Caixa, que apresentava, assim, uma das justificações para que o banco público tenha decidido tentar recuperar os casos “emblemáticos” de créditos ruinosos, em vez de vendê-los.

São vários os grandes devedores que geraram perdas de milhares de milhões de euros para a CGD, mas há 25 que se destacam, pela dimensão das imparidades a que deram lugar, escreve o jornal Eco. A verdade é que o banco público não foi o único a quem estes 25 recorreram: os grandes devedores também têm dívidas de milhões aos principais bancos privados, incluindo aos que tiveram de receber ajudas públicas nos últimos anos.

“Há uma análise periódica dos 50 maiores casos. Nesses casos, decidimos que os créditos ficarão connosco, ou seja, não os iremos vender. Há um preço de mercado para estes créditos, mas achamos que estes casos emblemáticos devem ficar e tentar ser recuperados pela Caixa. Alguns destes créditos são comuns aos outros bancos. Vários. Os setores das obras públicas e da construção civil são créditos que estão nos três bancos que financiavam as grandes empresas em Portugal“, disse Paulo Macedo.

O relatório final da auditoria da EY à gestão feita na Caixa entre os anos de 2000 e 2015 não permite conhecer os maiores devedores do banco público, uma vez que estes não são identificados pelo nome. Contudo, uma versão preliminar deste relatório identifica-os, sendo possível fazer o cruzamento, de uma e outra versão, para chegar a alguns dos grandes clientes que vieram a revelar-se ruinosos para a Caixa.

Com base nessa lista e nos dados disponíveis no portal Citius relativos aos clientes que acabaram por entrar em processos de revitalização ou que declararam insolvência, é possível conhecer quais os grandes clientes da Caixa que também têm dívidas de milhões por pagar a outros bancos. Há mais de uma dezena de empresas nesta situação.

A auditoria feita pela EY analisa um total de 186 operações de concessão inicial de crédito, que acabaram por resultar em perdas de 1.647 milhões de euros para a Caixa. Deste montante, a grande maioria concentra-se nas 25 maiores operações de crédito realizadas pela Caixa no período de 2000 e 2015. Estas 25 maiores operações de crédito resultaram em perdas de 1.263 milhões de euros, registadas no final de 2015, para o banco público.

A análise ao relatório final da auditoria da EY permite conhecer apenas 15 destes 25 maiores devedores da Caixa, não tendo sido possível apurar quem são os restantes. A Artlant, ligada ao projeto da La Seda, é a maior devedora, com a CGD a reconhecer uma imparidade de 211 milhões de euros, resultante dos créditos concedidos a esta empresa. Seguem-se a Investifino, do empresário Manuel Fino, Fundação Berardo, de Joe Berardo, AE Douro Litoral e Jupiter, no grupo dos cinco maiores devedores.

A versão preliminar da auditoria apontava também para outros devedores, ainda que de menor dimensão: Golf Marinha Praia, Obriverca, Fundação Horácio Roque e o grupo MSF são alguns deles.

Entre os 25 maiores devedores da Caixa, há, pelo menos, cinco que também são clientes de outros bancos. São eles: Artlant, Grupo Lena, PFR Invest, Finpro e Opway.

Já fora do top 25, há outras empresas clientes da Caixa que também devem aos principais bancos nacionais: Golf Marinha Praia, Obriverca, MSF SGPS e MSF Engenharia, FDO Construções e Extrinvest são aquelas cujas listas de credores estão disponíveis. Aquelas que têm mais dívidas ao BCP e ao Novo Banco são as que atuam nos setores da construção e obras públicas.

Feitas as contas, conclui o jornal, estes grandes devedores da Caixa que acabaram por entrar em PER ou em insolvência têm uma dívida global aos bancos privados que supera os mil milhões de euros.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. MAS SERÁ QUE NINGUÉM VÊ OU NÃO QUER VER??? ISTO FOI TUDO MT BEM PENSADO E PERMEDITADO POR TODAS AS PARTES E PESSOAS ENVOLVENTES. QUEM SE LIXA SEMPRE É O ZE LORPA QUE PAGA E PAGA E VOLTA APAGAR. É UM PAGAR SEM FIM C/ ESTE CORRUPTOS DESTES POLITICOS. SIM PORQUE NESTE SISTEMA QUEM ESTÁ METIDO SÃO OS POLITICOS.

    • “Permeditado” é uma coisa fantástica. Gostei também do pormenor do “que paga e paga e volta apagar”. Mas paga ou apaga? Em que ficamos?

  2. Comem todos de tods a panelinhas.
    São todos amigalhaços entre eles. É verdadeiramente um clã, para nào dizer outra coisa….

    Quem paga?
    Se o banco é puúblico, paga o Zé.
    Se o banco é privado, o estado salva e paga… o Zé.

    Não há volta a dar…

  3. Creio que a unica solucao que o povo tem para acabar com esta calamidade é através da consciencia social de cada cidadao.
    Cado um pode contribuir com a sua propria justiça quando nos roubam:
    Boicote individual é a receita certa!
    Por exemplo, se a empresa xpto nos rouba, que ninguem lhe compre nada, e da noite para o dia, a xpto está de joelhos…
    O problema é que somos demasiado mansinhos e acreditamos sempre que o estado sao os outros!

  4. Foram todos na mesma onda porque isto de passar dinheiro sem garantia para as mãos de gente engravatada e bem posicionada como amigo parece ser tarefa fácil e não dar castigo.

Responder a CARTA Cancelar resposta

Centeno deixa aviso à Zona Euro. Futuro da UE depende da resposta que der à pandemia

Mário Centeno escreveu aos ministros das Finanças da Zona Euro para os alertar que o futuro da União Europeia depende da forma como conseguir lidar com a crise económica devida à pandemia de Covid-19. Uma …

Governo quer desempregados e trabalhadores em lay-off a reforçar lares e hospitais

O Governo criou uma medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde com o objetivo de apoiar as entidades do setor social e solidário. De acordo com o ECO, o Governo …

Recibos verdes podem pedir apoio a partir desta quarta-feira. Será pago ainda este mês

O apoio por quebra de atividade destina-se a trabalhadores independentes que nos últimos 12 meses tenham tido obrigação contributiva em pelo menos 3 meses consecutivos. O formulário para os trabalhadores independentes pedirem apoio por redução de …

"Este mês é perigosíssimo!" Costa avisa que "não podem ir à terra" na Páscoa

"As pessoas não podem ir à terra!" O alerta é de António Costa que avisa que este mês de Abril "é perigosíssimo" por causa da Páscoa. O primeiro-ministro recomenda também aos emigrantes que não venham …

13% dos casos de covid-19 em Portugal são profissionais de saúde. Há 10 médicos nos cuidados intensivos

Um em cada oito infetados com o novo coronavírus em Portugal é profissional de saúde. O número de médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores de hospitais e centros de saúde que estão contagiados não pára …

Curva em Itália parece estar a aplanar. Confirmado primeiro caso num campo de refugiados grego

A Itália registou mais 4.053 casos positivos e mais 837 mortes em 24 horas, valores semelhantes aos de segunda-feira e que sugerem que a curva da covid-19 parede estar a estabilizar. De acordo com o Observador, …

Há mais de 8 mil infetados e 187 mortes por covid-19 em Portugal

Há mais 27 mortes em relação a terça-feira, aumentando o número total de óbitos para 87. O número de casos confirmados em Portugal já ascende as 8 mil pessoas. O boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da …

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser contabilizada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …

Em tempos de crise, os emprestados podem ser a solução do Benfica

Bruno Varela, Cristián Lema, Filip Krovinovic, Gedson Fernandes e Diogo Gonçalves são hipóteses que Bruno Lage tem a seu dispor para regressar dos empréstimos. A suspensão das competições desportivas deixa muitos clubes entre a espada e …