/

PJ faz buscas na Linha de Apoio aos Refugiados da Câmara de Setúbal

4

Viet-hoian1 / Wikimedia

Câmara Municipal de Setúbal.

A Polícia Judiciária está a fazer buscas nas instalações da Linha Municipal de Apoio a Refugiados (LIMAR) da Câmara Municipal de Setúbal, no Mercado do Livramento. Em causa está a eventual violação de dados pessoais no âmbito do acolhimento a refugiados ucranianos.

As operações de busca estão a ser efectuadas no âmbito de um mandato judicial emitido pela Procuradoria da República da Comarca de Setúbal, conforme avança a autarquia.

“A Câmara Municipal de Setúbal está a prestar todo o apoio necessário a estas diligências judiciais”, refere o município numa nota no Facebook.

As buscas surgem na sequência da polémica em torno da recepção feita pelo município sadino a refugiados ucranianos por dois cidadãos russos, alegadamente, com ligações ao Kremlin.

O cidadão russo Igor Khashin, membro da Associação dos Emigrantes de Leste (Edinstvo) e do Conselho de Coordenação dos Compatriotas Russos, e a mulher, Yulia Khashina, também da Edinstvo e funcionária do município, terão fotocopiado documentos e questionado os refugiados sobre o paradeiro de familiares na Ucrânia.

As operações de busca em curso na LIMAR ocorrem no mesmo dia em que a Assembleia Municipal de Setúbal vai apreciar duas moções de censura, uma do PS e outra do PSD, à liderança da CDU na Câmara de Setúbal devido à polémica em torno da recepção de refugiados ucranianos.

A moção de censura do PSD pede a demissão do presidente da Câmara de Setúbal, André Martins, alegando que o autarca sabia das ligações dos elementos da Associação dos Imigrantes de Leste ao governo russo e nunca o assumiu.

O PS considera, no entanto, que, neste momento, cabe ao presidente do município decidir se tem ou não condições para continuar em funções.

Certo é que a eventual aprovação de uma moção de censura na Assembleia Municipal não provoca a queda do executivo camarário, uma vez que nas autarquias, ao contrário do que se verifica na Assembleia da República, as moções de censura não têm carácter vinculativo.

  ZAP // Lusa

4 Comments

  1. Este autarca se tivesse a espinha direita já se tinha demitido, mas como sabe que este casal estava sobre as ordens dele e como ele comunista ainda pensa que o Putin é comunista, não se importou deste desmando. Os comunistas estão convencidos que a URSS voltará pela mão do DITADOR Putin.

    • Bem… o Carlos começa logo com uma impossibilidade…
      Falar de autarca e espinha direita é por si mesmo uma total incompatibilidade. É uma contradição irresolúvel. O mesmo é válido para a restante classe política e muitos dos que param na nossa justiça.

  2. Para além do autarca soviético que deve ser colocado na justiça por favorecimento de espionagem, é fundamental questionar também o Presidente da República e o Primeiro Ministro sobre uso que dâo às “secretas” concretamente ao SIS e explicarem aos portugueses para que serve o dinheiro que em seu nome é gasto com essa gente!

  3. Claro que o PR e o 1º, sabiam do assunto dos ucranianos recebidos em Portugal pelos russos e por toda a cambada comuna da Câmara de Setúbal, tal como souberam do roubos das armas de Tancos, mas armam-se em ‘virgens ofendidas’ quando dizemos que sabiam tudo desde o início do assalto e sabiam muito bem; – mas aldrabões como são, preferem mentir descaradamente com toda aquela lata que ambos têm..

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.