Burberry recua: vai deixar de usar peles e de queimar produtos

A famosa marca de luxo britânica anunciou que vai parar de queimar os produtos que não forem vendidos, que nunca mais vai utilizar peles verdadeiras nas peças de roupa e que vai retirar as que ainda se encontram à venda.

A Burberry, famosa marca de luxo britânica, anunciou que vai parar imediatamente de queimar roupa, assessórios e perfumes não vendidos. Nos últimos cinco anos, o valor total de produtos destruídos ultrapassou os 90 milhões de libras, quase 100 milhões de euros.

A empresa revelou que, só em 2017, queimou artigos no valor de 32 milhões de euros, explicando que a estratégia servia para impedir que os artigos fossem roubados ou vendidos a preços mais baixos, o que levaria a uma degradação da imagem da marca.

Esta revelação causou mal-estar não só entre ambientalistas e ativistas dos direitos dos animais como também no seio dos acionistas da empresa, o que levou a marca a agir. Além da incineração dos produtos, a Burberry também anunciou que não vai mais utilizar peles verdadeiras nas peças de roupa.

Confrontada com um mercado cada vez mais exigente e que diz ‘não’ a produtos e iniciativas não sustentáveis, a marca de luxo, que atualmente usa peles de animais como coelho, raposa e guaxinim asiático nas suas coleções, prometeu parar de usá-las no futuro.

A empresa britânica informou ainda que firmou parcerias para criar novos materiais e reutilizar sobras de tecido e que vai retirar do mercado as peças feitas com peles verdadeiras que ainda se encontram à venda.

Em declarações à BBC, a PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) mostrou-se satisfeita com a decisão. “As poucas casas de moda que se recusam a modernizar-se e a ouvir a opinião pública – que é contra o uso de pele verdadeira – agora estão na praça pública”, explica a associação.

“Se querem continuar a ser relevantes numa indústria em constante mudança, não têm escolha a não ser parar de usar peles roubadas de animais para os seus casacos, golas e punhos”, acrescentou.

Esforço para reciclar

A Burberry informou que já reutiliza, conserta, doa e recicla produtos que não foram vendidos e prometeu aumentar os esforços para não destruir peças.

No ano passado, a empresa iniciou uma parceria com a empresa Elvis & Kresse, marca de luxo que vende produtos sustentáveis, para que 120 toneladas de cortes de couro sejam transformados em novos produtos nos próximos cinco anos.

Ao mesmo tempo, a Burberry também criou um grupo com o Royal College of Art, em Londres, para criar novos materiais sustentáveis. “O luxo moderno significa ser social e ambientalmente responsável”, disse o diretor-executivo da marca, Marco Gobbetti.

“Essa crença é fundamental para nós e para o nosso sucesso a longo prazo. Estamos comprometidos em aplicar o mesmo princípio em todas as partes da Burberry, tal como fazemos com os nossos produtos”, garante.

A Burberry não é a única empresa a ter de lidar com o excesso de produtos não vendidos. Outro exemplo é a Richemont, dona das marcas Cartier e Montblanc, que teve de recomprar relógios no valor de 480 milhões de euros nos últimos dois anos. Analistas dizem que parte dos relógios seria reciclada e o restante seria deitado fora.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …