Brasil é o país lusófono com mais refugiados. Já Portugal tem as maiores remessas dos emigrantes

Um relatório das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil é o país lusófono que acolhe mais refugiados, Portugal é o que recebe mais remessas dos emigrantes e Moçambique teve o maior aumento de estrangeiros em dois anos.

O relatório do departamento de Assuntos Económicos e Sociais da ONU, consultado pela agência Lusa, indica que o Brasil acolhe 96 mil refugiados, o maior número no universo de nove países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Portugal recebeu, em 2018, remessas no valor de 4.773,4 milhões de dólares (4.331,3 milhões de euros) dos seus emigrantes, muito mais do que qualquer outro país lusófono.

Desde 2017, o maior aumento de migrantes foi verificado em Moçambique, que conta mais 88 mil estrangeiros.

A Guiné-Bissau é o país com população imigrante mais jovem, com uma média de 24,7 anos. É também o país lusófono que registou a maior descida das remessas dos emigrantes desde 2016.

Os países têm níveis muito próximos entre homens e mulheres migrantes, menos a Guiné Equatorial, em que apenas 22,9% dos estrangeiros são mulheres.

Com 888.200 estrangeiros contabilizados em Portugal, o que significa 8,7% da população e um aumento de oito mil pessoas desde 2017, a ONU estima que estejam a viver também cerca de 1.700 refugiados no país.

A idade média dos migrantes que estão atualmente em Portugal é de 43,3 anos, sendo que a esmagadora maioria (83,2% dos migrantes) tem idades compreendidas entre os 20 e 64 anos e apenas 7,2% são menores de 19 anos.

Ghith Sy / EPA

Segundo o relatório, no ano passado, os emigrantes portugueses enviaram para Portugal remessas no valor de 4.773,4 milhões de dólares (4.331,3 milhões de euros). O valor terá subido em cerca de 172,5 milhões de euros desde 2016.

O Brasil acolhe mais 71 mil migrantes do que há dois anos, tendo agora 807 mil pessoas nascidas fora do país. Porém, neste número não foram contados os refugiados e requerentes de asilo, sendo 96 mil nesta situação. A idade média dos migrantes é de 40,2 anos e 21,4% destes têm mais de 65 anos.

Em 2018, o Brasil recebeu 2.933,6 milhões de dólares dos seus emigrantes, mais 193 milhões do que há três anos.

Angola teve um aumento de 31 mil migrantes desde 2017, sendo agora casa de 669,5 mil pessoas nascidas noutro país, que incluem 71,3 mil refugiados. A quase totalidade dos migrantes é proveniente da África Subsariana e a idade média dos migrantes situa-se nos 33,6 anos.

O documento indica que as remessas dos emigrantes angolanos para o país estão na ordem de 1,5 milhões de dólares em 2018, no entanto os dados do último relatório mostravam 11 milhões de dólares em 2016.

Cabo Verde recebe 15,7 mil migrantes, com uma média de 40 anos e, neste relatório, não acolhe refugiados. O número manteve-se quase igual a 2017 (15,3 mil de pessoas nascidas noutro país). Mais de 87% dos migrantes têm idades entre 20 e 64 anos.

Em 2018, o país insular recebeu 242,6 milhões de euros dos emigrantes, um aumento de 24,6 milhões relativamente a 2016.

Guiné-Bissau recebe atualmente 26,9 mil pessoas nascidas noutro país, quase todas nascidas na África Subsariana, dos quais 11,2 mil são refugiados e requerentes de asilo (41,7% dos migrantes). A idade dos estrangeiros é de uma média de 24,7 anos, sendo que 41% dos migrantes têm menos de 19 anos e 54,5% têm entre 20 e 64 anos.

O país recebeu no ano passado 26,5 milhões de dólares provenientes dos emigrantes, uma descida de 12,5 milhões desde 2016.

A Guiné Equatorial conta com 227,6 mil de cidadãos de outras nacionalidades, cerca de 16,8% da população total do país. Os estrangeiros têm, em quase todos os casos (97,2%) idades entre 20 e 64 anos e apenas 22,9% dos estrangeiros são mulheres. Não existem dados sobre as remessas dos emigrantes para a Guiné Equatorial.

Com 23,7 mil refugiados, Moçambique conta com 334,7 mil migrantes, mais 87,7 mil migrantes do que há dois anos. A idade média é de 30,7 anos. Com um aumento de 156 milhões de dólares nas remessas dos emigrantes desde 2016, o país recebeu um total de 354 milhões em 2018.

São Tomé e Príncipe conta atualmente com 2.200 cidadãos de outras nacionalidades, com 95% de probabilidade que sejam nascidos noutros países da África Subsariana. Os números são praticamente iguais a 2017, sem nenhum refugiado registado. O país terá recebido 17,1 milhões dólares dos emigrantes em 2018, um milhão mais do que em 2016.

Timor-Leste é casa de 8.400 pessoas nascidas noutros países, com uma idade média de 32,4 anos. Dos cidadãos nascidos noutros países e com residência em Timor-Leste, apenas 39,6% são mulheres, uma descida de dez pontos percentuais em relação a 2017. No ano passado, o país recebeu mais 20 milhões de dólares dos emigrantes do que em 2016, indicando 88,5 milhões de dólares para 2018.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …

Brexit: Hoje era o Dia D (mas afinal, fica tudo na mesma)

Devia ter sido o dia decisivo para o Brexit no Parlamento do Reino Unido, mas o processo foi mais uma vez adiado.  Foi aprovada uma emenda que obriga o primeiro-ministro Boris Johnson a pedir um novo …