Brasil é o país lusófono com mais refugiados. Já Portugal tem as maiores remessas dos emigrantes

Um relatório das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil é o país lusófono que acolhe mais refugiados, Portugal é o que recebe mais remessas dos emigrantes e Moçambique teve o maior aumento de estrangeiros em dois anos.

O relatório do departamento de Assuntos Económicos e Sociais da ONU, consultado pela agência Lusa, indica que o Brasil acolhe 96 mil refugiados, o maior número no universo de nove países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Portugal recebeu, em 2018, remessas no valor de 4.773,4 milhões de dólares (4.331,3 milhões de euros) dos seus emigrantes, muito mais do que qualquer outro país lusófono.

Desde 2017, o maior aumento de migrantes foi verificado em Moçambique, que conta mais 88 mil estrangeiros.

A Guiné-Bissau é o país com população imigrante mais jovem, com uma média de 24,7 anos. É também o país lusófono que registou a maior descida das remessas dos emigrantes desde 2016.

Os países têm níveis muito próximos entre homens e mulheres migrantes, menos a Guiné Equatorial, em que apenas 22,9% dos estrangeiros são mulheres.

Com 888.200 estrangeiros contabilizados em Portugal, o que significa 8,7% da população e um aumento de oito mil pessoas desde 2017, a ONU estima que estejam a viver também cerca de 1.700 refugiados no país.

A idade média dos migrantes que estão atualmente em Portugal é de 43,3 anos, sendo que a esmagadora maioria (83,2% dos migrantes) tem idades compreendidas entre os 20 e 64 anos e apenas 7,2% são menores de 19 anos.

Ghith Sy / EPA

Segundo o relatório, no ano passado, os emigrantes portugueses enviaram para Portugal remessas no valor de 4.773,4 milhões de dólares (4.331,3 milhões de euros). O valor terá subido em cerca de 172,5 milhões de euros desde 2016.

O Brasil acolhe mais 71 mil migrantes do que há dois anos, tendo agora 807 mil pessoas nascidas fora do país. Porém, neste número não foram contados os refugiados e requerentes de asilo, sendo 96 mil nesta situação. A idade média dos migrantes é de 40,2 anos e 21,4% destes têm mais de 65 anos.

Em 2018, o Brasil recebeu 2.933,6 milhões de dólares dos seus emigrantes, mais 193 milhões do que há três anos.

Angola teve um aumento de 31 mil migrantes desde 2017, sendo agora casa de 669,5 mil pessoas nascidas noutro país, que incluem 71,3 mil refugiados. A quase totalidade dos migrantes é proveniente da África Subsariana e a idade média dos migrantes situa-se nos 33,6 anos.

O documento indica que as remessas dos emigrantes angolanos para o país estão na ordem de 1,5 milhões de dólares em 2018, no entanto os dados do último relatório mostravam 11 milhões de dólares em 2016.

Cabo Verde recebe 15,7 mil migrantes, com uma média de 40 anos e, neste relatório, não acolhe refugiados. O número manteve-se quase igual a 2017 (15,3 mil de pessoas nascidas noutro país). Mais de 87% dos migrantes têm idades entre 20 e 64 anos.

Em 2018, o país insular recebeu 242,6 milhões de euros dos emigrantes, um aumento de 24,6 milhões relativamente a 2016.

Guiné-Bissau recebe atualmente 26,9 mil pessoas nascidas noutro país, quase todas nascidas na África Subsariana, dos quais 11,2 mil são refugiados e requerentes de asilo (41,7% dos migrantes). A idade dos estrangeiros é de uma média de 24,7 anos, sendo que 41% dos migrantes têm menos de 19 anos e 54,5% têm entre 20 e 64 anos.

O país recebeu no ano passado 26,5 milhões de dólares provenientes dos emigrantes, uma descida de 12,5 milhões desde 2016.

A Guiné Equatorial conta com 227,6 mil de cidadãos de outras nacionalidades, cerca de 16,8% da população total do país. Os estrangeiros têm, em quase todos os casos (97,2%) idades entre 20 e 64 anos e apenas 22,9% dos estrangeiros são mulheres. Não existem dados sobre as remessas dos emigrantes para a Guiné Equatorial.

Com 23,7 mil refugiados, Moçambique conta com 334,7 mil migrantes, mais 87,7 mil migrantes do que há dois anos. A idade média é de 30,7 anos. Com um aumento de 156 milhões de dólares nas remessas dos emigrantes desde 2016, o país recebeu um total de 354 milhões em 2018.

São Tomé e Príncipe conta atualmente com 2.200 cidadãos de outras nacionalidades, com 95% de probabilidade que sejam nascidos noutros países da África Subsariana. Os números são praticamente iguais a 2017, sem nenhum refugiado registado. O país terá recebido 17,1 milhões dólares dos emigrantes em 2018, um milhão mais do que em 2016.

Timor-Leste é casa de 8.400 pessoas nascidas noutros países, com uma idade média de 32,4 anos. Dos cidadãos nascidos noutros países e com residência em Timor-Leste, apenas 39,6% são mulheres, uma descida de dez pontos percentuais em relação a 2017. No ano passado, o país recebeu mais 20 milhões de dólares dos emigrantes do que em 2016, indicando 88,5 milhões de dólares para 2018.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …

"Botellón" está de volta a Lisboa. Ajuntamentos sem controle podem estar a espalhar o vírus

Há cada vez mais ajuntamentos de jovens em Lisboa, nomeadamente nos bairros típicos, mas também em locais como bombas de gasolina, para o convívio e o consumo de álcool. Um tipo de comportamento que está …

Trump negou ter-se abrigado num bunker da Casa Branca por causa dos protestos

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, negou esta quarta-feira ter sido escoltado para um 'bunker' na Casa Branca, devido aos protestos pela morte de George Floyd, alegando ter ido lá apenas para inspecionar …

Itália. Manifestantes desviam as máscaras e protestam contra medidas para conter pandemia

Centenas de manifestantes se reuniram em Roma, desviando as suas máscaras dos rostos, para protestar contra as medidas do Governo italiano para impedir a propagação do coronavírus. Segundo avançou na terça-feira a Time, os manifestantes, que …

Brasil pagou anúncios em sites investigados por publicar notícias falsas, avança O Globo

O Governo brasileiro publicou milhões de anúncios oficiais em sites investigados por divulgar notícias falsas, avança o jornal O Globo. O Governo do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, publicou milhões de anúncios oficiais em sites investigados por …

A covid-19 foi o balde de água fria de muitos países, mas pode ser uma oportunidade para a Nigéria

O mundo está a braços com uma pandemia e a Nigéria não é exceção. Agora que o país está a aliviar as restrições impostas para conter a disseminação do novo coronavírus, já se olha para …

Cidade japonesa propõe nova lei que proíbe uso do telemóvel enquanto se caminha

O Governo da cidade de Yamato, no Japão, propôs uma nova lei para proibir os pedestres de olhar para os seus telemóveis enquanto caminham nas ruas. Caso seja aprovada, entra em vigor a partir de …