Brasil é o país lusófono com mais refugiados. Já Portugal tem as maiores remessas dos emigrantes

Um relatório das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil é o país lusófono que acolhe mais refugiados, Portugal é o que recebe mais remessas dos emigrantes e Moçambique teve o maior aumento de estrangeiros em dois anos.

O relatório do departamento de Assuntos Económicos e Sociais da ONU, consultado pela agência Lusa, indica que o Brasil acolhe 96 mil refugiados, o maior número no universo de nove países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Portugal recebeu, em 2018, remessas no valor de 4.773,4 milhões de dólares (4.331,3 milhões de euros) dos seus emigrantes, muito mais do que qualquer outro país lusófono.

Desde 2017, o maior aumento de migrantes foi verificado em Moçambique, que conta mais 88 mil estrangeiros.

A Guiné-Bissau é o país com população imigrante mais jovem, com uma média de 24,7 anos. É também o país lusófono que registou a maior descida das remessas dos emigrantes desde 2016.

Os países têm níveis muito próximos entre homens e mulheres migrantes, menos a Guiné Equatorial, em que apenas 22,9% dos estrangeiros são mulheres.

Com 888.200 estrangeiros contabilizados em Portugal, o que significa 8,7% da população e um aumento de oito mil pessoas desde 2017, a ONU estima que estejam a viver também cerca de 1.700 refugiados no país.

A idade média dos migrantes que estão atualmente em Portugal é de 43,3 anos, sendo que a esmagadora maioria (83,2% dos migrantes) tem idades compreendidas entre os 20 e 64 anos e apenas 7,2% são menores de 19 anos.

Ghith Sy / EPA

Segundo o relatório, no ano passado, os emigrantes portugueses enviaram para Portugal remessas no valor de 4.773,4 milhões de dólares (4.331,3 milhões de euros). O valor terá subido em cerca de 172,5 milhões de euros desde 2016.

O Brasil acolhe mais 71 mil migrantes do que há dois anos, tendo agora 807 mil pessoas nascidas fora do país. Porém, neste número não foram contados os refugiados e requerentes de asilo, sendo 96 mil nesta situação. A idade média dos migrantes é de 40,2 anos e 21,4% destes têm mais de 65 anos.

Em 2018, o Brasil recebeu 2.933,6 milhões de dólares dos seus emigrantes, mais 193 milhões do que há três anos.

Angola teve um aumento de 31 mil migrantes desde 2017, sendo agora casa de 669,5 mil pessoas nascidas noutro país, que incluem 71,3 mil refugiados. A quase totalidade dos migrantes é proveniente da África Subsariana e a idade média dos migrantes situa-se nos 33,6 anos.

O documento indica que as remessas dos emigrantes angolanos para o país estão na ordem de 1,5 milhões de dólares em 2018, no entanto os dados do último relatório mostravam 11 milhões de dólares em 2016.

Cabo Verde recebe 15,7 mil migrantes, com uma média de 40 anos e, neste relatório, não acolhe refugiados. O número manteve-se quase igual a 2017 (15,3 mil de pessoas nascidas noutro país). Mais de 87% dos migrantes têm idades entre 20 e 64 anos.

Em 2018, o país insular recebeu 242,6 milhões de euros dos emigrantes, um aumento de 24,6 milhões relativamente a 2016.

Guiné-Bissau recebe atualmente 26,9 mil pessoas nascidas noutro país, quase todas nascidas na África Subsariana, dos quais 11,2 mil são refugiados e requerentes de asilo (41,7% dos migrantes). A idade dos estrangeiros é de uma média de 24,7 anos, sendo que 41% dos migrantes têm menos de 19 anos e 54,5% têm entre 20 e 64 anos.

O país recebeu no ano passado 26,5 milhões de dólares provenientes dos emigrantes, uma descida de 12,5 milhões desde 2016.

A Guiné Equatorial conta com 227,6 mil de cidadãos de outras nacionalidades, cerca de 16,8% da população total do país. Os estrangeiros têm, em quase todos os casos (97,2%) idades entre 20 e 64 anos e apenas 22,9% dos estrangeiros são mulheres. Não existem dados sobre as remessas dos emigrantes para a Guiné Equatorial.

Com 23,7 mil refugiados, Moçambique conta com 334,7 mil migrantes, mais 87,7 mil migrantes do que há dois anos. A idade média é de 30,7 anos. Com um aumento de 156 milhões de dólares nas remessas dos emigrantes desde 2016, o país recebeu um total de 354 milhões em 2018.

São Tomé e Príncipe conta atualmente com 2.200 cidadãos de outras nacionalidades, com 95% de probabilidade que sejam nascidos noutros países da África Subsariana. Os números são praticamente iguais a 2017, sem nenhum refugiado registado. O país terá recebido 17,1 milhões dólares dos emigrantes em 2018, um milhão mais do que em 2016.

Timor-Leste é casa de 8.400 pessoas nascidas noutros países, com uma idade média de 32,4 anos. Dos cidadãos nascidos noutros países e com residência em Timor-Leste, apenas 39,6% são mulheres, uma descida de dez pontos percentuais em relação a 2017. No ano passado, o país recebeu mais 20 milhões de dólares dos emigrantes do que em 2016, indicando 88,5 milhões de dólares para 2018.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …