Depois do boom turístico e dos milhões estrangeiros, instala-se a crise na habitação

O retrato de uma Lisboa como cidade de imóveis devolutos e degradados deu lugar a uma versão ‘very typical‘ de uma região que cresceu à custa do boom turístico e do investimento estrangeiro no imobiliário, para agora enfrentar uma crise na habitação.

Além do burburinho das obras de reabilitação, Lisboa foi invadida pela desordem ruidosa das malas de viagem a calcorrear a calçada portuguesa – uma parte de turistas e residentes estrangeiros que se instalam na cidade, outra de famílias portuguesas despejadas de casas arrendadas e ‘empurradas’ para os concelhos periféricos, devido à subida do preço das casas.

Apesar de a crise coincidir com o boom turístico, proprietários e inquilinos dizem que um dos principais responsáveis pelos aumentos foi o investimento de estrangeiros no mercado imobiliário, sobretudo através dos Vistos Gold.

“Como as pessoas [cidadãos estrangeiros] tinham de investir, necessariamente, 500 mil euros, isso provocava uma subida do imobiliário“, afirma o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários, Luís Menezes Leitão, em declarações à Lusa, culpando o Governo pela quebra da oferta no arrendamento, devido às alterações legislativas, como a prorrogação do período transitório dos contratos com rendas antigas, o que criou uma “crise de confiança” no mercado.

Aumento “muito grande” das rendas

No distrito de Lisboa, o aumento do preço das rendas “está a ser muito grande”, com subidas na “ordem dos 8% ao ano”, diz Menezes Leitão, explicando que a dinâmica “começa na capital e depois vai-se expandindo, como se fosse uma onda, para os concelhos limítrofes”.

Em 2018, houve uma quebra de 20% nos contratos de arrendamento na capital, segundo Menezes Leitão que prevê que, este ano, haverá “uma quebra semelhante” e “é muito provável que as rendas subam muito mais“.

Segundo o presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses, Romão Lavadinho, foram muitos os estrangeiros a comprar propriedades em Portugal, colocando os imóveis no mercado de arrendamento a valores muito especulativos.

“Houve um aumento dos despejos, especialmente por questões do chamado bullying, ou seja, da pressão que os proprietários têm feito sobre os inquilinos”, refere, acrescentando que a intenção foi aumentar o valor das rendas com a celebração de novos contratos ou a transacção de imóveis.

Os inquilinos lamentam que na cidade de Lisboa as rendas cheguem a 20 euros por metro quadrado, resultando em valores de 2.000 euros para casas de 100 metros quadrados.

Na periferia a situação é menos grave, mas não deixa de preocupar. “A norte do Tejo, na Amadora, Queluz, Sintra, etc, os mínimos não são menos de 850, 1000 euros”, aponta Romão Lavadinho.

O peso do turismo

Proprietários e inquilinos falam também do impacto do alojamento local, com senhorios a direccionarem a oferta de arrendamento tradicional para alojar turistas ou a utilizarem imóveis devolutos para esse fim, sobretudo no centro histórico da capital.

“O alojamento local faz parte de uma transformação grande de Lisboa”, sublinha o presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal, Eduardo Miranda, admitindo que “existe uma pressão a nível estrutural em termos de habitação”, mas que tal resulta da “falta de investimento, falta de oferta, com décadas“, na habitação.

Destacando a “rápida resposta” do alojamento local ao aumento da procura turística, Eduardo Miranda afirma que o crescimento da actividade no distrito de Lisboa representa hoje 30% do total a nível nacional. Eventos como a Web Summit e a Champions League, diz, não eram sequer viáveis em Lisboa sem esta oferta.

Actualmente, o alojamento local regista um abrandamento, com um ritmo menor de crescimento, de perto de 50% no distrito de Lisboa e de 60% na capital, revela este representante, salientando que “não é uma actividade de investimento imobiliário, de rentabilização imobiliária”, mas “uma actividade de pessoas que querem e gostam da prestação de serviços”, em que quase 90% dos operadores são famílias, micro e pequenas empresas.

“Se não fosse o alojamento local, muita desta procura não tinha destino”, reconhece a presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Cristina Siza Vieira, considerando “saudável” a concorrência entre diferentes ofertas de alojamento.

O “grande boom nas dormidas” em Lisboa

Na hotelaria, houve “um boom grande nas dormidas” em 2016 e 2017 no distrito, mas com um crescimento médio “sustentado”, quer em termos da oferta, quer em termos da procura, frisa Cristina Siza Vieira. Ainda assim, acrescenta, a capacidade máxima da oferta nunca se esgotou.

A taxa de ocupação hoteleira em Lisboa foi de 81% durante 2018, enquanto a média nacional ficou em 70%. Segundo a AHP, houve mais 12 hotéis no distrito de Lisboa, contabilizando-se 189 no total de 1.362 unidades hoteleiras em Portugal, e está prevista, para este ano, a abertura de “cerca de 25 hotéis” na área metropolitana.

Classificando o imobiliário como “petróleo e ouro” do país, o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, Luís Lima, destaca a “recuperação total” no mercado de compra e venda, em consequência do investimento estrangeiro, durante os últimos quatro anos, período em que “não houve um investimento a nível do mercado de arrendamento”.

Investiu-se mais, sublinha, no alojamento local e a oferta tornou-se escassa. “Quando há muita oferta e pouca procura, os preços crescem para níveis que os cidadãos portugueses não podem pagar”, conclui Luís Lima.

Sobre a intervenção política no sector da habitação, com grande impacto em Lisboa, os inquilinos recordam a “retirada de direitos” com a lei Cristas de 2012, que liberalizou o arrendamento, enquanto os proprietários criticam a criação do imposto Mortágua, designado Adicional do Imposto Municipal sobre Imóveis, que se aplica apenas a imóveis habitacionais.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Consequências da lei das rendas criada e implementada pelo Centro Democrático Social (CDS) e o Partido Social Democrata (PSD), durante a governação neoliberal.

    • O amigo só se esqueceu de dizer que também resulta do forte aumento do turismo como resultado da ação do governo desses dois mesmos partidos. O amigo só vê o que quer.
      E pelo meio não se esqueça que o seu amigo Costa comprou e vendeu uma casa, alegando que seria para o filho, em meia dúzia de meses pelo dobro do preço que a comprou. E do outro partido que sustentou a chulice destes últimos 4 anos ainda tinha o amigo Robles.
      Sabe amigo… vá enganar a sua tia!

    • Durante a governação neoliberal, não! Foi durante a governação do pós bancarrota socialista, quando o país foi hipotecado à Troika.

    • Democrata mas eu alguma vez tive o direito de morar em Lisboa? Nunca tive. Querem portugueses em Lisboa? Veja la se o PS prescinde do IMI ou do IRC de casas alugadas a portugueses.
      E que seguranca tem quem aluga a longo prazo a portugueses que nao pagam? Nenhuma.
      Tenha juizo

  2. CDS e PSD são a escória de Portugal. Isto das renda aumentarem todos os anos por culpa desses energúmenos, arruinaram as pessoas. Continuem a votar nesses bastardos….

  3. Que crise na habitação? A minha casa a 45 kms de Lisboa valia 75.000 agora vale 225.000 10 anos depois, estou feliz. Trabalho para o estrangeiro, viajo, mas vivo em Portugal. Sò preciso de internet rapida e fiável. O resto ja nada me diz. Crise? Que crise?

RESPONDER

A icónica tapeçaria "Guernica" de Picasso foi retirada da ONU. Rockfeller pediu-a de volta

A icónica tapeçaria "Guernica", de Pablo Picasso, foi retirada do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) onde estava há mais de 30 anos. A pintura “Guernica”, considerada uma das obras-primas de Picasso …

Este robô-tartaruga não precisa de circuitos eletrónicos para andar. Basta ar

O robô macio de quatro patas, criado por uma equipa da Universidade da Califórnia, não precisa de nenhum circuito eletrónico para funcionar. Os robôs macios têm captado a atenção dos cientistas e o mais recente, criado …

Norte-americano cria secretária para manter crianças seguras durante os tiroteios nas escolas

Um norte-americano desenvolveu uma secretária à prova de bala para assegurar um lugar seguro às crianças dos Estados Unidos em situações de tiroteio. Passaram três anos desde que, a 14 de fevereiro de 2018, Nikolas Cruz entrou …

A Cidade do México proibiu tampões menstruais com aplicador. Agora, as mulheres estão furiosas

A Cidade do México já tinha proibido outros objetos compostos por plástico, como é o caso de copos e palhinhas, mas agora foi mais longe e resolveu banir os tampões menstruais que contém aplicadores. No …

Benfica 2-0 Rio Ave | Águia volta a voar

O Benfica regressou às vitórias na Liga NOS, três jogos depois. A formação “encarnada” recebeu e venceu o Rio Ave por 2-0, com os dois golos apontados por Haris Seferovic e Pizzi numa segunda parte …

Criança de dois anos cai do 12º andar (mas acaba por ser salva por estafeta)

No passado domingo, em Honói, na capital do Vietname, um estafeta salvou a vida de uma criança de dois anos que caiu do 12° andar de um prédio. Nguyen Ngoc Manh é agora conhecido como …

Em França, livrarias e lojas de discos são agora "comércio essencial"

O decreto de lei do Governo francês, publicado na última sexta-feira, incluiu as livrarias e lojas de discos na lista do chamado "comércio essencial", podendo permanecer abertas em caso de confinamento. Em declarações à agência France-Presse, …

Icebergue maior que Nova Iorque parte-se perto de estação de investigação na Antártida

Um icebergue gigante partiu-se esta sexta-feira na plataforma de gelo de Brunt, na Antártida, perto de um posto de investigação do British Antartic Survey (BAS). O bloco de gelo, com 1.270 quilómetros quadrados, será ainda maior …

A Greenpeace está a atirar pedras gigantes para o Mar do Norte. Eis a razão

Na semana passada, a Greenpeace atirou pedras gigantes ao mar ao redor do Reino Unido. Esta ação faz parte do objetivo da organização de acabar com os barcos de pesca de arrasto no fundo do …

Deco avança para tribunal contra Apple por manipulação de desempenho dos iPhones 6

A Deco Proteste anunciou esta segunda-feira que avançou com uma ação judicial contra a Apple, acusando-a de práticas enganosas por ter manipulado os iPhones 6, 6 Plus, 6S e 6S Plus para se tornarem obsoletos …