De olhos postos em Almada e com a aposta em Joana Mortágua, o Bloco volta a prometer passes a 20 euros

Manuel Fernando Araújo / Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins.

Em campanha em Almada com Joana Mortágua, a habitação e os passes sociais foram os temas em cima da mesa do Bloco de Esquerda.

Depois de andar em campanha no Norte, o Bloco de Esquerda foi por Portugal abaixo e parou em Almada, onde a actual vereadora Joana Mortágua é a aposta para a autarquia.

A chuva repentina inspirou o discurso da candidata, que afirma que “faça chuva ou faça sol, o Bloco de Esquerda pode e vai ficar à frente da direita”. Recorde-se que Inês de Medeiros, do PS, conquistou Almada há quatro anos e aliou-se ao PSD, uma câmara historicamente nas mãos da CDU.

O deputado Pedro Filipe Soares deixou críticas ao bloco central em Almada e fez um trocadilho com as duas margens do Tejo. “Quando o PS quis falar à esquerda, em Lisboa, o Bloco soube dialogar e colocar no centro matérias fundamentais para o viver da cidade. Quando o PS quis falar à direita, dissemos que quem escolhe governar à direita, não tem o apoio do Bloco de Esquerda”, afirmou.

Joana Mortágua apostou na habitação como trunfo para captar votos. “Deixem-se entusiasmar pela candidatura do Bloco, deixem-se entusiasmar pela ideia de que é possível ter 25% de habitação a custos controlados em construção nova, de que é possível não ter medo”, discursou.

A candidata contou também uma história das dificuldades do acesso à habitação na cidade e ironizou sobre como seria bom se em Almada “nascessem casas como nascem rotundas ou hotéis de luxo”. “O PS corre agora a prometer aquilo que não fez. Onde ficaram as promessas de há quatro anos?”, questionou Mortágua.

A escritora Luísa Costa Gomes também já tinha deixado alfinetadas à governação de Inês de Medeiros da habitação, referindo que a autarquia “rejeita” quem vive em Almada e que se rende “à monocultura do turismo“.

Já Catarina Martins preferiu focar-se na mobilidade. Durante uma viagem de metro, a líder bloquista criticou o “péssimo” anúncio do governo sobre o travão ao aumento dos custos da electricidade em 2022 porque a medida vai ser financiada pelo Fundo Ambiental e vai “roubar nos transportes” em prol dos “lucros estratosféricos das eléctricas”.

Durante o seu discurso, Catarina Martins voltou ao tema, lembrando que os 150 milhões que o governo vai usar do Fundo Ambiental foi o mesmo preço da redução dos passes sociais em 2019.

A coordenadora do Bloco garante que o partido usaria esse dinheiro para fazer “o caminho para que os estudantes, os pensionistas e as pessoas desempregadas não paguem passe social e para que não haja nenhum passe social no país a custar mais de 20 euros por mês.”

  Adriana Peixoto, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O pior desastre nuclear da história dos EUA pode ter sido fruto de uma brincadeira

O SL-1 era um reator nuclear experimental de baixa potência, localizado no Idaho, nos EUA, que tinha como objetivo fornecer energia a pequenas instalações militares remotas no início dos anos 1960. O reator acabou por ficar …

PJ deteve quarto suspeito da morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, ao final da tarde desta quinta-feira, um quarto suspeito da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Durante a tarde de hoje, em conferência …

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e a ministra da Saúde, Marta Temido

Saúde, Trabalho e Cultura. As medidas aprovadas pelo Governo para facilitar a negociação do OE

Novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, Agenda do Trabalho Digno e a versão final do Estatuto dos Profissionais da Cultura foram os grandes destaques da conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta …

Banido do Facebook, Donald Trump aposta na criação da sua própria rede social

Nova rede social deverá estar disponível a partir do início do próximo ano e é uma resposta do antigo presidente às empresas que o decidiram banir. O antigo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou o …

Um cigarro aceso

"Fumar mata." Deputados britânicos querem que o aviso seja impresso em cada cigarro

Para desencorajar os fumadores, os deputados britânicos querem imprimir o slogan "Fumar mata" em cada cigarro de um maço de tabaco. Deputados britânicos apresentaram, no Parlamento, uma emenda à Lei de Saúde e Cuidados de Saúde …

Ludogorets 0-1 Braga | Horta bracarense dá frutos cedo

O Sporting de Braga conseguiu um importante triunfo por 1-0 na deslocação ao terreno do Ludogorets, no Grupo F da Liga Europa. A formação lusa não quis perder tempo e marcou logo aos sete minutos, por …

PJ admite mais pessoas envolvidas na morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) admitiu, esta quinta-feira, que estejam mais pessoas envolvidas na morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Os dados foram avançados esta tarde, em conferência de …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo continua a "desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o OE passar"

O Presidente da República afirmou, esta quinta-feira, que continua "a desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o Orçamento passar" e considerou que os próximos dias, com reuniões partidárias até ao fim-de-semana, "são …

Facebook acorda com parte da imprensa diária francesa pagar "direitos conexos"

O Facebook chegou a um acordo com parte da imprensa diária francesa para pagar "direitos conexos", anunciou a rede social norte-americana, algumas semanas depois de assinar acordos semelhantes com o Le Monde e o Le …

Os trabalhadores que acumulam empregos em teletrabalho — e em segredo

Com a normalização do teletrabalho nos últimos anos, há cada vez mais pessoas que acumulam dois empregos a tempo inteiro — e em segredo. Têm dois endereços de e-mail profissionais, dois computadores, dois patrões e... dois …