Biden propõe ajuda financeira para as famílias separadas na fronteira com o México

jlhervàs / Flickr

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden

Os EUA poderão vir a pagar transportes, cuidados de saúde, serviços jurídicos e serviços de emprego e de educação aos migrantes que foram separados ao abrigo da estratégia de “tolerância zero” nas fronteiras, disse o Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS) na segunda-feira.

O objetivo é orientar o plano de reunificação familiar, numa altura em que o governo procura identificar e reunir com os pais as mais de 500 crianças migrantes separadas pela política de fronteiras do seu antecessor.

“Estamos a empenhar todos os esforços através do Departamento de Segurança Interna e do governo federal para reunir as crianças que foram cruelmente separadas dos seus pais”, disse o secretário do DHS, Alejandro Mayorkas, numa declaração escrita.

Em 2018, Donald Trump instituiu a estratégia da “tolerância zero”, que determinou que quem cruzasse as fronteiras fora dos locais oficiais seria detido e julgado. Assim, milhares de crianças foram separadas na fronteira dos EUA com o México dos pais que tentavam entrar de forma ilegal à procura de refúgio ou de trabalho.

Biden pôs fim a esta política dias após a tomada de posse, mas reverter os efeitos da medida vai levar meses, senão anos. Como mencionou a porta-voz do Presidente dos EUA, Jen Psaki, “queremos agir rapidamente, queremos agir prontamente, mas também precisamos de ter a certeza que o fazemos através de um processo político estratégico”.

Na mesma ordem executiva do dia 2 de Fevereiro, a administração Biden propôs considerar igualmente trazer os pais deportados de volta aos Estados Unidos.

Como política alternativa, face à situação crítica dos migrantes, Biden planeia criar programas para acompanhar quem entra nos EUA e assegurar que lhes seja concedida autorização, ao invés de detê-los de imediato na fronteira, avança a Reuters.

Contudo, com milhares de migrantes à espera em campos junto à fronteira do México de uma resposta da nova administração, Biden já tinha avisado em Dezembro que iria proceder de forma gradual para evitar uma corrida para entrar nos EUA.

Obrador vai pedir a Biden para partilhar vacinas com o México

O Presidente do México vai pedir ao seu homólogo norte-americano, Joe Biden, para considerar partilhar parte das provisões de vacinas contra o coronavírus dos Estados Unidos com o México, o seu vizinho mais pobre a Sul.

Segundo responsáveis dos Governos de ambos os países, este pedido está previsto acontecer quando os dois líderes participarem numa cimeira por videoconferência na segunda-feira.

López Obrador tem sido um dos líderes dos chamados países em desenvolvimento que mais têm pressionado os países ricos a incrementarem o acesso das nações pobres às vacinas. O chefe de Estado mexicano rotula o atual sistema de distribuição de “totalmente injusto”.

“Estamos garantidamente à espera que isso [pedido de vacinas] surja durante a cimeira”, afirmou o funcionário norte-americano.

Um responsável mexicano explicou, por sua vez, que López Obrador pretende pedir um empréstimo de vacinas dos EUA, que será pago quando as vacinas requisitadas com as farmacêuticas com as quais o México assinou contratos forem entregues, mais tarde neste ano.

De acordo com o site noticioso mexicano Proceso, o Presidente do México levantou esta questão a Biden quando os dois falaram ao telefone, em Janeiro, pouco tempo depois da tomada de posse do chefe de Estado norte-americano.

Apesar de Biden ter aumentado o financiamento dos esforços internacionais de combate à covid-19, poderá enfrentar oposição interna se começar a enviar já carregamentos de vacinas para outros países.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Prosecco ou prošek? A batalha da UE entre Itália e Croácia por causa de vinho

Prosecco é provavelmente o vinho italiano mais famoso, mas por trás da efervescência deste néctar, a Itália está numa grande disputa sobre se a Croácia pode vender um vinho de sobremesa com o nome de …

China vai limitar abortos. E nada tem a ver com saúde

A China vai reduzir o número de abortos realizados por motivos que não estejam relacionados com a saúde, anunciou o governo esta segunda-feira, avançando que serão também criadas medidas para evitar a gravidez indesejada. As autoridades …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: SL7, arte e paciência

Líder soma e segue. Leões e dragões vencem à justa. As frases e os números da semana. Visto da Linha de Fundo. Líder reina no castelo Vitória SC 1 (Bruno Duarte 78', g.p.) – SL Benfica …

"Atropelamento e fuga." Terra e Vénus cresceram como planetas rebeldes

Planetas como a Terra e Vénus, que residem dentro de Sistemas Solares, são fruto de repetidas colisões. Esta conclusão desafia os modelos convencionais sobre a formação de planetas. Investigadores do Laboratório Lunar e Planetário (LPL) da …

A origem do "Gigante de Segorbe" pode finalmente ter sido esclarecida

Um novo estudo revela que a origem do "Gigante de Segorbe" pode ser bastante mais complexa daquilo que se pensava. O "Gigante de Segorbe", como é conhecido, foi um indivíduo encontrado por arqueólogos numa necrópole islâmica …

Instagram suspende planos de uma versão da aplicação para crianças

Para já, a empresa ainda não fez se se trata de um abandono temporário ou definitivo. Tempestade mediática em torno da influência das redes sociais na saúde mental dos jovens, sobretudo raparigas, pode ter influenciado …

Com todos os votos contados, PS vence com pior resultado que em 2013 e PSD conquista 113 câmaras

PS continua a ser o partido com mais representação autárquica em Portugal, apesar de cair para números anteriores à liderança de António Costa. PSD recupera das hecatombes de 2013 e 2017. Quase 24 horas depois após …

Presidente sul-coreano admite proibir consumo de carne de cão

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, admitiu, esta segunda-feira, a possibilidade de proibir o consumo de carne de cão, costume que se tornou "uma vergonha internacional", segundo fonte do seu gabinete. "Não terá chegado …

Pelo menos 24 países criaram novas leis para controlar o conteúdo na Internet, revela relatório

Autoridades de pelo menos 24 países, incluindo os Estados Unidos (EUA), estabeleceram novas regras que determinam o tratamento dos conteúdos por parte das plataformas 'online', concluiu um relatório da Freedom House. No seu relatório anual, intitulado …

Exames nacionais e provas de aferição deverão “retomar a normalidade” este ano

Depois de dois anos letivos condicionados pela pandemia da covid-19, o Governo está apostado em retomar, entre outras formas de avaliação, a obrigatoriedade de exames nacionais nas disciplinas de conclusão do ensino secundário. Os exames nacionais …